Pular para o conteúdo principal

really brilliant life

ai essas minhas crises...


de repente hoje comecei a pensar quão árdua é minha tarefa com a turma do cursinho: tem alguns alunos que já tem noção de inglês, outros que nem saabem por onde passa...se eu vou pro be-a-bá, muitos ficam entediados...se eu levo um texto, como hoje, muitos reclamam que não sabem o básico...o que fazer? Dai, comecei a pensar na turma do celin, ambas as turmas em que dou aula for free...e ai pensei meu Deus to sem fonte de renda, meu Deus, e quando meu dinheiro acabar, como vai ser, de onde vou tirar? Estou dando aulas de redação, mas ainda nao recebi nada, e será muito pouco.

Não quero querê-lo mais...mas hoje fui ao escritório dele, duas vezes...não o encontrei. Na minha cabeça, a desculpa era dar um abraço de aniversário, já que provavelmente não o verei no domingo, que é o dia mesmo. Mandei mensagem agora, mas ele nao respondeu. Ainda não...espero que responda.

As meninas se mudaram hoje. levaram a geladeira e o butijão de gás...sim, estou mesmo na pindaiba agora, começando a me desesperar e deprimir de novo...sei que não posso ficar assim, mas eh muito forte, e nessas hora quero alguem, quero me agarrar a alguem, e não tenho em quem, entao me agarro à lembrança dele, às lembranças...ja faz quase três meses, mas ele ainda ronda meus pensamentos.

Depois que sai hj da aula no cursinho, passei na padaria, comprei pão, uma coca zero, mussarela e...hesitei, mas um cigarro peguei também. Acendi no DCE...lá estava meu calourinho...não sei se ele me viu fumar. Nossa, hoje foram dois cigarros: achei um à tarde, fumei no Itaú. Esse da noite, no DCE. Lugares significativos de lembranças. O que mais me incomoda é saber que amanhã ele vai num super shpw aqui em Viçosa, vai lá se acabar, vai ficar com alguém, talvez acordar com esse alguém e...nao, nao, ainda não consigo me conformar, aceitar que não estou com ele. Estou me segurando para não escrever o email agora que pretendo escrever na primeira hora do domingo. Me segurando muito.

Queria não me segurar...talvez eu esteja perdendo muita coisa assim. Não sei, não sei o que é melhor ou pior. Fikei por muito tempo insstindo com ele pra repensar, voltar atrás (muito tempo? axu q nem tanto quanto deveria!), mas ele nada, irredutível. Será que toda akela explicação bem elaborada era só pra me dar um pé na bunda com amortecedor? Doeu do mesmo jeito...de certa forma, já me conformei, mas sempre fico nakela: uma lembrança daki, uma lágrima dali, muita saudade everywhere.

Odeio a tecnologia...ele me dispensou pela net, pelo msn. Isso é no minimo ridiculo...e manter relacionamentos assim também é muito estranho. tempos modernos... mas a tecnologia me salvou. Sem crédito, pude mandar uma mensagem para ele via internet. Amo a internet ao mesmo tempo.

Amanhã vou dar um jeito nessa casa, que tá uma sujeira só. Talvez eu me aliene e transcenda o ser, alcance o nirvana, sei lá...my life is brilliant, really brilliant. good night.

Comentários

Amanda... disse…
Seja uma idiota...

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…