Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2014

Razão para viver

Ah! Se o mundo inteiro me pudesse ouvir Tenho muito pra contar Dizer que aprendi...

Tim Maia - Azul da cor do mar
Acho que esse foi um dos anos mais difíceis da minha vida, senão o mais. Quem trabalha, quer usufruir do ganho, do fruto do seu trabalho, mas eu não pude. Aliás, não pude fazer muuuuita coisa que gostaria ou deveria. Anyway... e novamente me deparei com o defeito mais visível, a falta de tato para relacionamentos, ou melhor, para relações humanas. Mas dessa feita, tomei uma atitude diferente, deixei pra lá... bom, na verdade, chutei o balde. Só vou me esforçar pelo meu casamento e por minha filha, duas coisas que agora são prioridade. Os planos, os sonhos, nem sei mais, tenho que rever muita coisa, planejar melhor e sobretudo executar, por as coisas que tanto rondam a minha cabeça em prática.   A propósito de ser mãe, aprendi muita coisa. A gente não sabe ser mãe até se tornar uma. Tem sempre gente dando palpite sobre como vc deve cuidar do seu filho e isso te tira do sério, …

A estrada não percorrida

THE ROAD NOT TAKEN
by Robert Frost TWO roads diverged in a yellow wood, And sorry I could not travel bothAnd be one traveler, long I stoodAnd looked down one as far as I couldTo where it bent in the undergrowth;        5Then took the other, as just as fair,And having perhaps the better claim,Because it was grassy and wanted wear;Though as for that the passing thereHad worn them really about the same,        10And both that morning equally layIn leaves no step had trodden black.Oh, I kept the first for another day!Yet knowing how way leads on to way,I doubted if I should ever come back.        15I shall be telling this with a sighSomewhere ages and ages hence:Two roads diverged in a wood, and I—I took the one less traveled by,And that has made all the difference.
Hoje faz um mês que completei 31 anos e foi meu último dia de substituta em uma escola pública. Normal a escola, nada do que eu já não esperava: professores cumprindo sua carga horário com certo desânimo, uns cansados, outros con…

Cartas

Essas areias que me sujam os pés, Esse é o meu chão mais uma vez, Há muitas luas nessa ilha tão só,...

Uma carta - LSJack
Outro dia achei duas cartas, datadas, acho, do mesmo ano, 2006, a saber, ano que aqui em Viçosa cheguei. Uma amigável e a outra nem um pouco. Ambas falando do meu "mau" comportamento. Oito anos depois, ainda conservo esse tal "mau" comportamento que eu nem sei em que consiste. Piso tanto em ovos pra falar com as pessoas e, no final, algumas vezes, raríssimas, respiro aliviada porque não era nada de tudo aquilo que eu pensava. Mas na maior parte das vezes, me assusto com o que o meu "mau comportamento" acarreta. Sério mesmo, não sei. A vida inteira pisei em ovos, me retraí, me retive, ainda continuo fazendo isso. Não sei se por altruísmo ou egoísmo. Tremo ao escrever. Me dá medo perder. Aí depois eu me consolo dizendo que era pra ser assim mesmo. Não luto, só pelo pão de cada dia que está extremamente caro. Timidez, traço que jamais virou…

Niver e mais coisas que eu sei

Eu ia escrever qualquer coisa aqui no dia 20 que passou, meu aniversário. Eu gosto de comemorar, não necessariamente com festa, mas com algo que simbolize o dia. Mas não foi um dia tão memorável esse ano. As contas, a rotina, a relação consomem tudo que pode ser especial. Enfim, fiz 31 anos. Eu adoro aquele episódio do Chaves em que Seu Madruga faz aniversário. Ele está se sentindo um pouco estranho, porque todos lhe perguntam se ele se sente mal. Aí então começa a desconfiar que está prestes a morrer e o Chaves tenta ajudá-lo, mas entende tudo errado. No final, tudo era uma armação pra uma festa surpresa. Bom, eu sempre fico, lá no fundo, com essa expectativa da surpresa, mas na maior parte das vezes ela se frustra. A única coisa de diferente que me aconteceu no dia foi ter começado a lecionar numa escola pública. Uhú, enfim realizei uma vontade antiga e estou gostando, ainda que seja só por um mês. Cheguei num ponto bom da vida, gostaria que continuasse assim, aulas de inglês e de …

Mais um poesário de aniversia

O medo mora perto das ideias loucas
O dia acaba.
De todo esse tempo
nem que fosse
e foi
só por um momento
eu vivi.

