Pular para o conteúdo principal

Adorável Irascível

Mon Dieu, pq inda dói tanto?? a rejeição estampada na minha cara, apresentando-se bem crua à minha frente, e eu finjo que não a vejo e caio de joelhos, e baixo a cabeça, e ouço cada uma!! Gostar ou odiar nao faz diferença...a coisa é que terei sempre essa "casa pré-fabricada", pedindo a ele que abra os armários q eu estou a esperar; eu estou sempre a esperar. Querendo fazer do sorriso dele um abrigo... um belo sorriso que não é mais meu. O pior de tudo é que tudo que ainda sinto e tudo que significou pra mim é nada pra ele, é simplesmente nada.

Eu sou adorável. Adorável = digna de adoração. Adorável. O que ele quis dizer com isso??

Sim, sim, ao contrário da Ana Carolina, que aprendeu a se virar sozinha, e dá linha só pra depois abandonar, eu não aprendi não. Eu aprendi a me gostar e cuidar de mim, mas no quesito miocárdio, sou uma negação; não tenho controle sobre os sentimentos, mas até que controlo o que mostro. Não me revelo muito.

Ontem eu saí mas foi como se tivesse posto o cérebro e o coração no formol, e deixado em casa. Meu corpo foi, sozinho, eu sozinha. Encontrei gente lá, mas ninguém que se condoesse. Chegavam pra mim só pra perguntar de ALF, ou das outras meninas que moram comigo... virei sua sombra, ALF. Sou isso, só uma sombra. Não tenho significado sozinha, nada sou.

Eu me arrumei, estava bela, estava lá, mas minha cara amarradíssima nao permitiu que qualquer um se arriscasse a chegar mais perto. Quando deu 2h30, vim embora. Vi meu anjo mau de longe, ele me viu, mas eu nem dei atenção. Um segundo depois de passar por ele, olhei pra trás, ele tinha sumido. Não bebi, não olhei pra ninguém, não me distraí, não relaxei. E, ao voltar, sentei no palco montado no DCE e chorei. Me envergonhei do quanto sou fraca, me enraiveci com as lágrimas, quase me bati. Eu devia ter me dado um soco.

Ele nao acredita q ainda estou assim, pq diz ter feito de tudo para que isso não acontecesse. (de tudo = me tratou mau, nas palavras dele mesmo!!). Fikei pasmada. Eu falando em inglês e ele em português. Pq q eu nao consigo aceitar o fim? o fim das coisas me assusta. O fim da graduação está me pondo em pânico. O fim dos 20 anos tbm, daki a 3 anos. Sempre sofro por antecipação. E ele me criticonselhando, que eu devia ser assim, assado, que eu não devia isso e akilo, etc.

Eu não devia era ter nascido, porque eu sou assim e pronto, punto e basta. As pessoas aki não têm a menor noção do quanto eu já mudei. E não tem a menor noção de quem eu fui ou sou. Não sabem e não lhes interessa. Eu to cansada...ontem eu vi o quanto to cansada de sair pra barzinhos e ficar à caça, eu não aguento mais isso, estou velha d+ para isso, não por idade, mas pq já chegou num limite... e eu sinto que já deu, e eu vou ficar pra trás mesmo: minha irmã está casada, meus irmãos tem namorada...eu seria a próxima a me casar, mas...o que aconteceu? Viçosa aconteceu na minha vida e muitas decisões erradas vieram junto.

Não sei porque colokei akela foto minha tão sorridente no perfil do orkut. Eu não sou dakele jeito, tão bonita e sorridente...pareço feliz, não é? pois agora, pelo menos, não estou. Ironia pura. mas gosto de tirar fotos sorrindo, quando é outra pessoa que tira...quando eu tiro aki no meu note mesmo, eu me mostro. Pessimista? não, realista. Mas dizem que é o que todo pessimista diz, né, então...não sei.

Pois é...objetos aos quais direcionamos adoração geralmente são mantidos num pedestal, longe de nós...é assim que ele me quer, ter contato, mas o mais distante possível. Na verdade, se eu odiá-lo ou cortar relações, não faz diferença, ele já deixou claro. Nada do que eu fizer vai afetá-lo. Isso me mata. Eu queria afetá-lo, mas isso significa que eu não tenho qualquer relevância para ele, qualquer. Ou não? eu nao sei...esse discurso da negação é muito irascível e ambíguo. Irascível não sei, foi só uma palavra que quis usar, soa bem.

Eu sou irascível, irracional, idiota, imbecil, iracunda, infantil, inativa, inparcial, invasiva, i... tantos is...adorável, adorável, adorável. Eu não sou adorável. No linguajar masculino, um adorável seria quase meiga, lindinha, cruzes, eu não sou meiga. Não sou a lindinha das meninas superpoderosas, sou a docinho, que não tem nada de docinho, ou a florzinha, a equilibrada. Equilibrada, eu? sim, talvez em certos aspectos.

Eu sou as três, por isso, sou o equilíbrio. Eu pareço muito parada e sou. Quando decido fazer algo, tenho que fazer nakela hora, senao, protelo.

Ainda bem que nao tenho mais espelho de corpo inteiro em casa. Olho a minha cara só e "not sure I'm even here...and I'm starting to disappear..." (Crystal Ball - Keane):

"I Don't know where I am

and I don't really care
I look myself in the eye
there's no one there
I fall upon the earth
I call up on the air
But all I get is the same old vacant stare"

Estou fazendo um relicário imenso desse amor...palavras sem nenhuma cor, ou sentido. Palavras adoráveis.

Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…