quarta-feira, 4 de agosto de 2010


E depois de um pouco de revolta, vem a revolta egocêntrica: a revolta comigo mesma...depois de considerar prós e contras, de justificar e acusar o causador de minhas dores emocionais, me pego suspirando e digo: por que ainda amo desse jeito? isso passa, menina, vc ainda não aprendeu? não!! passa? não, tem sempre akele resquício, akela coisa q vc sente quando passa pelo predio em que ele trabalha, vai até o quinto andar, para na porta do escritorio e nao se mexe, sem coragem de entrar - ele pode axar que é perseguição - e torce pra que ele apareça, assim de repente, e vc de uma desculpa esfarrapadissima por estar ali, ou não, de repente ele nem pergunta, axa que vc vai ao dentista, pois ja a encontrou uma vez por ali exatamente num consultorio odontológico. Seu dente chega a doer com esse pensamento, vc espera, ele não aparece e vc vai embora. Tipico amor-burro, amor-medo, amor da negação do amor. Ainda tem amor, mas vc decide que não tem, fica racional e manda em vc mesma, mas vez em quando, sente akela coisinha lá no fundo que te consome e deixa as lembranças boas e as lagrimas virem, assim como as memórias do que nunca aconteceu. Ele nunca te amou, apesar de ter dito (estava bebado...). Ele nunca passou um fim de semana inteiro com vc, só no quarto, só a dois. Ele nunca te amou por completo, fisicamente mesmo. Foram pedaços de amor pelo caminho, pela reta da UFV, DCE, quimica...ele nunca vai compreender a grandeza do que você já ofereceu a ele porque ainda é menino, muito menino pra isso. Vocês se encontraram talvez na época errada da vida dele...mas quando for a época certa, você já vai estar velha d+ pra isso, pra ele...


Porque ainda amo desse jeito? é sua pergunta constante...não há resposta...pq é assim, o amor nasce e nunca quer se desgrudar da gente (gente=mulher). Vem com tudo e não tá prosa...e...é mesmo amor? Será que já senti algo que ao menos se aproximasse disso? Como vou saber? São suas outras perguntas constantes...o medo de vê-lo, medo de vê-lo sobretudo em outra companhia, feliz...injustiça pura, dor gigante que você já prevê...no fundo, na sua angustiosa e egoísta dor de cotovelo, você queria q ele também sofresse e não conseguisse ir em frente, não sem você. Mas ele não dá mostras de sofrimento ou qualquer outra coisa...não sente sua falta. Trata você como um dos amigos dele, como um dos amigOs mesmo. Nem aí... e o que te irrita é a segurança que ele tem sobre si mesmo, porque você é um poço de insegurança, nõ sabe pra onde vai, o que faz, quem quer ou não quer...aje ate pior que ele mantendo um aqui, outro ali, pendurados no galho. Ele foi objetivo: quebrou teu galho e disse adeus quase que segundos depois de ter dito que a amava. (lembre-se, ele tava bêbado!!). Mas você acreditou e não acreditou e achou que isso pudesse se tornar amor, o que, antes de acontecer, ele temia e logo saiu fora. Medo. Medroso. Isso é o que ele é, e é o que você já disse a ele, mas ele só afirmou isso, com muito orgulho, orgulho de macho...e que macho! Haha, sim você viaja ainda no corpo dele...a tatuagem, a altura, akele fisico todo, akela pele lindamente branca, pura...sim, essa sua queda pela brancura, pela pele clara...ai você lembra que o outro também tem a pele alva, tao alva...vc ainda tem akela coisa com esse outro também, apesar de ele estar namorando há tempos: ligação. Uma estranha ligação que as vezes nasce entre as pessoas. Mesmo que não sejam amigos ou mal se falem, as vezes tem essa coisa que pode ser chamada de ligação. De tesão talvez...muito tesão por tatoos e caras de mal...vc adora bad boys, o problema é que sua vida é real e bad boys são mals de verdade e não estão nem ai se você sofre mesmo. “Me esqueça!” é o que o comportamento dele te diz. Você diz ter saudades, quer vê-lo...ele só te aponta a foto no msn... “está bom assim” é o que ele te diz com esse comportamento. Você entende. Mas jamais aceitou e nem vai aceitar. Como alguém pode dizer não a algo que estava caminhando bem? Ai você ouve Still da Cher, as 22:51 dessa quarta insana, sim, essa quarta é insana porque você ainda tem o descaramento de pensar nele. Homem algum merece isso, merece nada do que você já ofereceu e deu, em muitos sentidos. Não merece as curvas de seu corpo, seus beijos ardentes, seus lábios no corpo dele, a maciez de sua pele, seu olhar apaixonado, sua entrega desmedida e sem hora, sem repulsa, total, sua abertura....Sua disponibilidade boba e apaixonada, sua entrega, seu sorriso desmedido e descarado ao encontrá-lo ou ao menos ao sentir o cheiro dele, hmmm...o cheiro dele. Homem nenhum merece o que você já ofereceu. O que ele podia pegar, pegou, e pegou mesmo porque você quis, você diz, você quis mesmo, e diz isso no seu orgulho besta feminino. “Eu quis!”. E o que você queria que ele pegasse, seu amor, não...foi descartado. Sim, foi amor, seu amor, foi só seu esse amor. E agora, descaradamente, você vai passar o link pra ele desse blog, de novo. Pra q ele veja o quanto te faz falta. Pra q você alimente o ego dele, que já não tá inchado o bastante, não?