Ah, sim, como me arrependo!!
Das muitas pedras chutadas
que me machucaram o pé
e o coração

Da minha mão, tantas vezes estendida
e rejeitada
mal-amada

Ah, sim, agora está bom...
sem falar nos pormenores
ou tocar nas dores maiores
me contento
sem culpas
com dó menor.

Ah, sim!
Não tenho mais dó de mim.

1983 - 2014 e continua! Bye :)


Palíndromo

SOCORRAM-ME, SUBI NO ÔNIBUS EM MARROCOS

E por aí vai a vida... sofrida.
Sou Frida.
Só a Frida se dá bem.
Eu não.

Bye.

:(

Felicidade

10 meses hoje!

Descobri a segunda característica rara da minha filha: continuar acordando à noite após os seis meses. Isso não é nada bom, mas acho que viciei ela nas mamadas noturnas. Li que às vezes o bebê acorda e só quer sentir a nossa presença, e podemos deixá-lo chorar um pouco ou apenas acalmá-lo, tentando não pegar no colo. Não consigo, sempre pego a Lídia e ela mama. Algumas vezes ela já chorou e voltou a dormir sozinha, mas foram pouquíssimas vezes. Estou tentando dar mamadeira na hora de dormir, mas ela não aceita muito bem.
Descobri também que felicidade é vê-la, finalmente, apoiar os joelhinhos no chão, além das mãozinhas, e engatinhar. Antes ela levantava o quadril, que é sinal de que a criança vai andar... ela é a felicidade caótica, inverte a ordem das coisas, faz seu próprio mundo, linda que é. Levanta apoiada, anda já (apoiada nos papais, é claro), "fala", sorri, acena, reclama, grita, chora, gargalha, enfim, cresce sempre mais, espero que sempre bem. Ela …

Abba Pai

Me ofereço
assim sem preço
por preço algum
por preço qualquer, 
preço nenhum.
Me esqueço
tudo já é um recomeço
de mim mesmo.
Padeço um retrocesso.
Adoeço, de tédio
E que falta faço a mim mesmo.

poeminha meu :/


"Don't have much money, but boy if I did I'd buy a big house where we both could live"
Your Song - Elton John
Entrei hoje numa igreja católica. Não, não pretendo mudar de religião, mas senti ali nas pessoas que se prostravam ante as imagens que elas também têm Deus, crêem nEle, e as imagens são o quê concreto que nós, Tomés, precisamos. Às vezes sinto falta disso, de um quê concreto onde me agarrar, de fazer algum sinal, tipo o sinal da cruz que os católicos fazem. Evangélicos se fundamentam somente na fé, só que ao mesmo tempo, um grupo deles acaba de construir um suntuoso templo humildemente chamado de Templo de Salomão. Acho megalomania do dirigente, mas ainda assim creio que lá Deus está, como estava hoje no templo católico onde entrei; como está agora aqui se eu com Ele …

Sábado de Aleluia

Casamos. A aliança no dedo me incomoda, não porque me sinto presa ou que seja novidade, simplesmente porque coça, faz tempo que abri mão de anéis - meu acessório favorito - por conta da minha pele sensível demais. A aliança não é prata nem ouro, logo vai escurecer. Já estávamos casados há um ano, outro dia me dei conta. Quando as coisas vão acontecendo assim, sem muito alarde, quase que naturalmente, parece que perde a "graça"; não sei, falta um quê de novidade no ar. Nada mais soa como novo pra mim, mas estou realmente e extremamente feliz porque essa área conturbada da minha vida se resolveu. Sim, se resolveu, aliás, nós resolvemos unir forças e fazer acontecer, fazer valer até o fim: fidelidade e companheirismo até o fim. Somos um casal de papagaios.
A decisão do casamento, da fidelidade, do "até o fim" sempre esteve comigo, é uma decisão de vida, que me foi ensinada desde sempre. Não tem a ver com paixão, com a beleza, com status; é demonstração de amor própri…

Isn't she lovely?

