Pular para o conteúdo principal

Guest Post: O parto do lado de lá - EUA


A Pri, amiga de curso que mudou o curso de sua vida no meio do curso - foi intercambiar e mudou-se de vez para os EUA - me relatou o parto dela, a meu pedido. Vamos a ele:

Meu parto foi super tranquilo e rápido! Minha mãe chegou nos EUA na segunda feira, dia 3 de março. Na terça-feira, fui a médica e ela me perguntou se eu queria que ela verificasse a minha dilatação. Uma semana antes não tava nada dilatada, mas como já estava lá, resolvi que não custava nada checar a minha dilatação. A médica se assustou quando viu que eu estava dilatada em 4 já. Aí ela disse que eu poderia esperar, mas se eu quisesse, poderia me induzir na quinta-feira, quando eu completaria 39 semanas. Meu dia previsto era dia 13 de março, mas minha mãe disse que essas coisas tem que acontecer naturalmente. Então conversei com a doutora que esperaria. Quando cheguei em casa contei pra minha sogra e cunhada, todos muito empolgados me disseram pra começar a contar as contrações, anotar todos os minutos e que quando estivesse de 5 em 5 min,  era pra eu ir pro hospital no dia seguinte. Na quarta-feira acordei normal, mas cansada, tinha ido dormir às 4 horas da manhã porque estava muito ansiosa, com medo, ansiedade de como iria trazer um neném em casa e ser mãe... Mas aí fiquei pensando que minha mãe tinha vindo me ver só por um mês, então minha neném tinha que nascer logo pra que ela pudesse passar mais tempo. Então fiz umas estripulias, uns 20 agachamentos, caminhada durante 40 minutos, corri e pulei durante uns 30 min, aí voltei pro apartamento pra tomar um banho e minha sogra toda preocupada me ligando, perguntando se eu estava anotando as contrações, mas eu não estava sentindo nada, fui lavar louça e comecei a ter um pouquinho de dor no estômago, mas foi durante 1 minuto apenas. Minha sogra me ligou de novo e ficou toda preocupada dizendo que eu estava em trabalho de parto, que era pra eu ir pro hospital e que ela iria me encontrar lá. Eu não queria ir porque meu marido ainda estava no trabalho e minha sogra mora a 1 hora de distância. Não queria ir para o hospital e falarem que não era hora ainda... enfim... fui tomar banho, normalmente, tudo muito tranquilo, sem dor, mas me dava uns calafrios durante uns 10 segundos, e eu pensando "vou esperar meu marido sair do serviço (6 da noite), e aí se eu sentir alguma coisa eu vou pro hospital".... Mas não tive escapatória, quando estava terminando o banho, minha cunhada chegou aqui em casa e me falou que eu tinha que ir ao hospital, e eu pensando "gente, mas que esse povo tá todo achando que eu tô em trabalho de parto e eu que tô grávida não tô sentindo nada!" . Cheguei no hospital 3 da tarde. Quando a médica me checou, eu já estava dilatada em 6,5... 30 min depois me deram a epidural. Uma hora depois a médica quebrou minha água e me induziu com pitucin. Quando foi 7 horas, a médica disse que eu tava dilatada em 10 e que era hora de começar to push (empurrar) a neném. Eu não sabia como respirar, nem muito menos como empurrar porque não sentia nada da cintura pra baixo, mas na quarta vez a Caitlyn nasceu!!! 7:44 da noite. Fiquei só 4 horas em trabalho de parto, foi muito estranho sentir a neném saindo do meu corpo, depois que ela nasceu, me senti vazia e incompleta, uma sensação estranha e indescritível. Bom, eu tive sorte no parto, mas no pós parto eu sofri demais!!! Levei uns 15 pontos, cortei em 3 lugares, um deles interno, não conseguia sentar por 1 mês, até hoje é meio estranho. Enfim, essa é a minha história. Estou super feliz em ser mãe, sou coruja mesmo... melhor presente de Deus! A primeira vez que eu a vi sorrindo comecei a chorar de tão lindo e especial que foi.

A Pri é uma japinha tão pequenina que fica difícil imaginar ela como mamãe! Pri, obrigada pelo relato e tudo de bom para vocês três!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…