segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Venha, Eros...

Estou bem. estou tentando relaxar e perceber que atraso não é demora, é...algum motivo teve. Tentando não perceber que teu cheiro está em mim e o quanto sinto já sua falta. Tentando nao sentir que teu beijo ainda ta na minha boca... teu cheiro...mas impregnada estou com tantos cheiros... o teu é o melhor, é o que ficou. Tua boca deve estar cheia do meu gosto, do gosto do meu corpo enlaçado no teu. O silêncio dessa noite embala teu sono e me poe de pé, alerta...vejo vc vindo, sinto ainda teu toque que me desarma por completo. Sou teu, tua, sei lá...

No celular, teu número é confidencial, não posso ligar... email vc nao responde e não gosta de sites de relacionamento. Fica dificil te achar, só em mim mesma te acho, acho bem, estás aqui, bem aqui em mim, entre mim, entre o que há e o que não há, entre o que foi na minha cama e o que lá está agora, o nada, o vazio de você.

Eu te ouço chegar. Sei que houve motivo e sei que vou me entregar se vc voltar. Me entregar como nunca me entrego para ninguém: com confiança e sem reservas, nem sei porque, já que vc some e volta para Ítaca quando bem entende. Eu sou tua ilha, tua Ítaca; sou o lugar do teu mergulho mais fundo, que sempre te recebe aberta, completamente aberta e entregue. Sinto segurança, apesar de tua inconstância. Sinto firmeza, apesar de tua frivolidade. Sinto liberdade, sinto união quando nos encontramos e nos unimos completamente. Sinto que podemos ser parte um do outro e sinto que já somos. Sinto que talvez esteja exagerando, mas...confio na força que nos une de quando em quando.

Venha. Venha e não hesite. venha e não tema. Venha e não fuja. venha e mergulhe fundo em mim. Não sou nenhum lago raso e congelado, bem sabes disso; sou antes um lago de águas quentes por estar sobre um vulcão que pode ficar ativo a qualquer momento. Ao momento do teu toque, de teu sabor, de teu cheiro, teu doce cheiro. Venha e não demore. Não atrase mais o que já está tão adiado em minha vida. Volte de vez para Ítaca, Ulysses.

ass., Penélope nada charming. Bye.