Pular para o conteúdo principal

Problemas


"Entrega teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará"
Salmo 37:5

Problemas. Se não nos acostumamos ou amoldamos a ele, sempre incomodam, tem uns que até a gente mesmo causa sem querer/saber, sem intenção ou com, subconsciente. Enfim, existem e precisam ser resolvidos. Tenho causado alguns, arrumado outros e outros tem aparecido, simplesmente, sobretudo com as mudanças que tenho que fazer, do tipo:

1. Mudar de casa - bom, moro em república, vou ter um bebê e isso meche com a rotina de todo mundo. Ainda que esteja cedo, já estou querendo bater asas e voar, mesmo porque meu humor não anda nada bom, devem ser os hormônios alterados, sei lá.
2. Fazer exames - já estou com o pedido, falta o SUS resolver marcar e me atender decentemente. Até agora, só consegui fazer um ultrassom e ainda nem peguei resultado, sendo que estou com pedido de exame de fezes, urina, sangue, etc, etc... Hoje tive que fazer um ultrassom mamário e fiquei quase 3 horas na espera, sem comer. A cara do médico não foi muito boa. Preocupação a mais...
3. Comer direito - Como já disse, voltei a comer no restaurante universitário porque não tenho muito jeito na cozinha pra fazer uma refeição mais completa, e só tenho mais o almoço de amanhã, porque depois... estou na pindaíba total. Sinceramente, não sei o que faço de tão errado com my money, sempre está faltando. O salário é pouco e tenho dívidas, mas está indo embora cedo e rápido demais.
4. Colocar as pessoas em seus lugares - Tem muita gente aparecendo e se declarando madrinha ou padrinho do meu baby e isso está me irritando. Na minha família nunca teve disso, acho que vem mais de tradição católica e eu sinceramente não entendo qual diferença faz ter um padrinho/madrinha ou não. As pessoas estão também dando palpites demais. Ainda bem que os nomes pelo menos já estão escolhidos. 
5. Decidir onde ter o bebê - A perguntação alheia realmente está me deixando nervosa, tem tanta coisa que ainda não sei ou não decidi! E nem estou sabendo por onde começar, preciso de um norte e estou buscando em alguns contatos. Manhêeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!
6. Saber como está o bebê - "e ai, como tá o bebezinho??" Se eu responder que não sei já estou sendo uma mãe desnaturada? Como eu disse, estou esperando as datas do SUS pra poder fazer exames e voltar ao médico/a para acompanhamento. Por enquanto, só sei que o/a baby está aqui, ponto.
7. Lista de providências - Como eu preciso de um norte, estou lendo bastante coisas nesse site aqui, que inclusive sugere uma lista de primeiras providências a serem tomadas. Ajuda.
8. At least, but not last, God. - Estou procurando orar mais, estar mais em sintonia com Deus, tudo porque o que estou passando não é brinquedo não. Muita novidade e pouca experiência, aliada a uma baita crise financeira. Então, nessas, horas, só Ele pode me ajudar, me acalmar, porque não quero ficar nervosa, triste ou estressada, por causa do/a baby. Pode parecer bobagem pra alguns, mas excluí todas as músicas do meu computador e do celular, a principio a pedido do namor, mas agora está me fazendo bem, só ouço mesmo as músicas gospel e uma ou outra que levo para os alunos. 

Enfim, tem muitos mais coisas do que SÓ essa lista. Trabalho, casa, universidade, relacionamento. Mas vamos com calma, por partes. God blesses us, amem. 


Comentários

Eilan disse…
Sem querer me meter mas já me metendo (risos) eu ouvi falar que música clássica faz bem para o bebê. Minha prima teve filho a pouco tempo e me contou.

Fica a dica!

Bjos,

Eilan

borderline-girl.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…