segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Das coisas que mudam


Muita coisa muda pós-bebê. Essa pesquisa do babycenter mostra algumas interessantes. Eu estou praticamente isolada do mundo há cinco meses e ficaria até mais por minha filhotinha, só que cansa. Bom, vamos analisar as mudanças:

1.O relacionamento do casal muda: Acho que não mudou muita coisa... estamos juntos há 1 ano e 4 meses, morando juntos há 6 meses. Brigávamos mais antes, e no início era mais grude e tal, tanto é que resultou na Lídia e por ela fomos morar juntos. Agora estamos bem, sem aquele fuego inicial, mas bem. Tudo aconteceu rápido, mas estamos nas mãos dEle. Em breve devemos nos casar :)

2.Cadê o tempo? Sumiu!: Todo esse tempo em casa está dedicado 90% à bebê, o resto pra mim, pra casa e pro namorido. Tô pensando como vai ser na volta ao trabalho... tempo é a gente que faz, mas tenho a impressão de que os dias voam ... Lídia tem quase 3 meses e já "conversa" comigo, minha linda!

3. Você muda de cara -- e de corpo (tanto a mãe quanto o pai!): Me disseram que fiquei mais bonita agora que sou mãe. Estou mais feliz e "um coração alegre aformoseia o rosto" mas o corpo... Já perdi parte do 14kg ganhos na gravidez, só que fica uma barriga, um quadril maior, flacidez... chato mas normal, tem que mudar alimentação (ok) e fazer exercício (sóqnaum).

4. Você entra para um clube superexclusivo: Das poucas vezes que saí durante a gravidez - ônibus, trabalho, banco -  senti acolhimento e certa gentileza. Agora depois do nascimento da pequena, eu nem existo, só me perguntam sobre ela. Anseio pela hora que ela me chamará de mamãe!

5. Você é mais forte do que imaginava: Isso com certeza! Me sinto capaz de qualquer coisa, me sinto forte depois que passei pelo parto normal. Acho que a cesárea não dá a mesma sensação; o parto normal é um rito de passagem importante para mãe e bebê.

6. Você morde a língua e comete os "erros" que criticava: Uma coisa que eu criticava era segurar bebê novinho em pé e acabei acostumando a Lídia desde cedo assim. E também já critiquei muito minha mãe por ter parado de trabalhar para cuidar dos filhos. Não fiz isso porque as condições não permitem, mas entendo bem agora minha mãe, a única coisa que faria diferente seria voltar a trabalhar depois. Já fui intolerante em relação a ter filhos sem casar ou morar junto... hoje estou exatamente nessa situação rs...

7. Sua relação com os amigos muda: essa já estava "mudada" (abalada) há tempos... Tudo começou em agosto de 2012 quando decidi voltar de fato pra Igreja e largar as baladas. Os amigos respeitaram mas o afastamento foi inevitável, pois parecia que o principal motivo para o encontro era sair pras festas e bebedeiras. Aí quando engravidei, piorou tudo. Ainda resta o contato virtual, mas até esse está escasso.
8. Tem horas em que você simplesmente quer fugir: fato. Mas é preciso permanecer, o amor e a responsabilidade chamam :)

9.Você sente o maior amor do mundo: nem dá pra explicar! Beijo, abraço e aperto minha baby o tempo todo; velo seu sono, dou banho, troco, etc, etc. Acho-a linda acordada, dormindo e até fazendo beicinho. Amor demais!

10.Você tem de se afastar da criança muito antes do que imagina: Pois é, a hora de voltar a trabalhar se aproxima e me assusta, mas é necessário. O bom é que o papai vai ficar com ela, e ela estará com 4 meses.

Minha militância pela causa materna começa aqui, ASSINE!: