Pular para o conteúdo principal

Educação: a gente vê por aki?


Mais uma aula de EDU 144, mais dscussões sobre reforma educacional, globalização, Estado, economia capitalista, etc. É muito dificil ser educador, professor nos dias de hoje. Como não procurar o próprio conforto, e como só procurar o próprio conforto? A sociedade, o governo demanda mão de obra em detrimento de uma educação reflexiva e crítica. A dita democratização do ensino ou da escola abriu mais as portas, mas por outro lado, gerou um sucateamento da educação, fragmentação do conhecimento, uniformização do conhecimento, que não atende as reais necessidades do individuo, e sim da demanda capitalista, nova ordem economica global. Dai também vem o que lemos num dos textos para essaa aula, o chamado 4º mundo, delineado por um nova geografia da exclusão social: fazem parte desse mundo as pessoas sem-teto, marginalizadas, encarceradas, prostituídas, criminalizadas, doentes e analfabetas (citação).

Pois eh, o que fazer? caindo numa escola pública, com o tempo, esquecemos de nosso foco e nossas ideias inovadoras, pois sozinhos nao temos força contra o sistema que se impõe. Não teremos tambem tempo para pensar no que fazer, como mudar: precisaremos trabalhar dia e noite para nos manter minimamente. Colocaremos nossos filhos nas escolas particulares, já que o estado delega a responsabilidade de educação de qualidade à iniciativa privada. E assim, querendo ou não, fechamos o círculo. Perdemos o fio da meada. Se vc não marcar a ponta do durex, não consegue achar depois. A gente acaba não marcando, com o tempo. Mas como não se conformar? e como se conformar? as duas posições tem implicações positivas e negativas. A escolha acaba sendo individual, pois pensamos no que é melhor pra gente. Abraçar ou não essa causa? Por que? 

Num dos textos mesmo, o autor diz que é dificil, nesse contexto atual, acharmos uma proposta que vá solucionar mesmo as coisas, e não excluir. Tudo tem seu lado bom e mau. Mas por que não procurar mais um pouco a ponta do durex, o fio da meada, tentar puxar, ver no que vai dar? Talvez não mudemos nada, mas já é um começo essa conscientização de que a coisa não tá nada boa. Eskeci um pouco de minhas dores e amores para falar disso. Acho que essas aulas, com toda a chatice e falta de pratica típicas, valem a pena ser comentadas, porque vale a pena fazer alguma coisa por uma causa, a causa, a meu ver, bem subjetivamente falando, que é crucial na construção do humano, qual seja, a educação (gastei, hein! rs...). A reflexão já é uma boa mudança. Tudo começa no campo das ideias. E, como vimos na aula de inglês ontem, sem discussões mais profundas a respeito, Education gives access to power through words. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…