Pular para o conteúdo principal

A mulher de trinta - parte II


"Here comes the sun,
here comes the sun
and I say
it's all right..."

(The Beatles - Here comes the sun)

Grávida. Saí do consultório com os olhos marejados e ainda tive que ir lá no balcão marcar consulta com a nutricionista. "gestante né?" a moça perguntou. Fiz que sim com a cabeça, mal acreditando no que estava "falando". Ah, vai, ainda estou dormindo, daqui a pouco vou acordar e tudo volta ao normal. Mas está tudo normal! A vida segue seu curso. Fiquei com cara de bunda pela rua, chorosa, até chegar em casa, isso agora essa semana, segunda dia 10. Eu nem ia contar pra ninguém, vai que é falso, que a médica errou, que não é isso, que é câncer de colo do útero... cruzes, eu desejando antes uma doença do que um filho, mas a regra é contrária. Mas o susto foi por vários motivos: não estamos casados; Bruno está desempregado; eu ganho mal e moro em república; queria ainda esse ano, por milagre, viajar para o exterior; estou estudando pra um concurso, grávida pode tomar posse? - descobri já que sim... enfim, uma série de coisas, empecilhos, dificuldades. E como as pessoas iriam receber a notícia? Sim, sempre me importei com a opinião alheia mas até agora a acolhida foi boa. Se estão contra ou falando, é por trás, sem ambiguidades rsrs...

Fui pra casa rápido, choramingando ainda. Havia mudanças físicas sim, sutis mas perceptíveis, eu que não quis enxergar antes. Seios, barriga, a vontade de urinar muito frequente, a sensibilidade emocional, eu estava chorando vendo comercial de margarina (estou exagerando, mas estava meio isso...). Tomei banho, relaxei um pouco. Bruno chegou e eu estava com cara de choro ou de noite mal dormida, com os olhos menores ainda dos que já tenho. "Ei, não quero ver você com essa carinha!" ele disse, me abraçando. Nos dias que estão seguindo, estamos agora mais felizes. No dia dos namorados, que foi meu primeiro com namorado, também foi o primeiro com bebê -  e o dia das mães também, só que eu não sabia - saímos pra comer uma pizza e tiramos fotos sem esconder nada. Minha barriga apareceu até grande, mais porque eu estava comendo e a barriga sempre incha nesse caso. E, falando em comer, ontem comi algo que não me fez bem, ai hoje parecia que eu tinha levado uma surra, diarreia, e Bruno com febre, fomos ao hospital, a maior preocupação com o bebê, agora tudo está bem. 

Uma avalanche de mudanças está vindo sobre as nossas vidas. Vou fazer 30 anos com uns 8 meses de gestação. O primeiro 12 de junho, dia das mães, primeiro filho... Dá medo, preocupação. Qualquer coisa que sinto, agora é nele/a que eu penso, com quem me preocupo. Tudo ficou completamente secundário. Passado já nem tem mais sentido, o que conta é o que sou e como vou ser daqui pra frente. Não que eu não seja mais a Rebeca de antes, rancorosa, melancólica, depressiva, melodramática; mas deixei isso de lado agora, não posso mais ser eu, tenho que me reinventar. Tenho que ser melhor por ele/a e isso está vindo naturalmente também. São mudanças demais e nem sei como estou me sentindo, ainda caindo a ficha, ainda, ainda, e ainda... But I believe that every little thing is gonna be alright. Bye!


Comentários

Nancie Flor disse…
Não é à toa q tua ficha ainda não caiu, é mta informação pra absorver assim, de uma hora pra outra.
Mas q bom q vcs estão se apoiando e tentando acertar as coisas!
Uma mudança de vida tão radical assim, não sei como eu enfrentaria. Não quero, mas tenho medo do novo, do desconhecido. Só q tô lutando contra isso.
E no seu caso é normal ficar ansiosa, apreensiva, pois vc está andando por territórios q nunca foi antes.

Espero que tudo se acerte na sua vida e do seu namorado, e que esse bebê que vem por aí tenha a melhor vida q poderia ter :)

bjs da Flor~*

bipo-analisando.blogspot.com.br
Eilan disse…
Parabéns pelo baby, querida. Deve demorar um pouco pra ficha cair. Mas que bom que estás recebendo todo apoio.

bjos!

Eilan

borderline-girl.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…