quinta-feira, 21 de abril de 2011

Rock-deboche


 acordei com Rock na véia... hehe

Caixa de Pandora?

Acordei e fui ajeitar umas coisas minhas, umas caixas, jogar coisas velhas e excedentes fora. Putz, guardo lembranças não só na memória... lá estavam algumas coisas das quais não consigo me livrar: uma caixinha vazia de incenso afrodisíaco; uma tampa de caixa de bombom, da mesma pessoa; um recibo de uma joalheria - não, jamais ganhei uma aliança, foi um par de brincos anti-alérgico - e outras coisinhas. O recibo eu joguei fora, mas a caixinha de incenso e a tampa da caixa de bombom não. É, olha só, já ganhei uma caixa de bombons uma páscoa, 2008. Três anos.

Esse negócio de contagem do tempo é uma coisa meio sinistra, a gente quando para pra pensar vê o quanto o tempo já passou, o quanto você deixou de fazer ou mesmo fez, o quanto você está ultrapassada pra algumas coisas, ainda viva pra outras, nova pra umas, tão velha pra outras...

Um ano faz que conheci duas pessoas importantes pra mim. Uma não faz mais parte da minha vida, isto é, deixou claro que não quer. A outra é uma incógnita, não ata nem desata. Mas acho que cheguei num tempo de não ter mais tanta paciência... se eu não sirvo pra assumir, tampouco sirvo pra esconder, se é que me entendem...

Joguei muitas coisas fora, inclusive amizades. joguei chances fora, passou, e daí? Agora já foi. Não vou jogar essa do intercâmbio não. Não tenho dinheiro, não tem como ir, olhando minha situação. Ah, mas se eu passo nessa entrevista, vou sim! Paguei a formatura sozinha, correndo daki e dali, me virando. vai ser a mesma coisa agora. Costumam dizer que a coisa ganha mais sabor se você faz o esforço, vai atrás. Tá, mas dá um trabalho! Queria sim que minha vida fosse mais fácil, mais tranquila, mais endinheirada, mais amorosa. Como seria? Não sei... imaginar tudo isso é novamente me deparar com as lembranças que encontrei nas minhas caixas, é me deparar com o que poderia ter sido e nunca foi. É não viver o presente e ficar parada na possibilidade... não quero mais isso. realidade, ainda que dura e crua. fantasias podem ser boas, mas só nas festas. Falando nisso, lá estarei dia 29. A do ano passado foi dia 9, portanto um ano e vinte dias.

Como será a páscoa esse ano? Não sei. Amanhã acontecerá o sermão do monte às 8h na minha igreja. O Sermão do monte está nos evangelhos ( Mateus 5, 6 e 7, Lucas 6:20). Jesus dá uma série de lições, aconselhamentos e direcionamentos de como devemos viver nessa terra. A páscoa no Antigo testamento comemorava a saida do povo do Egito, livrando-se da escravidão. No novo Testamento, lembravam-se também disso, mas após o sacrifício de Cristo, agora devemos nos lembrar disso mesmo: paixão, morte e ressureição dEle, tudo pra que, purificados por seu sangue, pudéssemos novamente nos aproximar do Pai, de Deus. Isso é grande parte do plano de Deus, a reconciliação, porque uma vez que pecamos, estamos longe de Deus, em quem não há pecado. E pecado é o que vai contra os mandamentos dEle. Para que nos aproximássemos novamente de Deus, já que Ele jamais desejou ficar longe de sua criação, Jesus Cristo se sacrificou, pois Ele, como Deus e homem, não pecou e pode derramar seu sangue puro para que nós, aceitando como verdadeiro esse sacrifício, pudéssemos voltar a ser filhos de Deus. Todos somos criados por Ele, mas nem todos são filhos, somente aqueles que reconhecerem que Jesus é o filho de Deus que realmente veio à essa terra para nos reconciliar com o Pai. Amém.

Ovos de chocolate? coisa moderna. Sim, eu vou comer o meu. Mas sem esquecer toda essa história judaico-cristã que muitos desprezam ou não acreditam. Livre-arbítrio, ok. Questão de fé. Bye!