Pular para o conteúdo principal

Das ilogicidades da vida


Pensava sempre, ao digitar aquelas letras embaralhadas de código pra fazer comentários em blogs, qual era a lógica daquilo. Alguns sites que também pediam até diziam: prove que você não é um robô, ou que você é humano. No último, uma palavra em inglês se formou: both. Teria lógica, seria aleatório? O que é aleatório na vida?

Ontem andava pela rua e observava as pessoas, como sempre fizera. Mas agora era diferente. parecia estar de certa forma protegida e podia olhar e pensar coisas livremente. Como por exemplo, que aquele carinha ali, se não fosse sua decisão tomada, pegava fácil. Tinha plena segurança de que poderia ficar com qualquer um que quisesse, a não ser que o cara realmente não quisesse. Conquistar eram outros quinhentos, coisas que nunca soube fazer. Que adiantava essa segurança de "pegadora" se não sabia como manter. E, se não tivesse tomado a tal decisão, sabia que ia ficar nisso eternamente, pega, fica, morde, beija, transa, um após o outro. O sabor disso não lhe parecia tão mal, mas tinha também segurança o suficiente agora pra dizer que havia feito a melhor escolha. Viver vida dupla não dá. Igreja e balada não dá. Ser gay e disfarçar não dá. Ser poliamor e namorar um/a só não dá. Preencher a necessidade de Deus com qualquer outra coisa não dá. Saber da verdade e não seguí-la não dá, ponto. Foi por isso que de repente, um dia voltando de um evento qualquer com dois amigos, desviou do caminho e foi pra casa quando os dois seguiram para uma noitada num barzinho qualquer. Naquela hora, os três perceberam que agora a p. ficou séria rsrsrs... uma sensação de alívio, orgulho e felicidade a invadiu quando ia pra casa. Tinha medo também da eterna solidão, mas foi quando logo depois da decisão ele apareceu. Aleatoriamente? Não. 

Ele também não gostava das baladas, estava longe disso por igual decisão tomada há algum tempo. Juntos tinham suas dificuldades: um interesse no início, paixão, depois a rotina e as brigas. Não tinham feito tatoo, nem aliança, nem declarações ou poemas, mas estavam lá, marcados um no outro. Agora que ele voltara a estudar, ela retomou vida de gata: caseira, só, silenciosa. Não que não sentisse falta: poderia ir ao cinema, a uma lanchonete, à opera, ao teatro, etc... o impedimento agora, além da falta de convites - os mundos das pessoas se separam - era financeiro. Trabalhava unicamente para pagar as contas e comer. As roupas todas velhas, sapatos idem, comida a de sempre, modestamente. Queria chorar e fazer seu drama típico mas agora nem tinha mais ninguém pra ouvir. Era o preço da decisão. Melhor do que ficar se enganando-se a si mesmo...

Pensou no dia, na tarde, quando vislumbrava a possibilidade de receber algum por um trabalho extra feito. Cobrara menos e se arrependia, mas ainda assim seria boa a quantia. terminou de pensamentar e foi se arrumar. Agora só tomava banho quando voltava do trabalho. Sei lá. Ilogicidades da vida. 

Bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…