sábado, 22 de junho de 2013

Deus e recomendações


Estava lendo há pouco notícia no fuxicogospel (nome meio estranho, but that's ok) de uma cantora gospel Americana que "saiu do armário", se assumiu lésbica. Livre-arbitrio, é só o que tenho a dizer... Mas aí fui pra notícias sobre Thalles Roberto, o pop do momento no mundo gospel. A notícia indicava um comentário contra a nova música do Thalles, essa daí do clipe. Thalles tem um jeito meio doidão, modernoso demais para alguns cristãos. Gosto de algumas de suas músicas, geralmente de entrega e submissão à Deus. Não vi nada de mais nessa nova, a não ser uma tentativa boba até de humanização de Deus. Acho que Deus não fica muito atrás da gente porque... ele é Deus! Um ser superior, diferente, melhor, a quem não compreendemos. O que Ele pede é que O aceitemos, e acho que essa é a mensagem principal, Ele se mostra em algumas situações, mas muitas vezes não o vemos ou sequer entendemos. Deus é poesia, não é pra compreender, é pra incorporar, parodiando Manoel de Barros. Sou tradicionalista, não gosto muito de modernidades e as músicas gospel estão promovendo demais as criaturas ao invés do Criador. Mas creio que este também é um meio de atrair para o mundo cristão. Se a pessoa vem e aceita Deus com todo seu plano mirabolante e louco aos olhos humanos, nada a tirará de lá, da presença dEle. Nada. 
...

Comer de 3 em 3 horas;
incluir hortaliças na alimentação (todo dia)
incluir frutas na alimentação (todo dia)

Essas foram algumas recomendações nutricionais que estou tentando seguir. Voltei a comer no RU mesmo, acho que até já falei isso... nada de novidades, a não ser o sangue. Meu é A+ e o dele é O-, será que tem problema para o bebê? Porque tudo que li até agora diz que tem problema se a mãe tiver Rh negativo e o bebê gerar o positivo do pai, mas o contrário não achei nada, se alguém souber... ainda farei exames de sangue a pedido médico, dentre outros. 
O inverno entrou, mas nem parece. Aqui em Viçosa faz frio e esquenta de dia, alternadamente. Os protestos pelo país continuam, queria ir, iria se não tivesse perigo algum. O mundo está mudando cada vez mais, isso é bom, isso é mau. Tenho medo, como criar meu filho, como ele vai ser, se vai ser próximo de mim ou não, qual o grau de influência que terei sobre ele. Nessa fase inicial, de aceitação, muitos medos e só a certeza do amor. Bye.