terça-feira, 16 de outubro de 2012

Nostalgia in English


To querendo um chá, um saquê, uma casinha de sapê, alguma felicidade simples e bonita... me livrar da ansiedade estressante do cotidiano, da ambição desmedida, da inveja e do rancor... ler um livro ali na varanda, deitada na rede, ouvindo um Bob Marley, Jack Johnson, John Mayer, Norah Jones ou Sade bem baixinho, sentindo um vento leve no rosto com a Calabresa (minha gata) deitada na minha barriga, dormindo. 

Mas ainda passa pela minha cabeça o algo mais. A biblioteca em casa, as viagens, as roupas de grife, as festas glamourosas, o carro, os cachorros e gatos com pedigree, a pele boa, salão toda semana, unhas, corpo e mente em dia, sessões première de cinemà, cinema em casa, um home theater completo, uma coleção de dvds, réplicas de Salvador Dalí, Tarsila do Amaral, Cândido Portinari... ambições normais a meu ver mas que, pela impossibiliade de realizá-las de imediato, me frustam grandemente. Sinto raiva de tudo e todos, mas passa como hoje. A rotina às vezes faz bem pra me pôr ordem na cabeça.

Me acostumei ao silêncio, que pode bem ser interrompido por um som alto, fone de ouvido, música tocando na alma. Sinto um tanto a falta de São Paulo, aquela coisa toda. Mas tem uma falta aqui dentro que é de mim mesma, como se às vezes eu me ausentasse e tudo fica frio. Tenho sentido muito mais frio do que o calor dessa primavera de 29 flores. 

Não se deve prender ao passado, mas os anos 80, ah, os anos 80! as melhores músicas lá floresceram, as roupas mais coloridas e bregas, não tinha internet, celular ou computador direito, mas tinha tanta vida e cor. Eu tinha minha banheira no banheiro da nossa kitnet lá no centrão de sampa, Anhangabaú ali do lado... Estou nostálgica por medo do futuro. E já não há mais medo de ter medo. Boa noite :)