segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Sede

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
Mateus 5:6

Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos 
(Mateus 5:6)


Hoje, faltando somente uma hora, ou menos para o término desse dia dos professores, eu sofro. me entristeço pela categoria, pela categoria humana. Juntando julgamento de mensalão, avenida brasil, salário de professor, ser professor, ser humano, ser mulher, Senhor, é tanta coisa imbricada, tanto problema, tanta injustiça. 

Minha sede de justiça só aumenta. Aquele velho sentimento de vingança foi passageiro, escondia em si a sede por justiça em todas as áreas. Horrível é essas sensação de impotência, claro que algo posso fazer, mas é muito pouco, posso tão pouco... ou estarei enganada? Não sei, tudo me confunde. 

Queria até poder escrever algo bom, mas nada vai sair. Hoje recebi uns parabéns de uma ex-aluna e dos meus alunos, pessoalmente. Mas eles são adolescentes, não tem noção de que, vulgarmente falando, o buraco é mais embaixo. Às vezes me sinto completamente inútil das vidas de alunos, de pessoas que pensam que vão entrar em u curos de inglês e sair sabendo e falando milagrosamente, sem o esforço dos exercícios, do livro, do estudo, posto que não cultivam o hábito da leitura, não ampliam seus saberes e andam nas rédeas curtas do sistema. Estou igualmente subjugada a ele, mas com a diferença de estar ciente disso e das coisas, enfim, estar ciente do que acontece à minha volta e saber da importãncia do inglês, de votar, de estudar, de ganhar conhecimento para exercer plena cidadania, ser um humano completo. É difícil de explicar, mais difiícil ainda fazer outrem entender. 

Terminando o ano, vêm os dilemas: continuar a graduação, mestrar, mudar, chutar o balde, enfim, véspera de outro ano inspira mudança, novos ares. Nem posso continuar a segunda graduação, meu prazo seria de dois anos, que já se foram... nem tenho projeto ainda de mestrado e a burocracia toda do processo me desanima. Tudo me desanima. Vivemos na ilusão dos momentos bons e de que tudo sempre vai dar certo. Mas não é bem assim. Casar-se com deus, assim como as freiras, não significa a felicidade eterna, mas sim o aprendizado cotidiano. Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até que Ele venha e faça a justiça - Ora vem Senhor Jesus!!