Pular para o conteúdo principal

Ying- Yang

Boa noite de sábado...é noite de sábado e não resisti: fui hj mesmo resgatar meu notebook das garras de seus formatadores e voix-la, ei-lo aqui, por onde escrevo este post...

ultimamente, não tenho tido inveja dos casaizinhos por ai: semestre que vem começo minha monografia (enfim!) e que seria de meu par se o tivesse? haha parece desdém ou dor de cotovelo (sem hifen?) de alguem  que nunca teve um relacionamento de verdade, mas é isso, a gente vai vivendo e vai superando..ou não. Na verdade, acho que a gente não supera nada...eu por exemplo tenho vários traumas de infância; se alguém falar em bicicleta ou lancheira, ainda me dá uma dorzinha lá no fundo...se alguém está feliz com seu amor, posso sorrir, mas ainda dá uma dorzinha lá no fundo...se alguém consegue intercâmbio, essa mesma dorzinha me aperta o peito. Somos cheios dessas dorzinhas, tenho certeza que todos temos as nossas. To tao bitolada com férias, só pensando nas minhas possíveis que nem penso em mais nada...mas ainda há espaço suficiente na minha memória pra lembrar dos dias de treino dele e ir lá ve-lo, ainda que ele não me veja e ainda que já não haja nada. Nada. Me prendo à sua imagem por querer ter alguém em mente, mas nem isso to querendo agora. Eu o quis e de alguma forma, ainda o quero. Muito. Mas o que vou fazer? Mandar emails, mensagens, cartas, o diabo?? eu hein! como já disse, a vida me tolheu muito e nao mais corro atrás. Bom por um lado, mau por outro, mas é assim que é. Se a outra parte soltou a corda, pq eu vou continuar segurando? Ainda que seja um assunto que me encha a cabeça, visto o tanto que escrevo sobre isso hehe...

Changing the subject, fui á festa em homenagem ao Michaelontem, mas foi paia, vazio, vazio...deu pra curtir as músicas dele e tals, mas nao foi como a primeira, quando ele morreu: dancei demais!! dessa vez nem deu...levei a companhia da noite em casa e só voltei tarde por causa do garotinho mesmo hehe.

Está uma noite fria, pleno inverno. Gosto disso. As coisas parecem estar se resolvendo. Quando eu resolvo me mecher, as coisas tbm se movem. Isso é bom. Já tenho um som q toca CD (oba!!), meu note está aki comigo, minha tv em ordem tbm...sei que são meros objetos, mas me fazem me sentir completa de alguma forma. É bom ter as coisas à sua disposição: se eu quiser assistir TV ela tá lá; se eu quiser um som, ele tá lá; se eu quiser net, tenho o note; isso não se aplica a relacionamentos, se bem que algumas pessoas nos tratem assim, como meros objetos à sua disposição.

E a copa? nem assisti os jogos de hj: Uruguai ganhou de 2 a 1 de num sei quem (sorry) e EUA perdeu de 2 a 1 pra Gana, Gana nas quartas de final, hÊ!. Brasil agora pega Espanha ou Chile? ay que endurecer, pero sin perder la ternura jamás!! hehe...

Continuo lendo akele livro maluco, A Paixão da Nova Eva, Angela Carter. está bastante interessante, apesar do nonsense de um homem se tornar mulher e uma dita mulher ser descoberta homem! Todos temos ambos os lados feminino e masculino.

Está cedo ainda (21:34) mas já tenho sono e logo vou dormir. Sister Imelda, vou tentar escrever...é o tema de meu paper. E não assisti até hj o ultimo capitulo de viver a vida rsrsrs...mas q q importa isso? Importa que hj acordei, fui á cidade pegar meu note, no caminho comprei e comi uma trufa tradicional e agora à noite a esperança de que algo aconteça é grande (todo mundo espera alguma coissa de um sábado à noite.... sábado à noite tudo pode mudar). Bye!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…