Pular para o conteúdo principal

Educação: a gente vê por aki?


Mais uma aula de EDU 144, mais dscussões sobre reforma educacional, globalização, Estado, economia capitalista, etc. É muito dificil ser educador, professor nos dias de hoje. Como não procurar o próprio conforto, e como só procurar o próprio conforto? A sociedade, o governo demanda mão de obra em detrimento de uma educação reflexiva e crítica. A dita democratização do ensino ou da escola abriu mais as portas, mas por outro lado, gerou um sucateamento da educação, fragmentação do conhecimento, uniformização do conhecimento, que não atende as reais necessidades do individuo, e sim da demanda capitalista, nova ordem economica global. Dai também vem o que lemos num dos textos para essaa aula, o chamado 4º mundo, delineado por um nova geografia da exclusão social: fazem parte desse mundo as pessoas sem-teto, marginalizadas, encarceradas, prostituídas, criminalizadas, doentes e analfabetas (citação).

Pois eh, o que fazer? caindo numa escola pública, com o tempo, esquecemos de nosso foco e nossas ideias inovadoras, pois sozinhos nao temos força contra o sistema que se impõe. Não teremos tambem tempo para pensar no que fazer, como mudar: precisaremos trabalhar dia e noite para nos manter minimamente. Colocaremos nossos filhos nas escolas particulares, já que o estado delega a responsabilidade de educação de qualidade à iniciativa privada. E assim, querendo ou não, fechamos o círculo. Perdemos o fio da meada. Se vc não marcar a ponta do durex, não consegue achar depois. A gente acaba não marcando, com o tempo. Mas como não se conformar? e como se conformar? as duas posições tem implicações positivas e negativas. A escolha acaba sendo individual, pois pensamos no que é melhor pra gente. Abraçar ou não essa causa? Por que? 

Num dos textos mesmo, o autor diz que é dificil, nesse contexto atual, acharmos uma proposta que vá solucionar mesmo as coisas, e não excluir. Tudo tem seu lado bom e mau. Mas por que não procurar mais um pouco a ponta do durex, o fio da meada, tentar puxar, ver no que vai dar? Talvez não mudemos nada, mas já é um começo essa conscientização de que a coisa não tá nada boa. Eskeci um pouco de minhas dores e amores para falar disso. Acho que essas aulas, com toda a chatice e falta de pratica típicas, valem a pena ser comentadas, porque vale a pena fazer alguma coisa por uma causa, a causa, a meu ver, bem subjetivamente falando, que é crucial na construção do humano, qual seja, a educação (gastei, hein! rs...). A reflexão já é uma boa mudança. Tudo começa no campo das ideias. E, como vimos na aula de inglês ontem, sem discussões mais profundas a respeito, Education gives access to power through words. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…