Escolhi muitas coisas para minha filha, agora com sete meses: Ao descobrir que seria menina, imaginei possíveis profissões, como ela seria na escola, até mesmo no possível ballet. Ouvi músicas como My Girl, Girl on Fire e agora estou revisitando a linda Isn't she lovely, do Stevie Wonder, que ele escreveu para sua filhinha. Imaginei já Lídia como pianista, jogadora de futebol, bailarina, lutadora de MMA, professora, técnica em computação, etc, etc... Mas aprendi que é preciso ter tanta paciência mas tanta paciência com um bebê, um ser humano em formação, quanto é preciso para se viver um amor. Ufa. Paciência, muita. É preciso curtir intensamente cada fase, que logo passa.
Lídia está na fase dos dentes. Como toda jóia preciosa e rara, seus dentinhos superiores estão despontando primeiro, o que surpreendeu o próprio pediatra. Normalmente, são os inferiores a saltarem na frente. Isn't she lovely?
Ela está aos poucos rolando pra lá e pra cá na cama - ainda não tenho coragem de c…

Guest Post: O parto do lado de lá - EUA

A Pri, amiga de curso que mudou o curso de sua vida no meio do curso - foi intercambiar e mudou-se de vez para os EUA - me relatou o parto dela, a meu pedido. Vamos a ele:

Meu parto foi super tranquilo e rápido! Minha mãe chegou nos EUA na segunda feira, dia 3 de março. Na terça-feira, fui a médica e ela me perguntou se eu queria que ela verificasse a minha dilatação. Uma semana antes não tava nada dilatada, mas como já estava lá, resolvi que não custava nada checar a minha dilatação. A médica se assustou quando viu que eu estava dilatada em 4 já. Aí ela disse que eu poderia esperar, mas se eu quisesse, poderia me induzir na quinta-feira, quando eu completaria 39 semanas. Meu dia previsto era dia 13 de março, mas minha mãe disse que essas coisas tem que acontecer naturalmente. Então conversei com a doutora que esperaria.Quando cheguei em casa contei pra minha sogra e cunhada, todos muito empolgados me disseram pra começar a contar as contrações, anotar todos os minutos e q…

Cansaço

Gripe...


O amor exige sacrifícios. Tem momentos que exige respostas: ou vai em frente, ou volta pra trás, ou então que tome outro rumo. Não fazer bem é mal sinal... Impaciência e cobranças são mal sinais... A gente vive errado, precipita certas coisas, aí paga. Vai levando. Às vezes, (in)feliz. Às vezes o sorriso da pequena faz valer tudo, as vezes dá vontade de fugir com ela... sem ela... dá vontade mesmo, às vezes, com frequência, de sumir, simplesmente.

A idade chegou e pesou. Minhas mãos estão secas, muito secas, secas demais - porque também é inverno, ou quase - e minha cabeça não está. Minha filha sorri e olha pra mim, inocência pura, e não me vê, vê uma mãe, uma pessoa que lhe alimenta, um porto seguro. Mas onde está o meu?

Elevo meus olhos para os montes... e eles se enchem de lágrimas, a luminosidade me faz mal, tudo me faz um pouco mal. Meu cabelo cai, cai e cai. Minhas juntas dóem, minha coluna dói, tudo dói. Ser mãe dói.

Não reclamo, apenas me entristeço com a impossibilid…

Momento mamãe babona :)

Lídia fez seis meses há uma semana. Passa mesmo bem rápido esse tempo entre o nascimento dela até agora, apenas seis meses, já seis meses. De quietinha e só dormindo, ela passou a super acordada, agitada, mexe bracinhos e pernas o tempo todo. Chora e reclama, dá sinais de raiva e muita braveza sempre que contrariada! No banho, bate na água e me dá um banho também. Olha para ela e me pergunto se é verdade, se sou mesmo a mãe dela - ela já diz mamá, mamã - mal acredito, sei lá, até pouco tempo eu estava sozinha, perdida, pensando em que rumo tomar na vida, aí veio o amor, o papai, aí veio ela, a minha doçura, minha princesa. Temos passado por muitos problemas, mas quando eu olho pra ela me animo de novo, sei que não posso nem devo vacilar, é respirar fundo e seguir em frente. Tudo parece um grande clichê agora, mas é isso mesmo: ser mãe é padecer no paraíso. Às vezes perco a paciência, quero dormir, quero assistir tv, fazer as coisas em paz, Lídia não deixa, mas aí lembro que ela é só …

