terça-feira, 17 de agosto de 2010

no ordinary love

Sade (capa do album The best of Sade)

To aki preparando minha aula de inglês de hj, no celin. Ontem dei aula de redação. Sempre vou despreparada para essa aula, vou moldando ela na minha cabeça e sai alguma coisa la na hora, com o meu aluninho fofo de 14 anos. Estou usando as apostilas de Let 102 e 103. Sexta tenho aula no cursinho, vou levar um texto de prova vestibular, além do termo de consentimento para q participem da minha pesquisa monográfica. E ela que nem saiu do campo da ideias, escrevi o iniciozinho da justificativa e vou estruturar seu eskeleto ainda hj. (espero...). minha orientadora disse que eu tenho que ter a consciencia de que minha monografia não sairá do mesmo jeito que sairia se fosse feita com mais calma e mais tempo. Estou consciente. O importante pra mim é fazê-la, entregá-la no prazo, defender e pronto. Não importa notão, quero so fazer esse trem, como dizem meus amigos mineiros, e pronto. Pra mineiro, tudo é trem...de onde será que veio isso? Só sei a origem de uai, que veio do inglês why hehe.

aki em casa ta meio bagunçado: gente mudando, gente entrando. Depois da reunião que finalmente tivemos, umas das meninas que tava sobrando conseguiu achar quarto e mudar, a ja formada vai mudar e leva outra com ela, que talvez so fike um periodo fora daki (pra que mudar, hein? rs) e ai, atualmente, tamos em três, sendo q a terceira ainda não veio. É uma que ja morou aki, foi embora por problemas familiares e agora voltou. que bom...agora sou a mais véia do quarto hehe. O problema é que ficaremos sem geladeira e fogão!! chupa que é de uva!

Hj de manhã, na aula de edu 144, tivemos outra roda da fortuna, isto e, outra roda de discusssão de textos sobre educação. Essas aulas estão moldando talvez meu futuro projeto de mestrado. Quero muito a área de educação, mas não focada na politica, e sim na relação educação e linguas por exemplo. Se eu conseguisse a união dos dois (linhas de pesquisa que tem na UFMG, USP), ficaria muito satisfeita. Adoro inglês e adoro dar aulas de inglês, apesar de que não me saio lá tão bem, mas eu tento, ainda estou em formação.

Estou ouvindo Sade, No ordinary love. Gosto dela, com sua vozinha rouca. Ah, lembrei da ultima apresentação do Voix-lá, quando homenageamos a África por conta da Copa, cantamos Sho Sholoza, foi muito emocionante ouvir no filme essa musica, esse hino. A apresentação do coral foi muito legal tbm. Sentirei falta de todos, de tudo. Quem sabe eu nao me torno professora no DLA? Não é meu intuito, mas...vou ver pra onde a vida vai me levar, mas lembrando que I am the master of my destiny, I am the captain of my soul. Bye.

Invictus

Hj minha aula de inglês foi filme no carcará, Invictus, uma boa pedida. Gostei muito, mas chorei tbm...o filme é emocionante, mas não é para tanto; acontece que tem rugby, e rugby lembra FA, futebol americano... akeles homens do rugby correndo, fortes, altos, corpões...claro que me levou diretamente para o campo ao lado do Itau; claro que me levou diretamente para ele; claro que me levou a pensar nos nossos encontros, nas noites que não tivemos, na noite que eu sempre sonhei com ele. Fikei viajando, vendo o filme, chorando.
I am the master of my destiny; I am the captain of my soul.  As duas frases que Mandela diz no fim do filme, muito bom.

É estranho perceber que há tanto sentimento ainda em vc e o outro está vazio, indiferente. A gente não aceita, eu não aceito. Mas estou aprendendo, aos poucos, bem lentamente, que é assim mesmo, a vida é uma constante acomodação de novos valores e aprendizados; vc luta contra uma coisa ate que ela se mostra real e imbativel e vc tem que acomodá-la, se não no coração, na razão. Tudo tem de ser acomodado em nossa mente, com o tempo, muito tempo talvez, e muito sofrimento também, meio inevitável - ou não?.

Acho que estou caminhando para o melhor, não para o melhor de mim (talvez) mas o melhor que ainda está por vir, creio. Vamos vivendo, vamos vivendo comendo batata chips a essa hora, pensando no muffin nosso de cada dia, perdoai tantas calorias e sedentarismo. Mas como farei algum exercicio fisico sem lembrar-me do meu atleta adorado, amado, tão amado e desperdiçador desse amor. Poucas vezes gostei de alguém com alguma profundidade. E quando ocorre, é reciproco por um tempo, mas se dissolve; só que em mim demora pra dissolver; na verdade não dissolve, mas fica guardado, moido la dentro e tem possibilidades de despertar a qualquer momento, só ter estímulo.

Invictus, quero ficar invictus de alguma forma. quero sair, ser eu, me por pra cima, viver, viver sem ser escrava dos pensamentos sobre ele, ainda que me assaltem...imagine se me caso e ele resolve aparecer e...nao sei o que faria. Casada? provavelmente com o oposto lindo dele, que me ama de alguma forma, mas não diz, não se prende, não me fala nada...e ainda tem o outro das mensagens, o garoto do onibus...me manda mensagens sempre.

Mensagens, sinais...acho importante isso pra manter. Eu envio mensagens, sinais o tempo todo, mas é como se eu tivesse gritando trancada numa sala à prova de som. Ele é invictus pra mim, nesse sentido louco que inventei.

Changing the subject, mandei meu conto pro concurso literario (ja falei disso, não?). Meu sonho: que antes de meu nome apareça a palavra "escritora". Vai ser assim, vai, vai ser assim. Não me importo com mestre, doutora...educadora e escritora me fazem a diferença. E não importa se eu não tiver tais titulos; importa que eu seja tudo isso na prática, na sala de aula, na editora, onde estiver, educando as pessoas no sentido mais amplo. talvez seja minha "missão"; pelo menos é minha área de interesse. Bye.