Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

Trabalhos de Hércules

As pessoas gostam de cuidar (da vida) de mães recém-nascidas. Não é por mal, a maioria por ter mais experiência, dá os seus palpites. Quando não, oferecem-se para padrinhos ou madrinhas, coisas que nem nunca tive na minha família e acho estranho, não vejo função. Entendo as preocupações e chatices, mas no meu orgulho independente que arduamente conquistei na vida, não cedo. Faço as minhas caras feias; como a  maioria é comentário em fb, não respondo ou só agradeço. Não posso exigir o comedimento que sempre tive das outras pessoas, cada um é o que é, não tem que disfarçar. Minha corretude (neologismo?) com tudo, a falta de entusiasmo e o cumprimento rígido de deveres - horário, compromissos, provas, entrega de trabalho - sempre me foram peculiares, e são peculiares de distímicos. Mas não estou agora ligando para os meus distúrbios de humor, ainda que continuem me afetando. Coisa que mais afeta meu já mau humor é a falta das coisas. É ver, talvez ilusoriamente, que certas pessoas estão…

Problemas

"Entrega teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará" Salmo 37:5
Problemas. Se não nos acostumamos ou amoldamos a ele, sempre incomodam, tem uns que até a gente mesmo causa sem querer/saber, sem intenção ou com, subconsciente. Enfim, existem e precisam ser resolvidos. Tenho causado alguns, arrumado outros e outros tem aparecido, simplesmente, sobretudo com as mudanças que tenho que fazer, do tipo:
1. Mudar de casa - bom, moro em república, vou ter um bebê e isso meche com a rotina de todo mundo. Ainda que esteja cedo, já estou querendo bater asas e voar, mesmo porque meu humor não anda nada bom, devem ser os hormônios alterados, sei lá. 2. Fazer exames - já estou com o pedido, falta o SUS resolver marcar e me atender decentemente. Até agora, só consegui fazer um ultrassom e ainda nem peguei resultado, sendo que estou com pedido de exame de fezes, urina, sangue, etc, etc... Hoje tive que fazer um ultrassom mamário e fiquei quase 3 horas na espera, sem comer. A cara d…

Minha gata-menina

Calma, ainda não sei o sexo do meu filho; falo do meu bebê primeiro, Calabresa. Ela está aqui ao lado, sempre me olhando, acompanhando meus movimentos e os do cursor na tela. deita a cabecinha no teclado e fica com as orelhinhas em pé, olhos grandes na tela. Encontrei Calabresa há 1 ano e três meses, estava pequenina e miava incessantemente na rua, num prédio aqui da frente. Não aguentei, levantei da cama tarde já da noite e fui na rua. Me deparei com aquela coisinha branca miando. Chamei-a, peguei-a e trouxe pra casa. daqui ela nunca mais saiu, exceto uma vez, que sumiu uma semana e voltou com um grande inchaço na perna, do qual se recuperou, mas a perninha ficou torta. Era uma coisinha medrosa: tinha, e ainda tem, medo de altura, assusta-se quando chegamos perto, não gosta que a peguemos no colo. Só come ração fresquinha, de preferência whyskas e com a vasilhinha cheia. Já tentei me livrar dela: teve cinco filhotinhos, sendo 4 branquinhos feito ela e um rajadinho feito um tigre. To…

Maktub

Estrela de Davi
Acordei mals hoje. E como todo bom homem que se preze, Bruno enraiveceu-se comigo, ao invés de me dar um tempo. Mas agora à noite tudo ficou bem, sobretudo porque íamos à Igreja. Tenho muitas preocupações e a maior delas, financeira, torna-se cada vez mesmo maior. Nem lembrei do baby e não comi de 3h em 3h. Porque antes eu podia ficar horas sem comer, ou comer qualquer porcaria, eu aguentava, mas agora não dá. As preocupações são muitas, muita coisa pra resolver e eu não tenho a complacência tipicamente Brunesca. Quando vejo que só me restam alguns trocados na carteira, meu humor piora drasticamente, e olha que já não é dos melhores. O que tem me salvado é a companhia dupla, Bruno e baby. Meu namor é dessas pessoas fáceis de decifrar, sem grandes problemas emocionais, mas com grande tendência ao que chamo falta de decoro no trato cotidiano: bagunceiro, esquecido e relax demais. É roupa daqui, cuecas dali, "já vou, já to indo, já vou fazer" ... e nada! televi…

Deus e recomendações

Estava lendo há pouco notícia no fuxicogospel (nome meio estranho, but that's ok) de uma cantora gospel Americana que "saiu do armário", se assumiu lésbica. Livre-arbitrio, é só o que tenho a dizer... Mas aí fui pra notícias sobre Thalles Roberto, o pop do momento no mundo gospel. A notícia indicava um comentário contra a nova música do Thalles, essa daí do clipe. Thalles tem um jeito meio doidão, modernoso demais para alguns cristãos. Gosto de algumas de suas músicas, geralmente de entrega e submissão à Deus. Não vi nada de mais nessa nova, a não ser uma tentativa boba até de humanização de Deus. Acho que Deus não fica muito atrás da gente porque... ele é Deus! Um ser superior, diferente, melhor, a quem não compreendemos. O que Ele pede é que O aceitemos, e acho que essa é a mensagem principal, Ele se mostra em algumas situações, mas muitas vezes não o vemos ou sequer entendemos. Deus é poesia, não é pra compreender, é pra incorporar, parodiando Manoel de Barros. Sou t…

Me leva que quero ver meu pai...

