Pular para o conteúdo principal

Erros


Feriado, Independência do Brasil. Minha independência já chegou há algum tempo, menos a emocional. Chato ficar em casa num feriado que não é feriado pra alguns de nós: trabalho no sábado normalmente. Só queria que minha despensa estivesse cheia e meu bolso também, poderia ao menos comer muito nessa horas de completo silêncio e solidão. Parece que todo mundo viajou e os que ficaram resignam-se ao conforto de seus lares. 

Minha trilha sonora foi variada hoje, ouvi de um tudo, gospel, samba, pop, rock, eletrônica e agora voltei à trilah de ontem, Amelie Poulain. Fico repetindo as músicas mais tristes, em que chora o piano ou a sanfoninha... Mas o piano é o mais belo de tudo.

Tirei um cochilo, aproveitando pra falar com Deus um pouquinho. Na minha burrice, ainda pedindo a Ele pra entender certas coisas, os por quês... Sei que tem coisas que nunca vou entender e que tenho que simplesmente abrir mão, mas... a dor de abrir mão parece ainda maior que a dor de lembrar de tudo, de ter o que lembrar. Seria melhor não ter lembranças? Às vezes imagino como seria se eu perdesse a memória, não de tudo, mas de coisas específicas... dos últimos seis anos, por exemplo... simplesmente esquecer... nunca vou saber. E vou questionar tudo a vida toda...

Estraguei tudo?
Escolhi errado?
Me precipitei?
Sou feia, repugnante, fácil, séria demais, velha, ultrapassada?
Onde está meu erro pra que eu possa acertar da próxima vez? (se houver próxima)...

Sei dos meu erros, mas até mesmo esse saber pode estar errado. Tudo é relativo, é complicado... acordei hoje com os mesmos pensamentos de querer vingança ou justiça, de fazer algo pra aplacar a dor de 2 anos, 2 anos, 2 anos... tem dores mais velhas e mais novas também, mas essa especialmente tem me incomodado. por que? Je ne sais pas, isto é, talvez eu não saiba dizer por que, mas sinto o por quê.

Vou continuar nas minhas resoluções e orações. O caminho é longo, estreito e árduo, como JC avisou. Antes eu vivia frustrada porque minha vida era uma pasmaceira, não acontecia nada. Agora, com tanta coisa que aconteceu, caio na mesma frustração, talvez até em maior grau. Estou buscando a cura nEle, Jeovah Rafah. Daí o nome Rafael, Deus cura. E mesmo com tanto erro e pecado, ele continua me chamando. Nos chamando, a todos. Estou indo, enquanto ouço a música do vídeo acima. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…