Pular para o conteúdo principal

genius

acordei com o tino de que sou artista, mas faz tanto tempo que não produzo minha arte...poesia. Sou do tipo que num fica escrevendo e reescrevendo; gosto de escrever e acabou, aí está a obra. Não gosto de retoques, nada. por isso, quando me vêm ideias bobas ou infantis, nem escrevo, ou apago...eu num sei, num quero parar de escrever, de produzir...sei q a poesia num vai me dar subsídios financeiros, mas eu simplesmente não posso renegá-la, é parte de mim, sem nenhuma pretensão ou arrogância, realmente é parte de mim.
Emocionalmente, estou numa fase tranquila novamente, graças ao meu bom Deus. Claro que num deixo de querer o amor, mas procuro nao ficar ocupando minha mente o tempo todo com isso, o que sempre me faz mal. Engraçado que amigas tem tido os mesmos problemas, isto é, problemas afetivos. A área afetiva afeta demais uma mulher de um jeito que nenhum homem entende e nunca compreenderá, pois faz parte de ser mulher. Mas deviam pelo menos ser mais sensíveis a isso, né?!
Eu estou sendo boa ouvinte como sempre, apesar de ter a impressão de que, quando preciso, ninguém quer me ouvir...mas eu ouço porque é o que se pode fazer por uma amiga as vezes...e as vezes desejo mesmo que o cara se arrume pra lá, pq mulheres como as que conheço não precisam mendigar amor de nenhum tonto que as largou. Diante de uma mesma situação com duas amigas, tenho duas reações diversas: uma se decepcionou, tem raiva do cara, quer partir pra outra (yes!!), a outra fica naquela esperança latente (hm...é assim mesmo).
sorte de hj no meu orkut: "Quando as pessoas falam, ouça com atenção. A maioria das pessoas nunca ouve", o que me leva a crer que to fazendo o certo..fazei o bem sem olhar a quem e sem esperar reciprocidade (mas a gente sempre espera neh). E mulheres sempre esperam o mesmo amor e dedicação que dão aos parceiros...esperam que haja respeito e ainda algum resquicio de sentimento se tudo acaba....esperam que ele volte, que se arrependa, que se de muito mal longe dela hehe....
engraçado que eu já esperei tudo isso. Num tive um relacionamento muito saudável (nem um relacionamento aquilo era de fato), mas quando acabou a prima vez, eu sofri d+, mas, engraçado, só sofri, nunca imaginava que ia voltar...voltamos, foi mara, mas num durou muito. Mas meu caso é muito peculiar, tem mil condicionantes aí...O caso é que hj nos falamo quase que diariamente pelo msn. Ele está namorando e ontem cheguei a perguntar como ia o namoro. Temi a resposta, temi mesmo. Ele disse que ia bem, eu disse que bom. Nunca pensei que realmente desejaria que tudo fosse bem a ele sem mim. Mas depois que decidi não ficar vendo-o frequentemente, axu que a amizade se estabeleceu. Viramos amigos virtuais, hehe. Pra mim está ótimo. mas teve ate um dia que ele apareceu aki pra tentar instalar um msn novo no meu notebook. Eu fiquei tensa, não sabia como eu mesma ia reagir, mas me comportei muito bem, nos abraçamos, foi bom vê-lo. Tenho ganhado sua confiança, isso é bom. Não quero dizer que vou atacar novamente, é exatamente o que quero frisar: sofri muito por um tempo, mendigava o amor dele, mas agora acabou, tem hora que, mesmo amando, você tem que acordar e dizer basta. Tem que escolher não mais querer a pessoa; foi isso que fiz e inclusive contei a ele sobre minha escolha. É possível manter a amizade. Desde que você não o veja com a outra rsrsrsrs. Bye!

Comentários

Amanda... disse…
É possível manter a amizade...desde que ele resolva dedicar a sua vida a uma religião celibatária...

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…