Pular para o conteúdo principal

bota a mão no canudo que vai terminar! a graduation-tion, a graduation...

ouvindo: Heartbraker, Mariah Carey

Hehe...hoje houve uma reunião dos formandos para, dentre outras coisas, decidir o nome da turma. Cada frase besta que saiu...essa paródia do rebolation foi uma delas, mas não venceu. Até eu suferi uma frase super idiota: "mesmo pobre e fuleiro to formando em janeiro" rsrsrs...queria uma rima com janeiro, que é de praxe, mas a frase ganhadora não prezou por isso: "dias na raça...noites no grau...em janeiro meu diploma é federal". hehe tá bão neh...

Hoje também, agora há pouco, dei minha primeira aula no cursinho Santa Rita. Foi bom, muito bom, ate me assustei com o tamanho da turma, mais de vinte alunos, mas ta bom. Um aluno meu do outro cursinho tava lá também...J., coitado, akele tipo que terminou a escola há muito tempo e precisa de um pré-cursinho...sem muitas chances de passar, falta de base mesmo. A turma, no geral, tem uma certa base de inglês, axu que não preciso começar tão do zero assim, como fiz hj. mas hj foi so introdução mesmo. Axu que gostaram de mim, gostei deles...tem um aluno tão gatinho rsrsrs e falante.

Hoje tbm (eita!) eu ia ter um date, mas a gripe impediu...ou será que não? ops, chega de cogitações a respeito...mecho com a morte, mas com relacionamentos, não. A morte te faz sofrer uma vez só, uma única vez. O amor, ele não...te faz sofrer varaias vezes, principalmente quando vc passa pelos lugares, ruas, praças, campos e gramados que te fazem lembrar...e que te revoltam rsrsrs utimamente esse tem sido meu nome, revolta. Nunca deixarei de tê-la, não posso me conformar com as coisas...e por isso me revolto contra mim, pq na área sentimental, já me conformei. Já me conformei em não mais correr atrás. Corro atrás agora só da formatura, ai que ansiedade! baile, baile, baile!! só penso nele!!! Agora é sério, vou me formar, vou mesmo me formar!

...eu sou como um deficiente, um cego talvez que, faltando-lhe a visão, esenvolve amplamente seus outros sentidos... minha area afetiva é deficiente, e todas as outras querem se ampliar, não que já funcionem supersonicamente, mas cminham pra isso, assim espero. Me falta um pouco do olfato no momento, por causa da gripe. Engraçado que não sinto que estou com fome e acabo não comendo...ai está o perigo da gripe: vc nao sente q ta com fome, precisa comer, e vai enfraquecendo...a paixão e uma gripe: vc não sente que precisa viver e só vive pelo outro, e vai enfraquecendo, se tornando vulnerável, previsisvel, sem graça talvez..quando o outro te deixa, vc morre, então. Meu Deus, onde vou parar com esses pensamentos tão sombrios?

eu queria ser melhor, mais sociável, mais amável. Eu queria mesmo? era ser objeto de um amor insuportavel por parte de alguém, akela coisa sôfrega mesmo rsrsrs...eu queria viver um amor em toda a sua plenitude, mas agora não posso...tanto que já me tolheram que eu não consigo mais me entregar, me abrir, me jogar de cabeça como eu fazia antes...só que eu me jogava no raso da piscina, por isso machucava...e quando, se um dia, chegar o fundo da piscina, eu não vou mais conseguir pular e confiar, pelo sofrimento que as quedas anteriores já causaram. é assim que é. Eu desconheço o motivo de tudo isso. Queria não levar tudo tão a sério, ser mais leve, mais alegre, mais legal, mais feliz, talvez. O fato é que sou assim e estou conseguindo me enxergar cada vez mais e melhor. E me aceitando..me amando? talvez...me amo sim, só não admito rs.

eu tenho raiva dessa minha lucidez...queria continuar na loucura ingênua de ser, de apenas ser eu, essencialmente...de me dar abertura para amar do jeito louco que eu costumava amar, indo atrás, chorando, sofrendo, implorando, mas conseguindo no minimo chamara atenção...mas sei que as pessoas me vêem (vêm, veem, vem ?). Sabem que eu existo, comentam, falam de mim (bem ou mal, não sei, não me importo).

o que me entristece é isso: eu não vou conseguir mis me jogar sem medo do jeito que fazia...eu olhava pra água e minha ilusão era estar vendo profundeza, segurança. E me jogava. Mas a água enganava...se ia e eu batia a cara lá, no fundo raso da piscina.

Pois eh...em vez de minhas lamuriosas lamúrias...tá na hora...bota a mão no canudo que vai terminar!! A graduation-tion, a graduation!!

everything is over.

E eu quero um lugar nessa cidade carrasca cujo cada canto me lembra de tudo e mais um pouco. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…