quarta-feira, 24 de abril de 2013

Lamentações do tempo


Pra que queremos tempo? Não sei aproveitar, não sabemos, bom, eu não sei. estou com certo "tempo" esses dias: recesso UFV, recesso monitoria, recesso de vida. Mas aí me irrito: não sei o que fazer...a internet me irrita porque não tenho coragem de puxar papo com ninguém, apesar de ser tão urgente a necessidade de falar... e medo de incomodar, do que vão pensar, dos amigos.. cadê? Espero a tomada de atitude alheia. Nada. Espero minha própria tomada de atitude. Nada. Impotência.

Eu queria viajar pra Passagem de Mariana e ver o Caboclo D'água. Comer e gastar sem me preocupar com preços. Parar de me cansar tanto assim, do nada, e me irritar tanto assim, com tudo e com todos. Como disse o amore, tenho raiva do mundo. Sim. E isso não é gratuito e nem particular, mas tudo pelo modo como vejo o que me acontece. Aí me veem pelos cantos e me perguntam como estou. Come on, please. Just... don't. Não quero que perguntem. Sei lá, só... só não.

Só penso em comer e dormir. Penso na minha carreira literária. Penso no "meu" mestrado. Penso que tenho tido derrotas uma atrás da outra, penso que é hora de mudar os rumos. Estou esperando UFMG e USP. Estou esperando, angustiosamente, a quitação da minha dívida no Itaú - banco mais mercenário do mundo!. Espero, metaforicamente e preguiçosamente, a vida mudar, sem que eu tenha que fazer qualquer coisa, e claro que sei que isso não é possível. Minha preguiça aumenta, deveras, assim como o cansaço. E meu egoísmo também, não consigo direcionar os assuntos aqui para coisas "práticas", somente para o que me diz respeito diretamente. Ouço som alto, quero gritar, quero parar de trabalhar e começar a ganhar dinheiro de verdade.

E como vai a vida? Não vai. Num dia falo de positividade, noutro estou morrendo de tédio, de desejo de mudança repentina que não dependa de mim, mas, ao mesmo tempo, temendo mudanças. Por que sou assim? Sério, eu me canso de mim, sempre. Toda vez que tento reagir parece que ando pra trás e me arremesso ainda mais à escuridão de tudo; ao invés de perto, me sinto totalmente longe dEle. Ser humano, buraco negro, vazio, sozinho. Irritadiço e frustrado... vou ter que criar um filho pianista pra sanar minhas frustrações de artista incompleta.


Por fim, terminando o muro das lamentações de hoje - sou Jeremias - eu deixo duas músicas essenciais. A primeira lá em cima, a segunda:


Bye.