Duas músicas que ultimamente não me saem da cabeça: "só tinha de ser com você" e "Caminho das águas". A primeira canto para o baby que, sem se deixar identificar, encolheu-se hoje na ultrassom. Eu quase tive um ataque na mesa, fazendo o exame. Me contive por causa do médico e do namor. Parece que eu precisava desse "comprovante" de gravidez. Pensava esses dias que podia ser alarme falso, a médica se enganou, sei lá...mas de repente a cabeça, as perninhas, o coração batendo, sem volta, ele/a está lá, aliás, está aqui em mim. me senti grávida de verdade pela primeira vez. Me veio um riso nervoso, uma lágrima que não chegou a cair. 19 semanas, nascimento previsto para 12 de novembro.  A segunda música em remete aos meus pais. Até agora não sei qual foi a real reação deles à tudo isso. Sinto vontade de vê-los, de me explicar, de mostrar o baby, a ultrassom (pego resultado dia 2). De dizer que talvez não seja a hora mais certa, mas ele/a já está aqui e precis…

Teoria para o dejavú

(Ontem, 18/06/2013) - Já tive dejavús, ainda tenho. Aquela sensação de já ter vivido ou feito ou visto algo de nem se sabe quando. Acho que isso vem de lembranças fetais. Tenho tido lembranças de muita coisa, sem dor agora, posso dizer.  E essas lembranças devem se encaminhar ao bebê, fazendo com que, futuramente, ele/a viva esses dejavús, essas lembranças que não são dele. É uma boa explicação, apesar de que não tem nenhuma base teórica ou científica, apenas a impressão de uma mãe recém-nascida. Deve haver explicações provenientes da psicologia, psicanálise e até espiritismo - reencarnação. A mística faz parte da vida. Acordei meio zen hoje, curada. Sem distimia ou transtornos de humor, não sei se porque o baby está fazendo isso ou eu estou mudando atribuindo à ele as mudanças. Estamos mudando-nos mutuamente.
(hoje, 19/06/2013) - Estou altamente musical esses dias, cantando para o baby. Amanhã é a primeira ultrassom. Ainda não o sinto, nem sei nada sobre ele/a. Sei que está me fazen…

Aulas, ou coisas que acontecem

E por você eu largo tudo, carreira, dinheiro, canudo... (Cazuza - Exagerado)
Ontem não fui à aula, acordei como que atropelada ou como se tivesse levado uma surra. Até perguntei de brincadeira para meu namor se ele tinha me batido à noite. Depois, veio o desregulamento intestinal intenso, durante todo o dia. Meu namor teve febre e fomos ao hospital, ambos preocupados sobretudo com o baby. Depois de atendimentos e medicamentos, estamos bem. Ontem tinha combinado exatamente fazer um festival gastronômico com meus alunos - sim, tenho aula aos sábados de 8h às 10h30 - em que eles trariam um prato feito por eles, podia ser qualquer coisa, desde miojo e brigadeiro até .. enfim, qualquer coisa. Tenho procurado inventar coisas extras nas aulas. Ficar sentado durante duas horas e meia em uma sala de aula num sábado de manhã não é muito fácil, então... Mas ontem nem deu. Sinto vontade de tirar umas boas férias da profissão, e em breve devo tirar, porém também sinto que vou sentir falta de tudo, …

A mulher de trinta - parte II

"Here comes the sun, here comes the sun and I say it's all right..."
(The Beatles - Here comes the sun)
Grávida. Saí do consultório com os olhos marejados e ainda tive que ir lá no balcão marcar consulta com a nutricionista. "gestante né?" a moça perguntou. Fiz que sim com a cabeça, mal acreditando no que estava "falando". Ah, vai, ainda estou dormindo, daqui a pouco vou acordar e tudo volta ao normal. Mas está tudo normal! A vida segue seu curso. Fiquei com cara de bunda pela rua, chorosa, até chegar em casa, isso agora essa semana, segunda dia 10. Eu nem ia contar pra ninguém, vai que é falso, que a médica errou, que não é isso, que é câncer de colo do útero... cruzes, eu desejando antes uma doença do que um filho, mas a regra é contrária. Mas o susto foi por vários motivos: não estamos casados; Bruno está desempregado; eu ganho mal e moro em república; queria ainda esse ano, por milagre, viajar para o exterior; estou estudando pra um concurso, grávida …

