Pular para o conteúdo principal

Desequilíbrios e choros entre fraldas :)



Sou desequilibrada. Conversei com minha filha hoje sobre isso - sim, eu converso com a bebê de 2 meses - e perguntei a ela se ela também seria desequilibrada, digo no sentido físico-literal mesmo. Não ando de bicicleta e jamais praticaria surf ou skate. A bebê só me olhou, sorriu, mexeu perninhas e bracinhos como sempre :)

Ser mãe é ótimo, é uma experiência legal, muito boa mesmo, mas cansa bem. Várias noites capotei na cama e não ouvi a bebê chorar, mas o papai acordou e me acordou porque feliz ou infelizmente é a mãe única e exclusivamente a responsável pela alimentação do bebê, ao menos no início. Logo vou voltar a trabalhar e já estou preocupada, triste até. A lei é incompatível com o que dizem os médicos: devemos amamentar exclusivamente até os seis meses e continuar até dois anos, mas a lei só nos dá 4 meses de licença-maternidade... Gostaria muito de ficar com ela esses primeiros seis meses, integralmente, mas não será possível :(

Cuidando da bebê, mal me cuido. Estava bem desleixada, mas agora estou tentando me manter minimamente "atraente" rs. Mas quando tomo banho e olho o meu corpo, hmm difícil. Além da idade que desgasta o corpo, a gravidez muda muito, senão todo o corpo, a alma, a cabeça. Todos dizem que meu corpo voltou rápido, mas estou ainda com um ou dois quilos a mais. Não ligo, nunca fui muito vaidosa, mas a barriguinha incomoda, a flacidez dos seios, o cansaço. Mas como eu já disse antes, depois de todo trabalho de parto, encaro o cansaço numa boa durante o dia, faço as coisas, cuido da casa e da neném. À noite é que o cansaço acaba aparecendo... aí lembro da propaganda de rexona: as mulheres são fortes. Ponto. Nunca ouvi verdade maior, mas creio que as mães são ainda mais fortes. 

Lídia está começando a perder roupinhas. Até então, usava tudo RN (recém-nascido) agora está passando pra tamanho P. Ela teve bastante dor ontem, fiquei sem saber o que era, pensando que pudesse ser ainda consequência da vacina de dois meses, que lhe causou muita dor e um choro terrível - eu chorei com ela - mas dessa vez era dorzinha de barriga. Usei um supositório e funcionou :) Essa vacina é terrível, a dos dois meses. São 4 doses, uma gotinha e três picadas, duas na perninha direita e uma na esquerda. A da esquerda é que é problemática, a própria enfermeira já diz para ter um remédio de dor e febre pra criança em casa. Eu não tinha e na hora da vacina, Lídia nem chorou muito. Mas o choro sentido, terrível que a deixou toda vermelhinha e quase sem fôlego veio mais tarde. Fazíamos compras no supermercado e ela começou a se contorcer no meu colo. Dei de mamar, mas ela não conseguia pegar e começou a chorar cada vez mais, mais alto e mais forte, com mais dor. As pessoas devem ter achado que eu estava batendo nela. Nós não sabíamos o que fazer, então instintivamente, eu peguei a mantinha dela, achei um espaço lá, deitei-a e a enrolei na mantinha, dei-lhe a chupeta. Ela foi se acalmando e dormiu. Logo fomos embora e ela voltou a chorar muito em casa. Com paracetamol bebê em mãos, dei a ela por dois dias de seis em seis horas e ela melhorou. Foi terrível vê-la sofrer daquele jeito, a gente percebe que e um choro de muita dor. Agora entendo porque Deus, em sua infinita sabedoria, não permitiu que tivéssemos memória desse tempo de bebê... O pior é que essa vacina tem mais duas doses, eu acho... haja coração!

A gente vai aprendendo no dia a dia mesmo a ser mãe. Vai ter muita gente falando muita coisa mas a gente tem que olhar pro nosso bebê, sentir e saber o que ele precisa e seguir nossa intuição. Sigo muito isso e orientação médica, é claro. E creio que tenho me saído bem, Lídia está saudável, coradinha, alegre, "falante", do jeito dela. bye!


Comentários

Larissa Gevesier disse…
Olá
Achei seu blog no babycenter, e adorei!!! Ta uma graça, e tem bastante informação legal!! Parabens
Acabei de fazer um blog tambem, passa la, sempre bom ter opiniões rs!
Bjo

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…