Pular para o conteúdo principal

Eliminações.


Eu estava sentada esperando pra entrar no laboratório de informática, pra fazer o simulado do exame TOEFL, esse exame que prova sua proficiência na língua inglesa - ou falta dela - e que é aceito e exigido em universidades do mundo todo. Estava de mau humor, mas me acalmei. Depois de fazer a prova, ainda tinha vontade de chorar, mas foi um alívio grande. Passou. Passei? Ainda não sei, só no final do mês. Final do mês, resultado e diploma prontos. Lá vou eu para Flórida? Veremos...
E, ainda sentada lá fora, antes da prova, conversava com duas calouras minhas... Uma dela comentou que depois dessa prova, tinha a entrevista, em que a professora CP iria dizer o quanto precisavamos ter no bolso pra ir de fato para a Flórida, e aí isso ia eliminar muita gente. A mim, por exemplo. Claro que tenho a quem ou a que recorrer, empréstimos, financiamentos e tudo. Graças a Deus, posso conseguir alguns empréstimos, no aperto, mas quem sabe vou à Flórida. Esse negócio de eliminação me inibe, me põe pra baixo; apesar de estar trabalhando, ainda moro no alojamento e passo uns apertos. Eu seria eliminada, mas dei a cara a tapa e fui lá fazer a prova, pela qual paguei R$50. Mandei tirar passaporte, R$156,07. gastei muito, mas ainda bem que pude fazer isso agora.
Eliminação, exclusão, bulling. É, ainda tá correndo a história do Wellington, akele assasssino, akele fdp, akele doido.
Eu fui excluida na escola muitas vezes. Eu queria aprender a jogar vôlei, mas preferia ter tido aulas particulares do que todos akeles olhares reprovadores em cima de mim quando eu mal sabia pra onde jogar a bola. Quando eu era a última a ser escolhida para os times, a contragosto da "chefe" da vez, alguma menina que estivesse apontando o dedo pra escolher as "melhores". Amava a escola, mas preferia nem sair da sala na hora do recreio pra não ver os mesmos olhares de reprovação com o meu modo de andar, o meu modo de vestir. Só lembravam de mim na hora da prova, nerd q eu era - ou assim me chamavam.
Só se lembraram que Wellington existia agora, que ele matou pra aparecer, pra chamar a atenção e dizer, ei eu exito e tenho um problema! tive problemas na escola! preciso dizer a alguém, mas como sei que não me ouvirão, eu me calo pra sempre depois. Horrível atitude. As crianças mortas nada tinham com aquilo. Mas ele viu no rosto delas os mesmo olhares de repovação da sua época na escola. Talvez os mesmos olhares que eu também percebia.
A gente se fecha e deixa passar, ou acumula aquilo dentro. Depois explode de um jeito que não tem volta, não tem controle. Eu, agora, consciente disso, posso procurar um psicólogo, amigos, falar. Mas Wellington não estudou num a universidade que talvez lhe proporcionaria uma visão melhor de seu mundo restrito. Talvez tudo tivesse sido diferente.
Condenável o que fez? Completamente! Merecia sim uma punição. Ele se puniu. Ele se foi e deixou a carta, aquelas coisas todas estranhas escritas. Deus, fé, como assim? é, ele tinha uma fé, mas não teve direcionamento suficiente para que sua fé superasse suas dores, pra que tivesse esperança, pra que pudesse se curar de suas mágoas.
Sinto pelas crianças, sinto por ele. Agora tem mais um monte de crianças traumatizadas, as que presenciaram as mortes. Que fazer por elas?
Na época da minha escola, nada foi feito por mim pq eu passava despercebida, a quietinha, a estudiosa. Rótulos. Perigo. Bullying. Perigo.

Bom, eu fiz o TOEFL e tenho a chance de mudar de ares, de ver outro mundo, ampliar minhas experiências e visões. Graças a Deus pela chance, ainda que eu não vá. Bom, mas não deve ser tudo tão restrito assim. Eu estou arriscando, sem muita condição financeira. Os que não tem condições geralmente são excluídos. A gente tem q ir atrás, mas tem que achar portas abertas também, pra todo mundo, sem exceção. Sem eliminações. Sem condenações. Mais ações, masi políticas educacionais, de seguirança, enfim, aquele papo todo que a gente sempre fala, que até vira clichê, mas que não sai das cabeças e do papel.  Quanta ameaça, quanto perigo. Oremos, mas ajamos também. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…