Pular para o conteúdo principal

Com 30

Tema da festinha de um ano da Lídia: Faniquita!

Não me sinto com 30 anos. Mas o que é se sentir com trinta? Se sentir velha, acabada, sem disposição, cansada, vestir roupas mais caras/sóbrias, ser chata, ter estabilidade financeira, etc, etc? Não sei, algumas dessas coisas se aplicam a mim, mas me sinto com 30 depois de vinte e não com trinta próximo de quarenta. Ainda uso jeans e.. peraí, como assim ainda? Quando eu era mais nova sempre achei que existissem roupas próprias pra cada idade. Sim, isso existe, existe o bom senso, mas nada me impede de usar jeans e camiseta all life long. Pois bem, uso. Ainda gosto de caixinhas com coisinhas dentro, de ovo de Páscoa, de presentes e surpresas de aniversário, de tênis, de doces, de ganhar coisas, de ser romântica, etc, coisas muitas vezes tidas como de jovens, de adolescentes, sei lá. A cobrança por ser mãe é maior, ou junta-se à de ter 30. Só porque sou mãe de primeira viagem muita gente parece julgar que não cuido be da minha pequena, aí querem dar pitaco em todos os aspectos da vidinha dela e, se ela espirra ou chora muito é porque alguma coisa estou fazendo de errado, ou deixando de fazer algo a mais. Chatice... Ela está com um probleminha de pele, mas o médico já falou que é genético. Claro que tem algumas medidas a serem tomadas e estou sempre fazendo o melhor por ela, mas quem tá de fora, quem é da família, mais velho, com filhos, quer sempre dar sugestões - imposições na verdade. Eu simplesmente não ouço. Só ouço três vozes nesse mundo: a de Deus, meu pai, a da minha intuição e a do pediatra, ponto. 

Uma coisa que anda me chateando é que ninguém entende que não estou procurando mais trabalho porque quero ficar mais com a minha pequena. Estou trabalhando sim com menos turmas porque acabo de voltar de licença-maternidade e acho até melhor assim. Posso e quero conseguir mais turmas, trabalhar em outros lugares, tentar concurso ( já to cansada, mas vamos lá...), mestrado, sei lá, mas não agora. Aí vêm me sugerir uma vaga aqui, um emprego acolá, e creche!! Nunca!! Lídia está muito nova para creche e, se eu posso ficar mais em casa com ela, ainda que financeiramente apertadíssima, porque não ficar? E se o papai conseguiu um emprego de folguista, trabalhando somente nos finais de semana, porque não permanecer nele e me ajudar durante a semana com a bebê? Estamos e somos pobres sim, vivemos no aperto, mas temos uma filhinha que precisa da nossa presença, ao menos até o final desse primeiro aninho dela. É isso que pensamos, que queremos. Mas por causa do nosso aperto financeiro constante, pensamos em outras possibilidades agora que ela fará seis meses. Não confio em babás nem em creches, se tiver que colocá-la, vai ser difícil.

Ainda me chateio com coisas pequenas, ainda passo vontades, choro, e tenho sonhos bobos. E ainda quero chocolate amanhã. Bye.

Comentários

Sofia de Buteco disse…
então são 4 vozes, não 3!
Sofia de Buteco disse…
e se precisar, posso ser babá dela...já trabalhei como voluntária num "orfanato" 3 anos....rs beijos
Dayanne Alves disse…
Amandex tem razão... são quatro! Também posso ajudar se você quiser! Já treinei bastante com minha sobrinha! hehe
Dayanne Alves disse…
Lidia já tem 6 meses... my God! Time is passing so... fast!
R.B. disse…
"a de Deus, meu pai, a da minha intuição e a do pediatra, ponto." - meu pai é um aposto, gente!

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…