sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Desequilíbrios e choros entre fraldas :)



Sou desequilibrada. Conversei com minha filha hoje sobre isso - sim, eu converso com a bebê de 2 meses - e perguntei a ela se ela também seria desequilibrada, digo no sentido físico-literal mesmo. Não ando de bicicleta e jamais praticaria surf ou skate. A bebê só me olhou, sorriu, mexeu perninhas e bracinhos como sempre :)

Ser mãe é ótimo, é uma experiência legal, muito boa mesmo, mas cansa bem. Várias noites capotei na cama e não ouvi a bebê chorar, mas o papai acordou e me acordou porque feliz ou infelizmente é a mãe única e exclusivamente a responsável pela alimentação do bebê, ao menos no início. Logo vou voltar a trabalhar e já estou preocupada, triste até. A lei é incompatível com o que dizem os médicos: devemos amamentar exclusivamente até os seis meses e continuar até dois anos, mas a lei só nos dá 4 meses de licença-maternidade... Gostaria muito de ficar com ela esses primeiros seis meses, integralmente, mas não será possível :(

Cuidando da bebê, mal me cuido. Estava bem desleixada, mas agora estou tentando me manter minimamente "atraente" rs. Mas quando tomo banho e olho o meu corpo, hmm difícil. Além da idade que desgasta o corpo, a gravidez muda muito, senão todo o corpo, a alma, a cabeça. Todos dizem que meu corpo voltou rápido, mas estou ainda com um ou dois quilos a mais. Não ligo, nunca fui muito vaidosa, mas a barriguinha incomoda, a flacidez dos seios, o cansaço. Mas como eu já disse antes, depois de todo trabalho de parto, encaro o cansaço numa boa durante o dia, faço as coisas, cuido da casa e da neném. À noite é que o cansaço acaba aparecendo... aí lembro da propaganda de rexona: as mulheres são fortes. Ponto. Nunca ouvi verdade maior, mas creio que as mães são ainda mais fortes. 

Lídia está começando a perder roupinhas. Até então, usava tudo RN (recém-nascido) agora está passando pra tamanho P. Ela teve bastante dor ontem, fiquei sem saber o que era, pensando que pudesse ser ainda consequência da vacina de dois meses, que lhe causou muita dor e um choro terrível - eu chorei com ela - mas dessa vez era dorzinha de barriga. Usei um supositório e funcionou :) Essa vacina é terrível, a dos dois meses. São 4 doses, uma gotinha e três picadas, duas na perninha direita e uma na esquerda. A da esquerda é que é problemática, a própria enfermeira já diz para ter um remédio de dor e febre pra criança em casa. Eu não tinha e na hora da vacina, Lídia nem chorou muito. Mas o choro sentido, terrível que a deixou toda vermelhinha e quase sem fôlego veio mais tarde. Fazíamos compras no supermercado e ela começou a se contorcer no meu colo. Dei de mamar, mas ela não conseguia pegar e começou a chorar cada vez mais, mais alto e mais forte, com mais dor. As pessoas devem ter achado que eu estava batendo nela. Nós não sabíamos o que fazer, então instintivamente, eu peguei a mantinha dela, achei um espaço lá, deitei-a e a enrolei na mantinha, dei-lhe a chupeta. Ela foi se acalmando e dormiu. Logo fomos embora e ela voltou a chorar muito em casa. Com paracetamol bebê em mãos, dei a ela por dois dias de seis em seis horas e ela melhorou. Foi terrível vê-la sofrer daquele jeito, a gente percebe que e um choro de muita dor. Agora entendo porque Deus, em sua infinita sabedoria, não permitiu que tivéssemos memória desse tempo de bebê... O pior é que essa vacina tem mais duas doses, eu acho... haja coração!

A gente vai aprendendo no dia a dia mesmo a ser mãe. Vai ter muita gente falando muita coisa mas a gente tem que olhar pro nosso bebê, sentir e saber o que ele precisa e seguir nossa intuição. Sigo muito isso e orientação médica, é claro. E creio que tenho me saído bem, Lídia está saudável, coradinha, alegre, "falante", do jeito dela. bye!