sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Eu, que nem tenho a vida resolvida



Outro dia li algo sobre ter a vida resolvida aos 35 porque depois disso as pessoas acham que estão velhas demais. Acho que nasci velha e nem quero ter a vida "resolvida". A vida não se resolve, ela acontece e muda o tempo todo. Sou casada, tenho uma filha e um emprego - ou uma "carreira" - acho que está tudo "resolvido" nesse lado. Menos o financeiro. Menos as dúvidas existenciais. Menos o como educar. Menos o fato de que cada vez que olho meu rosto no espelho, aparece uma marca nova, uma flacidez... e eu nem ligo, acho tão interessante esse negócio do tempo passando e nos marcando. Tão interessante criar outro ser humano, vê-lo crescer, se desenvolver, se tornar uma pessoa. Tudo é muito mais grandioso do que as nossas míseras e inúteis vaidades. E vem aí a minha trigésima-segunda primavera, viva! E a segundinha da minha filhota, viva! Adoro estar viva. Adoro deus, acima de todas as coisas. Amo a vida. Amemos a vida, amém! Bye :)

artigo sobre: /http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/e-se-eu-chegar-aos-35-sem-estar-com-a-vida-resolvida/