sábado, 14 de maio de 2016

Baby I'm back

Olhar

Eu sou o lugar pra onde olho
E de onde olho
Pra onde vou
E de onde venho
Sei onde estou
Já pra onde vou...
Só olho.

Consegui um empréstimo de notebook na escola e meu marido o arrumou. Cá estamos! internet e tudo mais, enfim.  é bom escrever novamente, mas o tempo é sempre pouco, ainda mais para professor em final de bimestre e início de outro. Haja paciência para diário eletrônico de classe, alunos correndo atrás... Mas hoje terminei de fechar todas as notas com a graça do boníssimo Deus. "Porque dEle e por Ele e para Ele são todas as coisas". 

E nessa sexta 13 lembrei dos meus 20 anos de carreira literária, não devidamente reconhecida, é claro, mas a tenho. Em comemoração a ela e por ocasião de assistir a um video de uma música divina tocada por uma ucraniana com seu rico instrumento chamado bandura, eis estas palavras: 


Música
Faço música, mas não como os outros
minha música é calada
lida num canto qualquer
de uma estrada.


Faço música sem partitura
uma música castrada:
tem letra urdida
mas não é cantada.

Faço música como quem dorme
sem pretensões de acordar
é um coma
desperto com luz solar.

Faço música dentro de mim
e ela se esvai em palavras
o som, só eu
sou eu, por fim.

Eterna desventura minha: não canto (mas canto!), não toco, não danço, minha arte é a poesia, thanks God! :)