Pular para o conteúdo principal

dia do calouro

ois.

hoje foi o dia do calouro, não oficial, como natal ou carnaval, mas foi dia de confirmação de matrícula para calouros, os oficiais. Letras ganhou mais 20 vagas!! E mais duas surpresas boas: uma ex-aluna minha, do cursinho no Edundo Lins passou para Letras!! Ela foi lá pra pegar o Manual do Calouro comigo, fikei muito feliz...e uma outra ex-aluna, do Celin, mudou de curso, para Letras!! Ela disse que depois queria q eu desse umas dicas pra ela...muito bom, amo muito tudo isso, principalmente a aluna do cursinho...as pessoas que lá frequentavam eram o tipo que todos olham e não dão nada, e cá está uma ex-aluna! Meu tempo de dar aula no cursinho, que era parte do projeto de extensão, acabou, mas eu me sentia muito melhor, muito mais à vontade e próxima dos alunos lá do que aki no Celin. Também gosto de dar aula no celin, mas são mundos totalmente diferentes. Foi muito bom dar aula no cursinho e fazer essa comparação, muito bom ver a Luana, a ex-aluna de la, ali, na minha frente, confirmando sua matrícula! Muito bom!

Acordei bem cedo pra receber os calouros...fiz um mingau de aveia ontem à noite e deixei um pouko pra hj de manhã, e deu certo o mingau, fikei tão feliz!! Sei que é uma coisa tolinha, mas a felicidade não reside nas pequenas coisas? pois então, pode estar na preparação de um mingau também! rsrsrsrs....

Por ter de acordar cedo, nem saí ontem, apesar do convite que recebi. Será que A fikou chateada comigo? fikou, A? Espero que não. Espero que todos entendam que inda não to muito bem, que to tentando me situar depois de passar por uma situação doida em São Paulo, que acordei um pouco para o que Deus ta tentando me dizer, que ouvi o que ele quer através do livro A Cabana, enfim....que pelo menos não me condenem por querer ficar mais no meu canto por hora. Loucura, bobeira, mentira? sei que estraguei um bocado minha reputação por aki, mas, não sei, Deus é loucura mesmo, é a minha loucura, sem ele, eu não existo. Quando eu estava lá, sentada numa cadeira sob a tenda que armaram para os CAs e DAs receberem os calouros, vi uma garota com uma camiseta escrita na frente: Jovens....e atrás: loucos por Jesus. Isso diz tudo, não quero explicar mais nada. Nao to dizendo que não vou mais sair ou ir em festas, ou mesmo beber. Só quero ir com mais calma, sem tanta sede ao pote. meu pote verdadeiro está bem guardado. Até agora só tomei uns goles nos potes errados que me apareceram pela frente. A saciedade de tudo, de amor, não me chegará fácil. Não chega pra ninguém, já captei a mensagem da vida, eu acho. Minha leitura pode estar errada, mas eu sinto que devo ficar no slow motion mesmo.

Quando fui almoçar hoje, passei pelo mundaréu de gente que estava lá nas 4 pilastras vendendo ingressos pra tudo que é calourada e festa. Passei, almocei, voltei e fikei um tempo parada ali, no meio da multidão, procurando um colega que não estava lá. Depois fikei um tempo olhando mesmo a multidão, todos bebendo, falando, se cumprimentando, casais se agarrando...e não tive vontade de ir a nenhuma das festas...estava com dinheiro na bolsa pra comprar pelo menos um ingresso de uma dakelas festas, pensei nisso, mas desisti. Decido durante a semana. Não sei, não tive vontade mesmo porque sei o que acontece antes, durante e depois. Nunca me dei bem, só mesmo na hora. Posso estar "disperdiçando" tempo, como diriam alguns, por querer sempre algo mais sério quando todos estão, aparentemente, se divertindo. Mas eu prefiro assim, prefiro agora ter mais calma.


God bless us all,
bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…