Para o caçula

foto "roubartilhada" do senhor IMMS
Eu tinha oito anos, aliás, faria em outubro de 1991. Era maio quando ele chegou. Pequenino, a maior parte do tempo de azul e dormindo. Tinha cabelos avermelhados, todos acharam que seria ruivo, mas durou pouco o fogo-cor dos cabelos; ficou na personalidade o entusiasmo, o ânimo, a simpatia desde bem pequenino. Éramos irmãos mais do que sangue, eu era a companheirinha, a cuidadora depois da mamãe. Ele vinha no meu colo, dormia no meu colo, vivíamos assim bem perto. Hoje, já não tão perto, acompanho-o ainda graças à tecnologia facebookiana. Já não ouço sua voz, não vejo seu sorriso, não sei por onde anda, com quem, que segredos tem. Agora pai, eu agora mãe, seguimos nossos caminhos assim tão separados, assim ainda tão juntos pelas lembranças que ninguém há de apagar. 
Certos percalços na vida separam... a gente não mede bem as palavras, age por impulso, vacila... tudo, no fundo, por amor.
Em nome desse amor, seu moço, te desejo felicidade e…

Desabafo - Que país é esse?

Eu sei que vou, vou do jeito que eu sei...


Várias vezes fui a lugares em que tocavam a música Que país é esse? do Legião Urbana, ao que a urbe toda respondia, com fervor: "É a p. do Brasil!". Não gosto disso, eu me calava; não gosto de xingar meu país, porque eu também sou o país e não vou me xingar. Bom, mas diante dos fatos, não posso calar e tenho mesmo me perguntado ultimamente: Que país é esse?

Fernando Collor foi absolvido, os crimes prescreveram, falta de provas; a papelada que chegou de outro país contra o Maluf foi recusada (mas são as provas!!!) e ele está aí, livre, leve e solto (isso já foi há algum tempo); Os Josés Genoíno e Dirceu, se não me engano, cumprem pena domiciliar e inclusive receberam propostas de emprego, sim, PROPOSTAS DE EMPREGO PARA DOIS CONDENADOS!!! Propostas inclusive milionárias, chegando a um salário de R$20.000,00 em rede hoteleira; e por aí vai... cara, que isso???

As pessoas se revoltam, acabam cometendo vandalismo, queimam ônibus, fazem…

Com 30

Tema da festinha de um ano da Lídia: Faniquita!
Não me sinto com 30 anos. Mas o que é se sentir com trinta? Se sentir velha, acabada, sem disposição, cansada, vestir roupas mais caras/sóbrias, ser chata, ter estabilidade financeira, etc, etc? Não sei, algumas dessas coisas se aplicam a mim, mas me sinto com 30 depois de vinte e não com trinta próximo de quarenta. Ainda uso jeans e.. peraí, como assim ainda? Quando eu era mais nova sempre achei que existissem roupas próprias pra cada idade. Sim, isso existe, existe o bom senso, mas nada me impede de usar jeans e camiseta all life long. Pois bem, uso. Ainda gosto de caixinhas com coisinhas dentro, de ovo de Páscoa, de presentes e surpresas de aniversário, de tênis, de doces, de ganhar coisas, de ser romântica, etc, coisas muitas vezes tidas como de jovens, de adolescentes, sei lá. A cobrança por ser mãe é maior, ou junta-se à de ter 30. Só porque sou mãe de primeira viagem muita gente parece julgar que não cuido be da minha pequena, aí …

