Pular para o conteúdo principal

valeu a pena, êh, êh!

last weekend was excited, bem agitado!...
fui à carraspana fantasy, vestida de queixa, tirei muitas fotos, isto é,m tiraram fotos minhas, todos aqueles sites que conhecemos, da carraspana, descubrame, patolino, enfim...e no dia seguinte, show do Rappa! primeira vez que fui, wonderful, adorei, pulei d+!! e mais fotos, todas no orkut...rsrsr como as pessoas gostam de ser noticia, não? todos gostam de ser notícia, ser notados, ser valorizados, principalmente pela aparência, que é só casca e que gasta com o tempo...
duas noites seguidas em claro me cansaram um bocado, principalmente porque não fiquei simplesmente acordada, acordada e pulando, bebendo, sorrindo, falando, interagindo, beijando...é assim mesmo... e aí penso, que será de mim depois de tudo isso, depois da graduação? pois foi a universidade que me trouxe tudo isso, o conhecimento academico, conhecimento de mil pessoas, interação, vida social que eu jamais tive...minha vida é antes e depois de viçosa...antes eu simplesmente não existia, e depois, gente o que vai ser de mim? vou cair no anonimato de novo, voltar pra minha vidinha invisível? oh, céus, tomara que não, preciso agir...
minha relações amorosas estão completamente instáveis como sempre. Um apareceu depois de cinco meses e já sumiu de novo, o outro pediu time, um outro eu encontro esporadicamente, quando sentimos necessidade - e eu sinto muito mais que ele, I'm sure. Três e nenhum, é fato.
e é fato que meu niver se aprochega, ui, nem vou mais contar...mas acho que estou na minha melhor forma, tanto fisica quanto intelectualmente...vejo esses meninos todos passeando pela universidade, conhecendo o campus, os cursos, e lembro de mim, da minha época de teenager, pensando em que curso fazer...acho que com dezoito vc não ta maduro o suficiente pra acertar uma escolha tão importante...eu entraria aos vinte, mas calhou de ser minha vez aos vinte e dois, foi bom, tempo bom, nem muito cedo, nem muito tarde...é estranho vc sair do terceiro ano e cair numa sala de aula da universidade, até vc se situar, cair a ficha de onde está, nossa, é um processo complicado pra quem acaba de fazer 18, e uns até mesmo com 17! mais complicado ainda é sair de casa, muitos calouros que podem ou moram perto vão pra casa todo fim de semana, não largam tão cedo da barra da saia da mãe e nem do bolso do pai. Eu tive que largar foi tudo de uma vez! Mas como eu disse, não era tão menina assim, já tinha trabalhado, já conhecia um pouco o mundo. Viver longe da familia é difícil no início, vc se sente sem chão, mas é preciso. E morar com desconhecidos é bastante complicado, é preciso adaptação dos dois lados...na verdade tenho sofrido um pouco com isso por causa do meu temperamento...sempre me sinto pressionada a mudar, e parece que só eu é que tenho que mudar, sempre...nossa, ser´q ue sou uma pessoa tão insuportável assim? essa dúvida já me assombrou sim, mas agora, uh, aguas passadas, só um fantasma que ainda tenta me assustar às vezes, em momentos depressivos...mas to bem...
Amanha tenho um encontro com um dos amores. Amanhã feriado em Viçosa, aniversário da cidade, dia de Santa Rita. As ruas vão se encher de gente de todas as idades, raças, credos...na rua, todo mundo é igual, não há lugar mais democrático! e nos misturamos nesses tipos de eventos, nem sabemos quem está ao lado, sua história, seu ser... é uma desculpa pra interação, tipico do que acontece em festas...mas em festas as pessoas nem precisam falar muito, todo mundo ta ali pra quase a mesma coisa: "conhecer" gente. E esse conhecimento é de excelência! rsrsrs....
valeu muito a pena duas noites em claro...que volte logo o Rappa!
Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…