Pular para o conteúdo principal

Semana do Fazendeiro - pelo mais!


Ontem vi Carol Reis dando entrevista para a radio universitária ali, em plena semana del fazendeiro...bonita, canta bem, mas não é nada extraordinario assim.
E acho que foi anteontem que vi uma senhora catando latinhas lá, na feira pra pobre ver e rico comprar. Eu estava ali perto, comendo uma mousse de maracujá, e corri para ajydá-la a pegaumas altinhas que estavam amis no fundo do latão de lixo. Não sei se os abastados lá sentados, comendo, viram o que eu fiz e ignoraram o ato, ou mesmo se viram a pobre senhora, que, diante de minha ajuda e certamente por falta de companhia, desatou a falar de seus problemas de saúde para mim. Perguntei se ela havia almoçado; mesmo sem poder gastar muito, tlvez eu pudesse lhe comprar algo, mas acho que ela não me ouviu bem e continuou falando. Eu tbm não entendi bem o que ela falava num tom baixo e um tanto enrolado, mas entendi certas partes, a diabete, o pegar o onibus ou as vezes voltar a pé pra casa e de casa pra rua, etc. Quase cgorei por ela, pela condição dela. Meu Deus, ela deveria estar em casa sendo cuidada, e não catando latinhas "pra ganhar um dinheirinho" como ela me disse. Onde estão seus parentes, filhos talvez? Talvez não possam muito ajudar, talvez tambpem estejam pelas ruas catando latinhas, enfiando a mão nos lixos que podem conter todo tipo de dejeto.
A velhinah foi embora e eu quase me enverginhei de continuar comendo a mousse de maracujá. Olhei ao redor: ninguém parecia mesmo ter notado a cena. Enquanto isso a semana dos fazedores de bufunfa continuava. A pobre senhora se foi, parando aqui e ali pela necessidade de falar e ser ouvida. Por pena ou por terem de cuidar de seus proprios estandes, as pessoas ouviam-na, sem muta atenção.
Prestei atenção em mim depois, descobrindo que sou meio akelas pessoas abastadas, meio akela pobre senhora: minha educação foi boa, digo, da parte dos meus pais, e me slvei de certos trejeitos e falas da classe menos abastada. Mas vivi em barraco de madeira, no meio de ratos e baratas, passando aperto e quase fome. Deus me livrou. Que livre também essa senhora e lhe dê descanso, amém.

ontem não fui à festa noturna da semana. fui à igreja, o que salvou meu dia. Conversava com ele no msn e tudo voltou à minha mente, comecei a chorar, ouvir musicas melancolicas, enfim, me jogar pra baixo mesmo. Vou à igreja, resolvi, e foi a melhor decisão. Chega. Tem coisas para as quais a gente tem que aprender a dizer chega. Eu já disse e venho dizendo algumas vezes, mas é preciso tomar a atitude do chega e "chegar" mesmo. tem coisas ou situações ou mesmo pessoas que no fazem 90% mal e 10% bem; teimamos em nos apegar a esses 10% para justificar o não dizer chega. Eu mesma sou assim. Não conseguimos as vezes ver a possibilidade de achar algo ou alguém que lhe dê os 100% tão desejados de bem, e por isso achamos que 10% tá bom, melhor do que nada. Melhor ter pela metade? Aliás, nem metade é, não é 50%, é 10%!! Aí vem os "pelo menos", que não vou exemplificar porque ficari explicito d+. Não temo que ter os pelo menos, e sim os muito mais! pelo mais! Campanha pelos "pelo mais", construção talvez considerada agramatical no nosso português, mas válida nesse contexto. Pelo mais!! Pelos 100%! Pelo dizer chega e "chegar" de verdade. Basta a cada dia o seu mal, Pelo mais que eu mereço! E que pena, certas pessoas não conseguem avaliar e apreciar o quanto oferecemos. Pena...Pelo mais!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…