A mulher de trinta - parte I

Dizem que o ano em que se completa 30 anos, para uma mulher, é um período de muitas mudanças, transformações. Pois bem, este é meu ano e assim está sendo. 
A primeira mudança foi ter um namorado. Sim, eu nunca soube o que tal coisa significava até setembro do ano passado. Coincidiu com a época em que tomei uma decisão bem radical de parar de gandaiar e voltar de vez pra igreja. logo em seguida, Bruno apareceu e por isso muita gente deve achar que foi por causa dele que parei, mas não foi. Acho que meu ano Balzaquiano começou naquele setembro. Passei uns 5 anos da vida correndo atrás das pessoas que nunca puderam me dar o que tenho agora: amor e estabilidade emocional. Nesse ínterim, sofri muito, amei sim, de verdade, mas sempre na hora errada. Creio que não eram pessoas tão erradas assim, mas não eram pra mim. Erraram muito comigo e eu com eles nessa busca insaciável de amar. me entreguei as prazeres puramente corporais, e foi só o que consegui. Estou ainda no processo de aceitar iss…

Das coisas que não esperamos

É quando não esperamos que mudanças bruscas nos acontecem. Sim, sempre esperamos um milagre que nos arrebate de nossa mera vida mortal e rotineira, mas ao não sermos específicos o bastante sobre que mudanças queremos, ela vem. Nosso pedido é atendido, mas qual é a mudança que é a surpresa. Pode ser tudo... pode ser nada... passar em um concurso, mudar de cidade, sofrer um acidente e ficar tetraplégico, engravidar, perder um ente essencial e querido, comprar uma casa, se casar, morrer, adoecer, pintar um quadro, mandar alguém ou algo pra pqp, raspar a cabeça, fazer uma tattoo, dentre outras coisas que não controlamos. Ou que controlamos em parte.  Ah, sim, sejamos mais específicos me nossos desejos! E ainda que a surpresa seja tão surpreendente que mal sabemos o que sentimos diante do novo, tem-se a escolha, tem-se o lado bom. E tudo fica bem, o silêncio que passa antes e logo após a tempestade. É assim que é, que foi, que está sendo. Boa noite.

Das ilogicidades da vida

Pensava sempre, ao digitar aquelas letras embaralhadas de código pra fazer comentários em blogs, qual era a lógica daquilo. Alguns sites que também pediam até diziam: prove que você não é um robô, ou que você é humano. No último, uma palavra em inglês se formou: both. Teria lógica, seria aleatório? O que é aleatório na vida?
Ontem andava pela rua e observava as pessoas, como sempre fizera. Mas agora era diferente. parecia estar de certa forma protegida e podia olhar e pensar coisas livremente. Como por exemplo, que aquele carinha ali, se não fosse sua decisão tomada, pegava fácil. Tinha plena segurança de que poderia ficar com qualquer um que quisesse, a não ser que o cara realmente não quisesse. Conquistar eram outros quinhentos, coisas que nunca soube fazer. Que adiantava essa segurança de "pegadora" se não sabia como manter. E, se não tivesse tomado a tal decisão, sabia que ia ficar nisso eternamente, pega, fica, morde, beija, transa, um após o outro. O sabor disso não l…

They count on me

Estou com planos de mudança de carreira, mas, a cada turma nova que começo, os alunos "me prendem". Me elogiam, dizem que sou boa professora, vou indo, vou ficando. Acredito, mas sempre acho que poderia ser melhor, saber mais. Já estou sentindo a necessidade de uma reciclagem no inglês, ou mesmo no português, sei lá. A gente nunca aprende tudo, mas com inglês é ainda mais difícil, como saber se tal palavra ou expressão é dita assim ou assado nos EUA, que é grande como o Brasil e com certeza tem seus regionalismos, ou na Inglaterra, ou em tantos outros países que tem inglês como oficial language? Difícil ter certezas quando não se vive a língua diariamente. Estamos aqui, tão distantes e no entanto tendo contato tão de perto com essa bela e odiada língua inglesa. A maioria das pessoas quer aprender para fins práticos: emprego, currículo, intercâmbio; poucos são os que querem aprender por gosto, tipo eu, sonhadores. Talvez por isso eu ainda não tenha ido para lá. Quando pergun…

Traditore

Tão bonito e seguindo uma religião tão estranha. Famosos e seu mundo...
"Gosto de adiar meus prazeres", disse Tom Cruise em algum filme. Esqueci o nome do filme e o do personagem, o que é estranho, mas lembro da frase e do sorriso de contentamento na cara de Tom, prestes a saborear mais uma mulher. Pensei, estranhamente naquele momento e até hoje, que sou também assim: adio prazeres, nem sempre estando no controle deles. É como gostar de sofrer, ainda que não se tenha o controle da dor. A imaginação entra como doadora do poder de que se necessita. Finge-se estar no controle da situação para não se ferir mais ainda. Voltei a pensar nesse assunto hoje por uma bobagem: eu terminava de conferir um texto que traduzi, estava agora prestes a terminá-lo, o que me dá uma certa adrenalina, e então desviei a atenção para um jogo de Paciência. Adiei o término, o prazer do trabalho pronto. tenho me revelado versátil ultimamente: professora, revisora, tradutora, tudo com muito esmero. Na…