Pular para o conteúdo principal

Rebeca DeHoney estrela "A Noite"


Sinopse:
Numa noite cansativa e de frustrações amorosas, Doida Summer (Rebeca DeHoney) resolve sair para a night com sua amiga Guapa Girl (Amandita Baker, em uma ótima atuação) e um amigo, Rã (Rá Oni). No bar, Doida se diverte por estar entre amigos e procura curtir a noite. Rã se assusta com as habilidades orais de suas amigas com o cigarro e a garrafa de cerveja. Ele entra na onda e demonstra suas habilidades com o copo.
Doida encontra um de seus amores-rolo, Mister Nice Guy (Rael Rose), eles se cumprimentam e continuam em seus lugares. Tudo está bem, até que Doida encontra Mister Perfect (C.J. Swords, à la Rodrigo Santoro em "As panteras", sem muita fala), seu ex e grande amor, que a chutou feito bola de FA. Ao cumprimentá-lo, Doida quase cai em cima do rapaz, mas se recupera e passa por ele, acompanhada dos amigos. O encontro a abala e ela começa a beber compulsivamente noite afora, além de fumar. A imagem de Mister Perfect não sai de sua cabeça pois, vestido em sua melhor beca, ele estava realmente Perfect.
Doida e amigos vão para o bar ao lado e lá, Doida percebe que Mister Nice Guy está lá também. Ainda pensando em Mister Perfect, Doida vai para fora do bar, acende um cigarro e bebe cerveja, tentando fazer ister Perfect vê-la, inutilmente. De volta ao bar, Doida, entre doses de cachaça e cigarros, fica mais doida e sobe na cadeira, dançando sensualmente.Todas as moças do bar estão fazendo isso, inclusive Guapa Girl, com suas próprias frustações internacionais, mas Doida se destaca por sua insensatez sensual. Ao avistar outra amiga no bar, Doida vai até ela e acaba agarrando e beijando a moça, constrangendo-a na frente de sua namorada e deixando que Mister Nice Guy pense que elas estão realmente ficando. Mister Nice Guy ignora Doida por ela, ao sair do banheiro, ter beijado um rapaz que passava. O beijo foi como dizer "oi" e Doida não deu muita importância, mas Mister Nice Guy se afoga, isto é, faz tempestade em copo d'agua e a ignora.
Frustrada, Doida percebe que Deus (Big Smile) está entre nós, isto é, no meio da multidão, e pede Sua benção. Também pede que Ele se comporte, já que Deus fica muito alegre ao ver as moças dançando por lá. Por fim, Doida vai embora com sus amigos, não sem antes ver Guapa Girl cuidando de um adolescente perdido na multidão. Na manhã seguinte, Doida encontra Guapa Girl e alega que não é gay.

Elenco:
 
Rebeca DeHoney como Doida Summer
Amandita Baker como Guapa Girl
C. J. Swords interpretando Mister Perfect
Rael Rose como Mister Nice Guy
Rá Oni no papel de Rã
Big Smile no papel do sorridente Deus.

Frases importantes no filme:

 - morra nas cinzas da sua idiotice!

- larga minha mulher!
- se eu voltar e vc tocar um dedo nela, ...


- nossa, mister Perfect tá tão bonito!
- ele não está, ele é bonito, lindo!
- nossa, ele é o homem mais bonito que vc ja pegou, Doida!

- porque o cigarro é um símbolo fálico...

- cabô a cerveja?
- desce mais uma aê!

- "permita que o amoooooorr invada a sua casa, coração!"

- Deus! Deus!...Deeeeeeeeeus! se comporta, Deus!
- Eu sou o que Sou! Tudo posso!

- agora mesmo q vou ficar com outra pessoa só porque vc falou que eu to ficando!

- vou la fora falar com ele!
- o que vc vai falar?
- sei lá...que ele é um idiota!

- vai tomar no (c)$! p%$#@, vai pra ponte q te partiu...(pensamentos altos para as musicas q a bandinha tava tocando)

- Eu não sou gay, sou muito macho! isto é, macha! isto é...ah vc ta me confundindo!!

Infelizmente, o filme esteve em cartaz somente por uma noite. A recepção critica teve boa, aplaudindo a atuação de Amandita Baker e também de Rebeca DeHoney, já em seu segundo (terceiro, quarto?) papel de Doida Summer. O filme deve ter sua continuação em qualquer uma dessas quartas ou quintas-feiras. Aguardem!

Comentários

Amanda... disse…
e ele?? se afogou ou nao se afogou? kkkkk Muito bom!!!!!
Amanda... disse…
Insensatez sensual?? hahahaha

E essa frustração internacional aí, hein?? deixe claro no seu post que vc está falando daquele meu primo italiano maravilhoso, viu..kkk

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…