Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 24, 2011

Cansaço

Tô cansada de amar
de não poder me dar
a você


Eu tô cansada
do corpo em brasa
sem você

Tô cansada
dos meus 40ºC
e da sua frieza

Cansada da ardência do desejo que me consome
da vontade do teu beijo
dessa merda de carência

Cansada de pensar em te ver
de pensar em você
e nunca te ver

Nem poder te tocar se te ver na rua
não poder te chamar
não poder, sobretudo, te amar

Amar desse jeito louco que meu desejo manda
e se você cedesse, ah!! se você me desse
uma chance

Uma noite
Um beijo
Uma cama

Ah! se você me desse
mais eu daria
muito mais...

Feliz (triste) Páscoa

O nome da páscoa em inglês, Easter, veio do nome Ostera ou Ostara (do inglês antigo Eostre ou Eastre), deusa pagã da primavera e fertilidade. O simbolo da fertilidade era uma hare (lebre) como se pode ver no quadro acima.
Nossa páscoa é uma mistura de tudo: libertação do povo do Egito, morte e ressurreição de Cristo, ovos de chocolate, bunny Easter (coelhinho da páscoa), só a adoração à deusa da fertilidade foi banida, visto que o feriado foi pego pela Igreja catolica, que sempre se apropria de festas pagãs e "transforma-as" em cristãs, se é que isso é possível.

Eu fico com a Páscoa judaico-cristã, então. Celebravam a Páscoa com pães asmos, ervas amargas. Nada de chocolate ou outra coisa. Ah, tinha também peixe, mas não me lembro bem se no Antigo Testamento já entrava o peixe. Eu digo que fico com essa Páscoa por crer nela, não porque pratico qualquer desses ritos, a não ser o do ovo de chocolate hehe. Gostaria de ser judia nessas horas. Teria um rito a seguir, uma tradição…

Fala, Casimiro!! - saudades

Nas horas mortas da noite
Como é doce o meditar
Quando as estrelas cintilam
Nas ondas quietas do mar;
Quando a lua majestosa
Surgindo linda e formosa,
Como donzela vaidosa
Nas águas se vai mirar!

Nessas horas de silêncio
De tristezas e de amor,
Eu gosto de ouvir ao longe,
Cheio de magoa e de dor,
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.

Então - Proscrito e sozinho -
Eu solto aos ecos da serra
Suspiros dessa saudade
Que no meu peito se encerra
Esses prantos de amargores
 São prantos cheios de dores:
 Saudades - Dos meus amores
Saudades - Da minha terra!