sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Erros


Feriado, Independência do Brasil. Minha independência já chegou há algum tempo, menos a emocional. Chato ficar em casa num feriado que não é feriado pra alguns de nós: trabalho no sábado normalmente. Só queria que minha despensa estivesse cheia e meu bolso também, poderia ao menos comer muito nessa horas de completo silêncio e solidão. Parece que todo mundo viajou e os que ficaram resignam-se ao conforto de seus lares. 

Minha trilha sonora foi variada hoje, ouvi de um tudo, gospel, samba, pop, rock, eletrônica e agora voltei à trilah de ontem, Amelie Poulain. Fico repetindo as músicas mais tristes, em que chora o piano ou a sanfoninha... Mas o piano é o mais belo de tudo.

Tirei um cochilo, aproveitando pra falar com Deus um pouquinho. Na minha burrice, ainda pedindo a Ele pra entender certas coisas, os por quês... Sei que tem coisas que nunca vou entender e que tenho que simplesmente abrir mão, mas... a dor de abrir mão parece ainda maior que a dor de lembrar de tudo, de ter o que lembrar. Seria melhor não ter lembranças? Às vezes imagino como seria se eu perdesse a memória, não de tudo, mas de coisas específicas... dos últimos seis anos, por exemplo... simplesmente esquecer... nunca vou saber. E vou questionar tudo a vida toda...

Estraguei tudo?
Escolhi errado?
Me precipitei?
Sou feia, repugnante, fácil, séria demais, velha, ultrapassada?
Onde está meu erro pra que eu possa acertar da próxima vez? (se houver próxima)...

Sei dos meu erros, mas até mesmo esse saber pode estar errado. Tudo é relativo, é complicado... acordei hoje com os mesmos pensamentos de querer vingança ou justiça, de fazer algo pra aplacar a dor de 2 anos, 2 anos, 2 anos... tem dores mais velhas e mais novas também, mas essa especialmente tem me incomodado. por que? Je ne sais pas, isto é, talvez eu não saiba dizer por que, mas sinto o por quê.

Vou continuar nas minhas resoluções e orações. O caminho é longo, estreito e árduo, como JC avisou. Antes eu vivia frustrada porque minha vida era uma pasmaceira, não acontecia nada. Agora, com tanta coisa que aconteceu, caio na mesma frustração, talvez até em maior grau. Estou buscando a cura nEle, Jeovah Rafah. Daí o nome Rafael, Deus cura. E mesmo com tanto erro e pecado, ele continua me chamando. Nos chamando, a todos. Estou indo, enquanto ouço a música do vídeo acima. Bye.