Pular para o conteúdo principal

20-10-2010

Eu não tinha notado até ler na comu dos nascidos em vinte de outubro, que a data esse ano é toda igual: 20-10-2010. sinistro....

ja recebi os tradicionais parabens de algumas pessoas pessoalmente, por orkut, por msn. Hj a noite combinei uma reuniao aki em casa, se eh que vem alguém...vamu ver.

axei o texto que meu pai escreveu pra mim quando eu tinha cinco anos. Ele diz muita coisa. É ele só por hj, axu que basta neh? take a look:

O nome de Rebeca



Uma meninazinha de apenas cinco aninhos tem o nome de Rebeca. O nome de Rebeca. Os pais, como todos os outros, vivem a pensar, e especialmente o pai, a sonhar, com o futuro da filha. O que sobrevirá, o que ocorrerá, enfim, questionando o bem-estar daquela coisinha-de-nada que Deus trouxe ao mundo. Não é tão miudinha assim, mas o pai insiste que ela é tão mimosinha assim aos seus próprios olhos.


Uma menina séria, como a maioria dos pequeninos o são, atenta, sempre surpreendendo o descuidado pai com exclamações incríveis! Onde será que ela aprende tudo isso? Mas a pequenina prossegue. A filhinha do papai, não porque é rica, mas porque o pai a tem em alta conta. Nascida em lar pobre, sem bens, sem muitos brinquedos, sem condições de ter tudo o que apreciaria demais. Tem o nome de Rebeca. Um bonito nome, um nome lindo. Verificados nas páginas sagradas da escritura, escolhido com antecedência, mesmo antes de seu nascimento, meditado, revivido na vida da personagem que tem esse nome no livro do Gênesis. Escolhido Rebeca. Soa bem, trás no seu significado muitas explicações. A pequena que encantará os olhares masculinos. Dotada por Deus de extrema beleza. Cobiçada por muitos, contudo eleita para um somente. Encaminhada pela graça divina, ensinada na fé cristã, educada para a vida, preparada para o destino. Assim vai a pequena Rebeca. Hoje com cinco anos. Amanhã com quinze, depois com dezoito, depois...


Passam-se os dias, os meses, as horas, os momentos alegres e felizes ao lado do papai e da mamãe, juntamente com o irmãozinho menor. Constantemente recorda-se da irmã mais velha que ficou para trás em outra cidade, morando com a avó, de quem sente saudades, expressando isso sinceramente, com a simplicidade das crianças, com a severidade dos olhinhos “pretinhos”, bem negrinhos, acha o pai, observando-os, elogiando-os, namorando-os, como fazem todos os pais gamados por todos os filhos queridos. Os lábios, uma boquinha pequenininha. Notou-se logo, desde que nasceu. Um rostinho delicado de criança pura e inocente. Os cabelos negros a correr-lhe pelos pequeninos ombros. Tem o nome de Rebeca. O nome de Rebeca. Um nome que traz alegria, um nome que traz esperança de um amanhã com aquele novo despertar. Esse é o nome de Rebeca. Um nome sobre os outros nomes. Um nome diferente, com uma pronúncia rica, embora num lar pobre. Um nome nobre, embora em família humilde. O pai a apreciá-lo sempre, não cansa de elogiá-la, sempre a gostar dela, sempre desejando-lhe dar tudo o que deseja, sempre preocupado em ganhar dinheiro para ajudar um pouco na felicidade da filha querida, para a formação daquela bonita menininha que hoje é uma criancinha de cinco aninhos, mas que no amanhã não muito distante, terá um objetivo, um dever, seu desempenho, sua luta, sua grande vitória. O nome de Rebeca. Realmente não me esqueço desse nomezinho adorável, pois não é um nome isolado, com ele vem aquele rostinho bonitinho e sapeco da menininha que a cada dia cresce mais um pouquinho, tornando-se em breve a grande meninona.


Creiam-me amigos, ela é Rebeca, tem o nome de Rebeca, é esse que Deus lhe deu: O NOME DE REBECA!

Osvaldo Gonçalves da Silva
São Paulo, 8 de outubro de 1988.

nao sei se meu pai chegou a  mostrá-lo pra alguém. Mas eu sempre li, desde que o descobri, nos axados do meu pai. happy birthday to me!!

Comentários

Sofia de Buteco disse…
Nossa Rebeca....que coisa mais linda seu pai lhe deu!
Acredito que o dom da palavra,este de ser alma transcrita à lápis, aina que numa pobre, rasa e nula folha de papel vulgar...transcende todas as riquezas materiais.
E esse dom, presente de Deus, a você e a seu pai, é uma daquelas dádivas dadas a poucos e que de tão poderosas, seja pela educação, pela literatura, pela Sagrada Escritura...pode mudar o mundo.
Se não o mundo inteiro, ao menos, o mundo de uma só pessoa, o mundo secreto que esta carrega consigo em seus devaneios e dores.
Bem REBECA: Você mudou o mundo de seu pai - isso já não é uma vitória?
Persista na luta por mudanças: mudanças na educação, mudanças na condição feminina, as que são tratadas como objetos pelos homens com quem nos deparamos....
Seja a mudança do seu mundo.
Rebeca: Feliz Aniversário!
Amo você!

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…