quarta-feira, 30 de junho de 2010

AGORA (22:35)

eu gostaria muito de um banho agora
eu gostaria muito de sumir gora
queria morrer agora
me afundar no teu abraço mais quente e intenso
porque o teu abraço me aquece, me molda e me faz mole
me deixa à tua mercê, me abala
o calor de teu corpo me faz sentir viva
tanto calor que me contém
e me contém
e me conforta
eu queria muito teu abraçoa agora
o conforto de ouvir tuas palavras no msn
eu queria muito que vc não estivesse viajando agora
queria que vc parasse, pensasse que pode ser seu ultimo dia por aqui
e voltasse, voltasse agora pra mim,
agora,
nesse hora em que, perdida, quase me odeio
partida pelo meio
parti meu espelho
vem agora do jeito que eu quero
eu queria que as coisas fossem exatamente do jeito que eu quero. Agora.
Não hoje, não queria ontem, não amanhã. Agora.
Vem agora e descobre que eu sou tua mulher
como nunca deixei de ser
vem agora e me faz tua mulher
vem e ve que eu sou o que ou quem vc quer
vem agora e fica online
vem agora e me enterra no teu abraço mais forte e quente
vem agora e não mente
que eu sou coisa nenhuma
Agora. Simplesmente agora.
não queria o banho quente e sim teu corpo quente, muy caliente
no meu, eternamente
quero morrer de amor assim, agora,
me saciando em você...
vou ler tudo isso de novo agora
só pra lembrar que não sou uma bosta
e lembrar que vc disse que é sempre bom me ver
e é sempre maravilhoso te ver
e horrível não te ter entre mims. Agora.
Agora é o nosso tempo perfeito, mais do que perfeito, imperfeito, pretérito
que eu insisto em futurar...pretérito, amor, não mais o pretérito
de amar.

My mind is brilliant

ois.

Estive pensando em mudar o nome deste blog para My mind is brilliant. Sim, porque minha mente é brilhante. Não brilhante no sentido pretensioso da palavra, mas brilhante como todas as mentes humanas o são. E estive pensando em minha graduação, minha monografia, vários temas para ela, sempre com meu viés educacional. Mestrado para educação ou linguistica aplicada...doutorado...esses titulos me assustam...depois deles, se os conseguir, não serei mais a mesma, ou ao menos ninguém mais me verá como a mesma e velha largada Rebeca. Tenho medo disso. De mudar radicalmente sem nem perceber, de ficar de uma petulância insuportável...pq insuportavel eu já sou, haha. Mas preciso galgar todos os degraus que se apresentarem, não só por mim, mas por Estevan(sobrinho), Bryan(sobrinho), Ana Clara(sobrinha), Isaque (irmão + novo), Israel(irmão), Berenice (mãe), Osvaldo (pai), Raquel (irmã). Por todos eles e por cada um. Uma vez li o significado de meu nome segundo a Numerologia (perdão, Senhor) e dizia lá que Rebeca geralmente se tornava arrimo da familia. Na época eu não entendi o que era esse "arrimo", mas depois compreendi, e agora, na reta final da graduação, entendo mais do que nunca: pesa sobre mim o destino da minha família sobretudo de meus pais e dois irmãos e os filhotinhos do mais novo. Sinto isso. Talvez eu esteja errada, mas sinto nitidamente isso. Todos estão lá, na expectativa da minha formação e mudança de vida. Minha mãe está sempre à espreita de progresso na vida dos filhos pra pegar uma carona nisso. Não estou criticando-a; depois de 57 anos, ela já fez muito senão tudo por nós que estava ao seu alcance fazer. E não conseguiu muita coisa pra si mesma assim como meu pai. Eu devo isso a eles. Eu tenho que fazer tbm o que puder por todos. Parece injusto, mas se eu der um passo agora, talvez meus filhos não tenham que se preocupar tanto comigo quando estiverem nas suas graduações, porque eu já não serei tão pobre quanto era antes, em muitos, senão todos, os sentidos.
Minha mente TEM que ser brilhante.
E tenho sentido muito medo ultimamente.
Medo de perguntar as coisas (esse sempre me acompanhou desde a infãncia). Medo de saber (saber é poder, poder é perigoso). Medo do pós-graduação (aesar de ter algumas possibilidades). Medo do mestrado. Medo do doutorado. Medo de ir atrás do que quero. Medo de falar o que é necessário e básico com os outros. Medo de fazer 37 (daki a dez anos) e estar do mesmo jeito que estou agora: com medo de tudo. Medo de não corresponder às expectativas que pesam sobre mim.
Medo de mim.
Irritação tbm tem vindo, lately.
Bye.