Pular para o conteúdo principal

Corazón Partío


hey hey...tenho andado distraido desempregado e indeciso ( a letra é assim mesmo? rsrsrs.....). Distraído nao tenho andado...tenho andado alienada mesmo. A única coisa que tenho em mente eh minha monografia, meu bebê. estou gostando cada vez mais dela, apesar de me tomar os dias, as noites, os fins de semana, os feriados... tem uma coisa engraçada. Toda vez que alguém pergunta meu tema, e eu digo, e a pessoa percebe que é linguistica e nao literatura, ela faz uma cara de surpresa e diz: "Nossa, eu jurava que você ia pra literatura!!". Eu ia gente, eu ia. Há mais mistérios entre eu e a linguistica e a educação do que prevê as suas vãs literaturas !! rsrsrs brincadeira, a literatura nunca é vã....aí eu penso comigo mesma: será que estou indo pro lado errado? cada vez tenho mais certeza sobre a educação, linguistica é mais interesse pessoal, e literatura, ah, a literatura! Musa inalcançável para esta pobre mortal que vos fala... bom, nem tanto assim. Eu nao estudo; nao seria uma boa critica literaria, mas estou do outro lado: produzo literatura, sem modéstia mesmo, desculpa aê rsrsrs mas eh isso, nao sei se o que produzo virá a ser considerado bom ou mesmo literatura, mas eu produzo, e muito. E com gosto, com amor, com alma. Ultimamente minha poesia anda parada, mas essa prosa toda ta ai neh...isso aki que escrevo nao considero, mas bem que pode ser um dia.

Anseio pelo resultado do concurso da UFF, só sai em dezembro. Anseio por acabar essa fase da minha vida. O que virá depois? ainda não sei se ficarei e Viçosa e temo ficar, temo ir. Eu ainda passo pelo campo do itaú; ainda paro lá pra me agarrar ao passado...passado que tira a camisa no fim do jogo e quase me tira o fôlego... passado ainda tão presente, mas pelo qual já aprendi a não sofrer tanto. Passado presente no msn, no orkut, no meu interior.

Meu presente já nao é. Oscilo entre passado e futuro, e o presente é só o momento de decidir entre um e outro. Presente se torna passado a cada segundo. E eu to tao cansada, mas tao cansada de nao dizer tudo que tenho q dizer...de nao dormir direito, de ter a cabeça a mil por hora, de...estra tao vazia e cheia ao mesmo tempo. De ter vinculo ainda com meu Anjo Mau rs, um estranho vínculo. Cansada d tentar ligar od ia todo e nao conseguir, e ouvir que "o numero para o qual vc ligou nao está disponivel no momento". Desligado. desligado por dois dias? O que há? ai....! cansada de tanta dor no corpo, nos ombros, nos quadris, na alma, no coração. Porque coração é corpo e é alma; é o único órgao ambivalente.

Mas tenho evoluido. procuro nao desviar das pessoas. Hj quando encontrei Gi, ia dizendo oi e sentando em outro lugar, mas resolvi perguntar se tinha alguém do lado dela, ela disse que não, sentei, ficaos conversando sobre monografia, literatura, pílula, escolha entre vida profissional e pessoal. Dai ela foi embora com o namorido e combinamos de almoçar qualquer dia desses na casa dela. Ela convidou ALF tbm, viu???
Conversei também domingo e ontem com meu Anjo Mau. Acho que ele gostou do apelido. "Legal" ele disse. Durante nossa conversa, senti vontade de rir e chorar ao mesmo tempo, mas nao fiz nenhum dos dois. Senti outras vontades também, mas essas mesmo é que não realizei.  

Durmo com meu corazón partío...e quiem me va entregar sus emociones? nobody, nobody, nobody!! bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…