Pular para o conteúdo principal

Guest Post: O parto do lado de lá - EUA


A Pri, amiga de curso que mudou o curso de sua vida no meio do curso - foi intercambiar e mudou-se de vez para os EUA - me relatou o parto dela, a meu pedido. Vamos a ele:

Meu parto foi super tranquilo e rápido! Minha mãe chegou nos EUA na segunda feira, dia 3 de março. Na terça-feira, fui a médica e ela me perguntou se eu queria que ela verificasse a minha dilatação. Uma semana antes não tava nada dilatada, mas como já estava lá, resolvi que não custava nada checar a minha dilatação. A médica se assustou quando viu que eu estava dilatada em 4 já. Aí ela disse que eu poderia esperar, mas se eu quisesse, poderia me induzir na quinta-feira, quando eu completaria 39 semanas. Meu dia previsto era dia 13 de março, mas minha mãe disse que essas coisas tem que acontecer naturalmente. Então conversei com a doutora que esperaria. Quando cheguei em casa contei pra minha sogra e cunhada, todos muito empolgados me disseram pra começar a contar as contrações, anotar todos os minutos e que quando estivesse de 5 em 5 min,  era pra eu ir pro hospital no dia seguinte. Na quarta-feira acordei normal, mas cansada, tinha ido dormir às 4 horas da manhã porque estava muito ansiosa, com medo, ansiedade de como iria trazer um neném em casa e ser mãe... Mas aí fiquei pensando que minha mãe tinha vindo me ver só por um mês, então minha neném tinha que nascer logo pra que ela pudesse passar mais tempo. Então fiz umas estripulias, uns 20 agachamentos, caminhada durante 40 minutos, corri e pulei durante uns 30 min, aí voltei pro apartamento pra tomar um banho e minha sogra toda preocupada me ligando, perguntando se eu estava anotando as contrações, mas eu não estava sentindo nada, fui lavar louça e comecei a ter um pouquinho de dor no estômago, mas foi durante 1 minuto apenas. Minha sogra me ligou de novo e ficou toda preocupada dizendo que eu estava em trabalho de parto, que era pra eu ir pro hospital e que ela iria me encontrar lá. Eu não queria ir porque meu marido ainda estava no trabalho e minha sogra mora a 1 hora de distância. Não queria ir para o hospital e falarem que não era hora ainda... enfim... fui tomar banho, normalmente, tudo muito tranquilo, sem dor, mas me dava uns calafrios durante uns 10 segundos, e eu pensando "vou esperar meu marido sair do serviço (6 da noite), e aí se eu sentir alguma coisa eu vou pro hospital".... Mas não tive escapatória, quando estava terminando o banho, minha cunhada chegou aqui em casa e me falou que eu tinha que ir ao hospital, e eu pensando "gente, mas que esse povo tá todo achando que eu tô em trabalho de parto e eu que tô grávida não tô sentindo nada!" . Cheguei no hospital 3 da tarde. Quando a médica me checou, eu já estava dilatada em 6,5... 30 min depois me deram a epidural. Uma hora depois a médica quebrou minha água e me induziu com pitucin. Quando foi 7 horas, a médica disse que eu tava dilatada em 10 e que era hora de começar to push (empurrar) a neném. Eu não sabia como respirar, nem muito menos como empurrar porque não sentia nada da cintura pra baixo, mas na quarta vez a Caitlyn nasceu!!! 7:44 da noite. Fiquei só 4 horas em trabalho de parto, foi muito estranho sentir a neném saindo do meu corpo, depois que ela nasceu, me senti vazia e incompleta, uma sensação estranha e indescritível. Bom, eu tive sorte no parto, mas no pós parto eu sofri demais!!! Levei uns 15 pontos, cortei em 3 lugares, um deles interno, não conseguia sentar por 1 mês, até hoje é meio estranho. Enfim, essa é a minha história. Estou super feliz em ser mãe, sou coruja mesmo... melhor presente de Deus! A primeira vez que eu a vi sorrindo comecei a chorar de tão lindo e especial que foi.

A Pri é uma japinha tão pequenina que fica difícil imaginar ela como mamãe! Pri, obrigada pelo relato e tudo de bom para vocês três!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…