Pular para o conteúdo principal

Caixa de Pandora?

Acordei e fui ajeitar umas coisas minhas, umas caixas, jogar coisas velhas e excedentes fora. Putz, guardo lembranças não só na memória... lá estavam algumas coisas das quais não consigo me livrar: uma caixinha vazia de incenso afrodisíaco; uma tampa de caixa de bombom, da mesma pessoa; um recibo de uma joalheria - não, jamais ganhei uma aliança, foi um par de brincos anti-alérgico - e outras coisinhas. O recibo eu joguei fora, mas a caixinha de incenso e a tampa da caixa de bombom não. É, olha só, já ganhei uma caixa de bombons uma páscoa, 2008. Três anos.

Esse negócio de contagem do tempo é uma coisa meio sinistra, a gente quando para pra pensar vê o quanto o tempo já passou, o quanto você deixou de fazer ou mesmo fez, o quanto você está ultrapassada pra algumas coisas, ainda viva pra outras, nova pra umas, tão velha pra outras...

Um ano faz que conheci duas pessoas importantes pra mim. Uma não faz mais parte da minha vida, isto é, deixou claro que não quer. A outra é uma incógnita, não ata nem desata. Mas acho que cheguei num tempo de não ter mais tanta paciência... se eu não sirvo pra assumir, tampouco sirvo pra esconder, se é que me entendem...

Joguei muitas coisas fora, inclusive amizades. joguei chances fora, passou, e daí? Agora já foi. Não vou jogar essa do intercâmbio não. Não tenho dinheiro, não tem como ir, olhando minha situação. Ah, mas se eu passo nessa entrevista, vou sim! Paguei a formatura sozinha, correndo daki e dali, me virando. vai ser a mesma coisa agora. Costumam dizer que a coisa ganha mais sabor se você faz o esforço, vai atrás. Tá, mas dá um trabalho! Queria sim que minha vida fosse mais fácil, mais tranquila, mais endinheirada, mais amorosa. Como seria? Não sei... imaginar tudo isso é novamente me deparar com as lembranças que encontrei nas minhas caixas, é me deparar com o que poderia ter sido e nunca foi. É não viver o presente e ficar parada na possibilidade... não quero mais isso. realidade, ainda que dura e crua. fantasias podem ser boas, mas só nas festas. Falando nisso, lá estarei dia 29. A do ano passado foi dia 9, portanto um ano e vinte dias.

Como será a páscoa esse ano? Não sei. Amanhã acontecerá o sermão do monte às 8h na minha igreja. O Sermão do monte está nos evangelhos ( Mateus 5, 6 e 7, Lucas 6:20). Jesus dá uma série de lições, aconselhamentos e direcionamentos de como devemos viver nessa terra. A páscoa no Antigo testamento comemorava a saida do povo do Egito, livrando-se da escravidão. No novo Testamento, lembravam-se também disso, mas após o sacrifício de Cristo, agora devemos nos lembrar disso mesmo: paixão, morte e ressureição dEle, tudo pra que, purificados por seu sangue, pudéssemos novamente nos aproximar do Pai, de Deus. Isso é grande parte do plano de Deus, a reconciliação, porque uma vez que pecamos, estamos longe de Deus, em quem não há pecado. E pecado é o que vai contra os mandamentos dEle. Para que nos aproximássemos novamente de Deus, já que Ele jamais desejou ficar longe de sua criação, Jesus Cristo se sacrificou, pois Ele, como Deus e homem, não pecou e pode derramar seu sangue puro para que nós, aceitando como verdadeiro esse sacrifício, pudéssemos voltar a ser filhos de Deus. Todos somos criados por Ele, mas nem todos são filhos, somente aqueles que reconhecerem que Jesus é o filho de Deus que realmente veio à essa terra para nos reconciliar com o Pai. Amém.

Ovos de chocolate? coisa moderna. Sim, eu vou comer o meu. Mas sem esquecer toda essa história judaico-cristã que muitos desprezam ou não acreditam. Livre-arbítrio, ok. Questão de fé. Bye!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…