sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Vida

 Várias coisas passavam por sua cabeça, várias coisas a emocionavam. Via a vida diferente, mais empatia e até mais "deixa pra lá" ... Era hora de ir em frente, tomar cada vez mais decisões, definir a vida, como se possível... como se esta não fosse um rio, um fluxo de coisas que se encadeiam.
- Mô, seu umbigo tá fechando ou é impressão minha? Tá voltando ao normal...
Reparar em seu próprio corpo agora não era muito legal. Estava ganhando peso rápido demais e o umbigo agora estufava, a barriga esticando cada vez mais. reta final, a reta final estava chegando. Participara de uma pesquisa naquele dia de manhã sobre amamentação e só faltou a consulta ao cartão da gestante que, segundo as pesquisadoras, trazia a data prevista do parto. Ela nem tinha reparado... em casa, olhou atentamente o cartão, lá estava: 12 de novembro. A contagem de semanas era um loucura, as diferenças entre as ultras e as consultas também, e ela previa entre os dias 10 e 15, e assim era. 

A grana tava curta mas isso não era novidade... agora ela e o namorido inventaram vender geladinhos, quem sabe... Cortou as unhas vermelhas todas, sem tirar o esmalte. Cortou as dos pés também. Lia todo dia algo sobre a gravidez e via reportagens sobre superação. Superação das pessoas. pessoas esforçando-se ao máximo para emagrecer, sofrendo física e emocionalmente; um homem que, diagnosticado com leucemia, não tomava a medicação adequada havia cinco meses e não aparentava debilidade; o bebê cuja vida foi salva pelos bombeiros em detrimento da de sua mãe; a gata que no dia anterior havia gerado 6 bichinhos lindos. A vida. A vida se agarra a nós com força e com a mesma força nos agarramos à ela. 
Dava medo ainda e mais pensar no dia 12/11/13. Podia vir antes, podia até ser depois... O corpo estava cansado, tenso, grande, inchado. Coceiras por todo lado, sono excessivo, expectativa. Com tanta coisa acontecendo nos SUS da vida, dava medo de tudo, de ter e não ter. Nessas horas seria bom um plano de saúde particular. Mas fora os medos vinha a alegria, a benção de uma filha, a novidade de vida. Sempre a vida, sempre há vida. Bye.