Enquanto por outro lado, uma possibilidade, um amor desponta...e você age feito ele: ignora, não quer...veio com força e rápido demais, tá se envolvendo demais o pobre, não quero...de repente você se dá conta do que tá fazendo e...justifica-o, agora entende...haha tipica mulherzinha de quinta!!

Mas é isso que é ser uma: amar de graça, bobamente, e insistir em sofrer por isso, sem querer largar o osso. E você não larga o osso, não é? Quer se aproximar, quer estar na vida dele de alguma forma...migalhas são melhores do que nada?? estás certa disso? Não...vc não quer as migalhas e por isso prefere nem vê-lo, prefere viver das lembranças boas e incrementá-las com sua imaginação.

“I'll always be your girl...” (You belong to me – Carlye Simon, também cantada por Jennifer Lopez)

E ai você continua ai, fingindo estudar enquanto ele não entra no msn..e de repente ele entra...ai você espera, ate não aguentar mais o silencio dele e falar “oi”. Mas ultimamente você tem aguentado, você tem sido forte...sera q é mesmo amor? Ligação...e pare de chorar suas pitangas então...de repente você se revolta, com razão. Idiota burra q sou!! porque, porque, porque continuo amando??

um pouco de revolta

Ninguem realmente sabe quantas lágrimas hay derramado sobre a terra ate que haja ouvido November Rain as 23:54 de uma terça feira sã, não insana. E ai vc se lembra de todos os filmes tristes que viu, de como vc se identificava com todos os personagens tristes, nem sempre protagonistas, ... meu Deus, tantas lágrimas, tanta dor...a gente vive "just trying to kill the pain". E parece que ninguém tá nem aí, mas ninguém ta nem ai mesmo, porque a dor é sua, é só sua, mas sua alegria pode ser invejada e tomada, porém sua dor ninguém quer compartilhar...
tome uma coca à meia noite, ou as 23:57 dessa terça nada insana. Porque na dor vc ve tudo muito mais claramente...e as pessoas normais acham que vc é doente e precisa de tratamento psicanalítico, precisa de psicotropicos, precisa de ... vc só precisa do que Jesus ordenou a todos: amar. Amar na plena certeza da palavra, amar sem pisar em ovos, sem ter medo da reação de fuga do outro.
mas falar disso me cansa, me cansa tanto, como se eu já tivesse 80 anos de idade e vasta experiência...a vida é tão pesada que dói, cansa, cansa levantar da cama e pensar o que se tem que fazer no dia, dói olhar e ver os outros vivendo e não ver a dor deles, porque na dor ou na alegria vc só consegue ver a si mesmo e somos todos assim, egocêntricos por natureza.
tome mais uma coca as 00:01 dessa terça sã, completamente. E ouça todas as músicas do Guns, chore por conversar com sua tia no msn, chore porque depois da graduação vc vai ter que sustentar sua família e não poderá ter sua própria até que tudo esteja ajeitado e vc passando dos 40, cansada, cansada demais pra qualquer fuga e pra qualquer começo...chore porque vc não tem pra onde fugir, porque vc já não tem a mão que um dia te afagou, a boca que um dia te beijou que agora pode ate escarrar em vc e pouco se lixa pra sua dor...pq vc tbm não se lixa pra dor alheia, só consegue ver a sua nesse seu mundico de merda...vc não consegue "open your mind" pq fica preso em si e não olha pro outro...chore pq vc vai lecionar de um jeito inovador no começo, cheia de ideias e iniciativa, mas logo vai se acomodar à merda do sistema e vai ser uma merda de professora que não faz diferença nenhuma na escola publica, privada ou universidade, nem na vida de seus alunos, guinea pigs, poor guinea pigs. Chore porque a força do sistema humano, a máquina social vai te tornar parte dela, uma mákina. Chore pela sua