domingo, 21 de outubro de 2012

Das coisas todas


Das coisas que não ganhei no 20 de outubro:
 
Um gato maine-coon, cachorro rotweiller, labrador ou bigle. Uma iguana, uma tartaruga marinha...

Livros, qualquer um, mesmo mesmo. De receitas, romances, novelas, contos, crônicas, didáticos, gramáticas, guias de viagem, de curiosidades (Gostaria muito do Guia dos Curiosos, os dois volumes). Qualquer livro me agrada, até o 50 tons de cinza ...

Minha mãe aqui, minha amiga-irmã, minha família... tá todo mundo longe... 

Das coisas que ganhei:

Um parabéns com bolo surpresa dos meus alunos de sábado de manhã - porque fazer surpresa pra mim é mole, nunca desconfio de nada - um big bolo de aniversário do sogro, uma blusinha amarela da housemate, uma caixinha com chocolates, escrito Together Forever do amor, a visita do João, a ligação da mamis e um tchau lindo na vozinha da minha sobrinha princesa linda.. A companhia do amor o tempo todo e da Calabresa, minha gata. 

Das coisas do dia 21 de outubro:

um mês de amor :)

uma blusa e uma saia bandage... 

Virei mulher, finalmente? Pode ser, porque de repente, não tenho mais medo de ter medo nem medo de ousar no que uso. Tenho medos, sim: de barata, de cigarra, de fim do mundo, de como vou morrer, de pra onde vou pós-morte, de panela de pressão, de trocar gás... E não tenho mais medo de sair de shortinho, mostrar as perninhas, andar olhando pra frente, erguida, misturar estampas, customizar. Usar o que quero, quando quero, se quero, se quiser. Ter segurança para escrever e falar o que quero, exercendo meu direito de cidadã e de formada em letras, meu orgulho. Mas ainda sou tímida o suficiente pra resguardar minhas opiniões, ficar balançada com o passsado e não encarar todo mundo nos olhos. Firme o suficiente pra manter minhas opiniões pra dentro, ainda que eu diga o contrário ou tente agradar (muitas vezes acabo fazendo isso). Enfim... são 29 anos! E sete aniversários longe de casa... Já não me importo com idade ou distância, mas sim com estar fora da vida dos meus pequeninos sobrinhos e ainda não ter alcançado uma vida assim tão ... boa. Mas tudo que é bom está sempre se tornando melhor, indo e vindo. E assim caminho para mais um ano pela frente, mais um final de ano, natal, reveillon, nostalgia que abala tudo... Ainda tem passado que num passa, presente que num fica e futuro desconhecido. Count on me, life! Bye.