Pular para o conteúdo principal

Semana do Fazendeiro - pelo mais!


Ontem vi Carol Reis dando entrevista para a radio universitária ali, em plena semana del fazendeiro...bonita, canta bem, mas não é nada extraordinario assim.
E acho que foi anteontem que vi uma senhora catando latinhas lá, na feira pra pobre ver e rico comprar. Eu estava ali perto, comendo uma mousse de maracujá, e corri para ajydá-la a pegaumas altinhas que estavam amis no fundo do latão de lixo. Não sei se os abastados lá sentados, comendo, viram o que eu fiz e ignoraram o ato, ou mesmo se viram a pobre senhora, que, diante de minha ajuda e certamente por falta de companhia, desatou a falar de seus problemas de saúde para mim. Perguntei se ela havia almoçado; mesmo sem poder gastar muito, tlvez eu pudesse lhe comprar algo, mas acho que ela não me ouviu bem e continuou falando. Eu tbm não entendi bem o que ela falava num tom baixo e um tanto enrolado, mas entendi certas partes, a diabete, o pegar o onibus ou as vezes voltar a pé pra casa e de casa pra rua, etc. Quase cgorei por ela, pela condição dela. Meu Deus, ela deveria estar em casa sendo cuidada, e não catando latinhas "pra ganhar um dinheirinho" como ela me disse. Onde estão seus parentes, filhos talvez? Talvez não possam muito ajudar, talvez tambpem estejam pelas ruas catando latinhas, enfiando a mão nos lixos que podem conter todo tipo de dejeto.
A velhinah foi embora e eu quase me enverginhei de continuar comendo a mousse de maracujá. Olhei ao redor: ninguém parecia mesmo ter notado a cena. Enquanto isso a semana dos fazedores de bufunfa continuava. A pobre senhora se foi, parando aqui e ali pela necessidade de falar e ser ouvida. Por pena ou por terem de cuidar de seus proprios estandes, as pessoas ouviam-na, sem muta atenção.
Prestei atenção em mim depois, descobrindo que sou meio akelas pessoas abastadas, meio akela pobre senhora: minha educação foi boa, digo, da parte dos meus pais, e me slvei de certos trejeitos e falas da classe menos abastada. Mas vivi em barraco de madeira, no meio de ratos e baratas, passando aperto e quase fome. Deus me livrou. Que livre também essa senhora e lhe dê descanso, amém.

ontem não fui à festa noturna da semana. fui à igreja, o que salvou meu dia. Conversava com ele no msn e tudo voltou à minha mente, comecei a chorar, ouvir musicas melancolicas, enfim, me jogar pra baixo mesmo. Vou à igreja, resolvi, e foi a melhor decisão. Chega. Tem coisas para as quais a gente tem que aprender a dizer chega. Eu já disse e venho dizendo algumas vezes, mas é preciso tomar a atitude do chega e "chegar" mesmo. tem coisas ou situações ou mesmo pessoas que no fazem 90% mal e 10% bem; teimamos em nos apegar a esses 10% para justificar o não dizer chega. Eu mesma sou assim. Não conseguimos as vezes ver a possibilidade de achar algo ou alguém que lhe dê os 100% tão desejados de bem, e por isso achamos que 10% tá bom, melhor do que nada. Melhor ter pela metade? Aliás, nem metade é, não é 50%, é 10%!! Aí vem os "pelo menos", que não vou exemplificar porque ficari explicito d+. Não temo que ter os pelo menos, e sim os muito mais! pelo mais! Campanha pelos "pelo mais", construção talvez considerada agramatical no nosso português, mas válida nesse contexto. Pelo mais!! Pelos 100%! Pelo dizer chega e "chegar" de verdade. Basta a cada dia o seu mal, Pelo mais que eu mereço! E que pena, certas pessoas não conseguem avaliar e apreciar o quanto oferecemos. Pena...Pelo mais!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…