Pular para o conteúdo principal

Com 30

Tema da festinha de um ano da Lídia: Faniquita!

Não me sinto com 30 anos. Mas o que é se sentir com trinta? Se sentir velha, acabada, sem disposição, cansada, vestir roupas mais caras/sóbrias, ser chata, ter estabilidade financeira, etc, etc? Não sei, algumas dessas coisas se aplicam a mim, mas me sinto com 30 depois de vinte e não com trinta próximo de quarenta. Ainda uso jeans e.. peraí, como assim ainda? Quando eu era mais nova sempre achei que existissem roupas próprias pra cada idade. Sim, isso existe, existe o bom senso, mas nada me impede de usar jeans e camiseta all life long. Pois bem, uso. Ainda gosto de caixinhas com coisinhas dentro, de ovo de Páscoa, de presentes e surpresas de aniversário, de tênis, de doces, de ganhar coisas, de ser romântica, etc, coisas muitas vezes tidas como de jovens, de adolescentes, sei lá. A cobrança por ser mãe é maior, ou junta-se à de ter 30. Só porque sou mãe de primeira viagem muita gente parece julgar que não cuido be da minha pequena, aí querem dar pitaco em todos os aspectos da vidinha dela e, se ela espirra ou chora muito é porque alguma coisa estou fazendo de errado, ou deixando de fazer algo a mais. Chatice... Ela está com um probleminha de pele, mas o médico já falou que é genético. Claro que tem algumas medidas a serem tomadas e estou sempre fazendo o melhor por ela, mas quem tá de fora, quem é da família, mais velho, com filhos, quer sempre dar sugestões - imposições na verdade. Eu simplesmente não ouço. Só ouço três vozes nesse mundo: a de Deus, meu pai, a da minha intuição e a do pediatra, ponto. 

Uma coisa que anda me chateando é que ninguém entende que não estou procurando mais trabalho porque quero ficar mais com a minha pequena. Estou trabalhando sim com menos turmas porque acabo de voltar de licença-maternidade e acho até melhor assim. Posso e quero conseguir mais turmas, trabalhar em outros lugares, tentar concurso ( já to cansada, mas vamos lá...), mestrado, sei lá, mas não agora. Aí vêm me sugerir uma vaga aqui, um emprego acolá, e creche!! Nunca!! Lídia está muito nova para creche e, se eu posso ficar mais em casa com ela, ainda que financeiramente apertadíssima, porque não ficar? E se o papai conseguiu um emprego de folguista, trabalhando somente nos finais de semana, porque não permanecer nele e me ajudar durante a semana com a bebê? Estamos e somos pobres sim, vivemos no aperto, mas temos uma filhinha que precisa da nossa presença, ao menos até o final desse primeiro aninho dela. É isso que pensamos, que queremos. Mas por causa do nosso aperto financeiro constante, pensamos em outras possibilidades agora que ela fará seis meses. Não confio em babás nem em creches, se tiver que colocá-la, vai ser difícil.

Ainda me chateio com coisas pequenas, ainda passo vontades, choro, e tenho sonhos bobos. E ainda quero chocolate amanhã. Bye.

Comentários

Sofia de Buteco disse…
então são 4 vozes, não 3!
Sofia de Buteco disse…
e se precisar, posso ser babá dela...já trabalhei como voluntária num "orfanato" 3 anos....rs beijos
Dayanne Alves disse…
Amandex tem razão... são quatro! Também posso ajudar se você quiser! Já treinei bastante com minha sobrinha! hehe
Dayanne Alves disse…
Lidia já tem 6 meses... my God! Time is passing so... fast!
R.B. disse…
"a de Deus, meu pai, a da minha intuição e a do pediatra, ponto." - meu pai é um aposto, gente!

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…