Pular para o conteúdo principal

Maktub

Estrela de Davi

Acordei mals hoje. E como todo bom homem que se preze, Bruno enraiveceu-se comigo, ao invés de me dar um tempo. Mas agora à noite tudo ficou bem, sobretudo porque íamos à Igreja. Tenho muitas preocupações e a maior delas, financeira, torna-se cada vez mesmo maior. Nem lembrei do baby e não comi de 3h em 3h. Porque antes eu podia ficar horas sem comer, ou comer qualquer porcaria, eu aguentava, mas agora não dá. As preocupações são muitas, muita coisa pra resolver e eu não tenho a complacência tipicamente Brunesca. Quando vejo que só me restam alguns trocados na carteira, meu humor piora drasticamente, e olha que já não é dos melhores. O que tem me salvado é a companhia dupla, Bruno e baby. Meu namor é dessas pessoas fáceis de decifrar, sem grandes problemas emocionais, mas com grande tendência ao que chamo falta de decoro no trato cotidiano: bagunceiro, esquecido e relax demais. É roupa daqui, cuecas dali, "já vou, já to indo, já vou fazer" ... e nada! televisão o tempo todo, falta de atenção, dentre outras coisas... o amor é cego? Não o meu, não o nosso. Ele deve bem enumerar as minhas falahas, apesar de fazer esforços para se concentrar no meu - pequeno - lado bom. Nosso encontro e relacionamento foi e é, no mínimo, incomum, mas maktub. Fizemos 9 meses no último dia 21. 

Uma das manifestações pacíficas que deu início a essa onda, ou ao menos acabou fazendo parte, foi a manifestação em Brasília no dia 5 de junho, encabeçada por líderes evangélicos. Nossas bandeiras - digo nossas porque faço parte desse povo - vão bem contra o pensamento contemporâneo, sobretudo a preservação da família tradicional e pela vida. São questões polêmicas, por certo, mas temos que nos posicionar. Sou contra o aborto. Descriminalizar seria um caminho humanista desejado, mas o risco é virar mania, já que tanto se prega a liberdade sexual e, um bebê inesperado em meio a um encontro casual, uma orgia ou qualquer tipo de relação não comprometida, seria um empecilho. Abortá-lo, pois. No caso dos estupros, ainda pondero, mas e as mulheres que já são casadas ou mesmo mães e simplesmente não desejam aquele filho? As que estão lá usufruindo de sua liberdade sexual e se deparam com uma gravidez indesejada? Abortar assim, sem culpa, sem dó nem piedade? Acho isso estranho, muito estranho, no mínimo cruel. 

Sobre a família tradicional, contra a união homoafetiva, também me posiciono contra. na verdade acho que sou mais contra a obrigatoriedade de as igrejas e instituições religiosas serem obrigadas a realizar casamentos. Creio que não é isso - ainda - que está em pauta, mas sim a legalização do casamento homoafetivo civil. Contudo, qualquer um que se posicionar contra é taxado de homofóbico, mas vejamos bem, os ensinamentos de qualquer doutrina religiosa, ou pelo menos da grande parte, vai contra o relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo; portanto dois homens ou duas mulheres se casarem na igreja é, no mínimo, contraditório, o que não tira a liberdade das pessoas em escolher o/a parceiro/a que bem entender. Adoção de crianças por parte desses casais também é polêmico. Barriga de aluguel, acho ridículo, em qualquer caso, homo ou hetero, porque envolve questões emocionais entre mãe biológica e feto, o bound que se cria... só uma mulher extremamente fria daria um filho gerado em seu ventre sem sofrimento algum. 

Tudo isso me lembra Davi. Ou Lídia, meu ou minha baby. Na situação em que estou, estivesse até morando na rua, jamais pensaria em aborto ou dar para adoção, jamais. Seres humanos podem ser bem cruéis em certas situações e creio que eu poderia também ser, mas contra um ser indefeso que mal se formou eu não teria coragem de fazer algo. Nunca. Que Deus nos abençoe, a nós três, para vivermos da melhor maneira possível essa situação, amém. 

Comentários

Eilan disse…
Então guria... Respeito todas as religiões, e inclusive concordo contigo quando vc diz dos casamentos homoafetivos em instituição reliziosas, pois estaríamos indo contra os dogmas desta religião.
Mas sou a favor do amor. Se duas pessoas se amam, elas deveriam sim ter o direito de se casarem legalmente. Não acho, sinceramente, que Deus seja contra este sentimento tão poderoso, ou seletivo. Adoção de crianças por estes casais tb seria algo ótimo, quantas crianças não padecem em orfanatos, enquanto há tantos casais com 2 pais ou duas mães querendo filhos?

Aborto, bem, polemico. com relação ao estupro, nem tem o que discutir. É uma violencia absurda e nenhuma mulher se sentiria bem carregando uma lembrança deste fato.

no mais... Espero que seus pequenos problemas sejam resolvidos. Vc tem um namorado super presente e tenho certeza que isso faz toda a diferença!

Beijos,

Eilan

borderline-girl.blogspot.com
R.B. disse…
Oi Eilan... obrigada pela força. Bom, como diz a música, cada um no seu quadrado, com respeito. Somos todos criaturas de Deus e Ele quer o bem de todos nós.
bjus! :)

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…