Pular para o conteúdo principal

Invictus

Hj minha aula de inglês foi filme no carcará, Invictus, uma boa pedida. Gostei muito, mas chorei tbm...o filme é emocionante, mas não é para tanto; acontece que tem rugby, e rugby lembra FA, futebol americano... akeles homens do rugby correndo, fortes, altos, corpões...claro que me levou diretamente para o campo ao lado do Itau; claro que me levou diretamente para ele; claro que me levou a pensar nos nossos encontros, nas noites que não tivemos, na noite que eu sempre sonhei com ele. Fikei viajando, vendo o filme, chorando.
I am the master of my destiny; I am the captain of my soul.  As duas frases que Mandela diz no fim do filme, muito bom.

É estranho perceber que há tanto sentimento ainda em vc e o outro está vazio, indiferente. A gente não aceita, eu não aceito. Mas estou aprendendo, aos poucos, bem lentamente, que é assim mesmo, a vida é uma constante acomodação de novos valores e aprendizados; vc luta contra uma coisa ate que ela se mostra real e imbativel e vc tem que acomodá-la, se não no coração, na razão. Tudo tem de ser acomodado em nossa mente, com o tempo, muito tempo talvez, e muito sofrimento também, meio inevitável - ou não?.

Acho que estou caminhando para o melhor, não para o melhor de mim (talvez) mas o melhor que ainda está por vir, creio. Vamos vivendo, vamos vivendo comendo batata chips a essa hora, pensando no muffin nosso de cada dia, perdoai tantas calorias e sedentarismo. Mas como farei algum exercicio fisico sem lembrar-me do meu atleta adorado, amado, tão amado e desperdiçador desse amor. Poucas vezes gostei de alguém com alguma profundidade. E quando ocorre, é reciproco por um tempo, mas se dissolve; só que em mim demora pra dissolver; na verdade não dissolve, mas fica guardado, moido la dentro e tem possibilidades de despertar a qualquer momento, só ter estímulo.

Invictus, quero ficar invictus de alguma forma. quero sair, ser eu, me por pra cima, viver, viver sem ser escrava dos pensamentos sobre ele, ainda que me assaltem...imagine se me caso e ele resolve aparecer e...nao sei o que faria. Casada? provavelmente com o oposto lindo dele, que me ama de alguma forma, mas não diz, não se prende, não me fala nada...e ainda tem o outro das mensagens, o garoto do onibus...me manda mensagens sempre.

Mensagens, sinais...acho importante isso pra manter. Eu envio mensagens, sinais o tempo todo, mas é como se eu tivesse gritando trancada numa sala à prova de som. Ele é invictus pra mim, nesse sentido louco que inventei.

Changing the subject, mandei meu conto pro concurso literario (ja falei disso, não?). Meu sonho: que antes de meu nome apareça a palavra "escritora". Vai ser assim, vai, vai ser assim. Não me importo com mestre, doutora...educadora e escritora me fazem a diferença. E não importa se eu não tiver tais titulos; importa que eu seja tudo isso na prática, na sala de aula, na editora, onde estiver, educando as pessoas no sentido mais amplo. talvez seja minha "missão"; pelo menos é minha área de interesse. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…