Identificadores de Mãe

Toda mãe parece ter uma espécie de coleira, um colarzinho de menina ou menino ou os dois, enfim. Comprei um e ganhei um outro; minha irmã tem um com dois meninos, meus dois sobrinhos; minha sogra emprestada (madrasta do marido) tem um com duas menininhas... o colar é tipo um aviso, "sou mãe". Sempre foi isso  e eu só descobri agora? Talvez rs. Muita coisa a gente só descobre quando tem o/a baby nos braços. Descubro minha filha a cada dia... ultimamente ela tem estado nervosa, chupando demais a mãozinha, sobretudo a esquerda.  Será dente já nascendo? Acho cedo demais! Aí tem gente implicando com a questão da mãozinha esquerda, que ela vai ser canhota e não pode deixar não... pq? qual problema de ser canhota? Eu hein... Quando ela sente dor é que é pior, dou remédio mas o efeito nunca é imediato e ela chora sofrendo, tadinha... a única coisa que realmente a acalma é um bom banho no chuveiro mesmo, deitada no meu peito, depois a agasalho bem, ela mama e dorme. Água é terapia! …

Das coisas que mudam

Muita coisa muda pós-bebê. Essa pesquisa do babycenter mostra algumas interessantes. Eu estou praticamente isolada do mundo há cinco meses e ficaria até mais por minha filhotinha, só que cansa. Bom, vamos analisar as mudanças:

1.O relacionamento do casal muda: Acho que não mudou muita coisa... estamos juntos há 1 ano e 4 meses, morando juntos há 6 meses. Brigávamos mais antes, e no início era mais grude e tal, tanto é que resultou na Lídia e por ela fomos morar juntos. Agora estamos bem, sem aquele fuego inicial, mas bem. Tudo aconteceu rápido, mas estamos nas mãos dEle. Em breve devemos nos casar :)

2.Cadê o tempo? Sumiu!: Todo esse tempo em casa está dedicado 90% à bebê, o resto pra mim, pra casa e pro namorido. Tô pensando como vai ser na volta ao trabalho... tempo é a gente que faz, mas tenho a impressão de que os dias voam ... Lídia tem quase 3 meses e já "conversa" comigo, minha linda!

3. Você muda de cara -- e de corpo (tanto a mãe quanto o pai!): Me disseram que fiq…

Felicità

Sonho, ideal, felicidade. A minha felicidade sempre esteve atrelada ao coração, sentimento, amor. Sosseguei, encontrei meu par, meu amigo, amor, meu irmão de fé. Mais ainda, veio a segunda felicidade, minha filha... e agora sinto falta do mais, do que vem depois. A minha expectativa se volta mais agora pra minha filhotinha. Engraçado como tudo passa a girar em torno do filho; agora entendo perfeitamente a minha mãe. Ela parou de trabalhar por nós e foi sempre muito criticada, inclusive por mim. Aqui em casa a situação tá apertada, então nem posso pensar em viver pra baby, infelizmente. Porque só as mamães sabem como é forte essa necessidade de estar perto pois sentimos que só nós sabemos exatamente como cuidar da/o nossa/o baby. Eu por exemplo só confio no papai e a princípio é ele quem vai cuidar da Lídia quando eu voltar a trabalhar.

Estou fazendo um diário para a Lídia, escrito à mão mesmo, pra ela ver quando for maior. Ela sempre acorda sorrindo, mas tem estranhado as pessoas, es…

Desequilíbrios e choros entre fraldas :)

Sou desequilibrada. Conversei com minha filha hoje sobre isso - sim, eu converso com a bebê de 2 meses - e perguntei a ela se ela também seria desequilibrada, digo no sentido físico-literal mesmo. Não ando de bicicleta e jamais praticaria surf ou skate. A bebê só me olhou, sorriu, mexeu perninhas e bracinhos como sempre :)
Ser mãe é ótimo, é uma experiência legal, muito boa mesmo, mas cansa bem. Várias noites capotei na cama e não ouvi a bebê chorar, mas o papai acordou e me acordou porque feliz ou infelizmente é a mãe única e exclusivamente a responsável pela alimentação do bebê, ao menos no início. Logo vou voltar a trabalhar e já estou preocupada, triste até. A lei é incompatível com o que dizem os médicos: devemos amamentar exclusivamente até os seis meses e continuar até dois anos, mas a lei só nos dá 4 meses de licença-maternidade... Gostaria muito de ficar com ela esses primeiros seis meses, integralmente, mas não será possível :(
Cuidando da bebê, mal me cuido. Estava bem des…