Pular para o conteúdo principal

Das coisas que mudam


Muita coisa muda pós-bebê. Essa pesquisa do babycenter mostra algumas interessantes. Eu estou praticamente isolada do mundo há cinco meses e ficaria até mais por minha filhotinha, só que cansa. Bom, vamos analisar as mudanças:

1.O relacionamento do casal muda: Acho que não mudou muita coisa... estamos juntos há 1 ano e 4 meses, morando juntos há 6 meses. Brigávamos mais antes, e no início era mais grude e tal, tanto é que resultou na Lídia e por ela fomos morar juntos. Agora estamos bem, sem aquele fuego inicial, mas bem. Tudo aconteceu rápido, mas estamos nas mãos dEle. Em breve devemos nos casar :)

2.Cadê o tempo? Sumiu!: Todo esse tempo em casa está dedicado 90% à bebê, o resto pra mim, pra casa e pro namorido. Tô pensando como vai ser na volta ao trabalho... tempo é a gente que faz, mas tenho a impressão de que os dias voam ... Lídia tem quase 3 meses e já "conversa" comigo, minha linda!

3. Você muda de cara -- e de corpo (tanto a mãe quanto o pai!): Me disseram que fiquei mais bonita agora que sou mãe. Estou mais feliz e "um coração alegre aformoseia o rosto" mas o corpo... Já perdi parte do 14kg ganhos na gravidez, só que fica uma barriga, um quadril maior, flacidez... chato mas normal, tem que mudar alimentação (ok) e fazer exercício (sóqnaum).

4. Você entra para um clube superexclusivo: Das poucas vezes que saí durante a gravidez - ônibus, trabalho, banco -  senti acolhimento e certa gentileza. Agora depois do nascimento da pequena, eu nem existo, só me perguntam sobre ela. Anseio pela hora que ela me chamará de mamãe!

5. Você é mais forte do que imaginava: Isso com certeza! Me sinto capaz de qualquer coisa, me sinto forte depois que passei pelo parto normal. Acho que a cesárea não dá a mesma sensação; o parto normal é um rito de passagem importante para mãe e bebê.

6. Você morde a língua e comete os "erros" que criticava: Uma coisa que eu criticava era segurar bebê novinho em pé e acabei acostumando a Lídia desde cedo assim. E também já critiquei muito minha mãe por ter parado de trabalhar para cuidar dos filhos. Não fiz isso porque as condições não permitem, mas entendo bem agora minha mãe, a única coisa que faria diferente seria voltar a trabalhar depois. Já fui intolerante em relação a ter filhos sem casar ou morar junto... hoje estou exatamente nessa situação rs...

7. Sua relação com os amigos muda: essa já estava "mudada" (abalada) há tempos... Tudo começou em agosto de 2012 quando decidi voltar de fato pra Igreja e largar as baladas. Os amigos respeitaram mas o afastamento foi inevitável, pois parecia que o principal motivo para o encontro era sair pras festas e bebedeiras. Aí quando engravidei, piorou tudo. Ainda resta o contato virtual, mas até esse está escasso.
8. Tem horas em que você simplesmente quer fugir: fato. Mas é preciso permanecer, o amor e a responsabilidade chamam :)

9.Você sente o maior amor do mundo: nem dá pra explicar! Beijo, abraço e aperto minha baby o tempo todo; velo seu sono, dou banho, troco, etc, etc. Acho-a linda acordada, dormindo e até fazendo beicinho. Amor demais!

10.Você tem de se afastar da criança muito antes do que imagina: Pois é, a hora de voltar a trabalhar se aproxima e me assusta, mas é necessário. O bom é que o papai vai ficar com ela, e ela estará com 4 meses.

Minha militância pela causa materna começa aqui, ASSINE!:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…