morte. Sim, porque se vc não se trair e lutar ate o fim por seus ideais e ideias, vai acabar com a boca cheia de formiga. Cale-se diante da corrupção dos politicos e de quem fura a fila do RU; cale-se diante do choro do seu sobrinho enquanto ele espera a mamadeira e diante da criança eskelética num dos paises africanos cuja mamadeira nunca chegará; cale-se diante dos seus gatos mortos pelo vizinho e diante dos arpões dos caçadores de baleias e focas; e continue chorando pelos bixos presos, mortos de mil maneiras cruéis quando passar o globo reporter. Cruze os braços para viver mais. Conforme-se com o mundo porque é assim. Todo dia é assim. Morra agora por querer fazer alguma coisa, por ter ideias, por não querer só o próprio conforto. Morra de frio por ter doado seu edredon pro mendigo que dorme na sua porta.
Continue no seu choro inutil e viva mais. Não faça nada e viva mais. Não queira mudar o mundo. Não queira que os da classe popular, de onde vc veio e tenta esconder, tenham oportunidade de fazer o prodigio que vc fez: entrar numa universidade federal. Não queira que eles se conscientizem de sua própria situação, não estimule o pensamento deles, porque tem que ter gente pra limpar o departamento, se eles quiserem estudar, quem vai limpar o departamento? quem vai limpar o departamento?? é conveniente que se tenha a classe popular, alienados em seu mundo, mundo rico, cheia das artimanhas e artes, mas que precisa acordar para quem os devora...e todos os devoramos e eles se devoram.

Não faça boicotes, deixe tudo como está. deixe que o MEC finja que avalia seu curso com o ENADE e finja que vc sabe do que se trata essa prova e faça-a, faça-a sem saber das implicações aparentemente benéficas para o curso. Não participe de centro academico, forme-se com uma graduação mediocre para conseguir um emprego visando seu proprio bem-estar, porque vc eh um bom exemplar de ser humano. Não queira saber o que se pode fazer pra melhorar nada, só queira saber o que fazer pra ganhar dinheiro. Vá para os EUA só pra ter status e dê aulas de ingles mal e porcamente, só pq vc tem passagem pelo exterior. Não se revolte nunca, nem por blog...não se divulgue, não de a cara, só se for pra posar nua na playboy ou nu na G magazine...pra aparecer no BBB, pra dizer que é cantor, ator, dançarino, músico e o diabo. Faça funk, faça sucesso. Ponha seus filhos na frente da televisão pra ver bonde do leão, kelly kika, bobeira e bobão...incentive-os a aparecer sem terem formação alguma, sem ter nada pra mostrar. É assim que é. Não assista "À espera de um milagre", pois tem lição de vida e vc, como bom ser humano que é, vai chorar suas pitangas e vai ter ideias. Escreva tudu herrado, num tem pobrema, fali anssim tabém...seja mediocre e conforme-se com sua vida.
Tome outra coca. Amor? não ligue pra isso. Odeie os seres humanos pq, como bom ser humano que vc eh, inveja os outros de sua especie a ponto de poder matá-los. Seja homofobico, heterofóbico. faça-se de vitima. Conforme-se. Controle-se.
Amor de verdade? toma outra coca que passa, fume um, cheire um, sem problema. Seja um universitário babaca, aparentemente envolvido, ande por ai de bg e depois vista o terninho do papai e sente na cadeirinha q ele te der no escritorio dele quando vc se formar. Chore. Chore muito mesmo pq o ser humano é isso ai que vc vê. Todos os dias.
Eu to chorando porque, como exemplar de merda de ser humano que sou, só reflito e olhos pras minhas dores. Minhas dores emocionais e físicas. Como se eu ja tivesse percorrido toda minha green mile, como se eu já tivesse meus cem anos, sim, meus cem anos de solidão.