Pular para o conteúdo principal

I've learned my lesson well...


eu em 2008 no cursinho ômega (escola Edmundo Lins) English Teacher!
 Essa é uma expressão recorrente em inglês, "I've learned my lesson well" já vi em varias musicas. Is it true for me? I really don't know. Quando penso que aprendi bem a lição, caio em outra. Nesse dia dos professores, eu nao tinha me dado conta de que tbm sou uma. E tbm aluna, eternamente aluna. Quando se é professor, paradoxalmente vc está condenado a ser um eterno aprendiz. Magister, discipuli. Alguns magisteres nos ensinam pelo exemplo a nao ser seguido, outros por serem modelos vivos de seguimento. Nâo tenho nenhum professor que seja meu unico modelo, todos o são.
Estou ouvindo "teacher" do Jethro Tull, gostei da musiquinha, recomendo. Mais algumas sugestões para o dia de hj:

* "One more try" - George Michael. Essa é melancolica, mas vale, hehe. Trecho:

"And teacher
There are things
That I don't want to learn
Oh the last one I had
Made me cry
So I don't want to learn to
Hold you, touch you
Think that you're mine
Because it ain't no joy
For an uptown boy
Whose teacher has told him goodbye, goodbye, goodbye"
 
* Another brick in the wall" - Pink Floyd. Até eu me sinto só mais um tijolo na parede, a etrena condição do aluno...trecho:
 
"We don't need no education
We don't need no thought control
No dark sarcasm in the classroom
Teachers leave them kids alone
Hey! Teachers! Leave them kids alone!
All in all it's just another brick in the wall.
All in all you're just another brick in the wall.

We don't need no education
We don't need no thought control
No dark sarcasm in the classroom
Teachers leave them kids alone
Hey! Teachers! Leave them kids alone!
All in all it's just another brick in the wall.
All in all you're just another brick in the wall." (na verdade foi a musica toda, part II)
 
* "Teacher, I need you" - Elton John. Essa é legal, um garoto com a professora, cantado por Elton John? hmmmm rsrsrs...trecho:
 
"Oh teacher I need you like a little child
You got something in you to drive a schoolboy wild
You give me education in the lovesick blues
Help me get straight come out and say
Teacher I, teacher I, teacher I, Teacher I need you"
 
Ouçam a do Jethro Tull, muito boa. E, finalmente, "Looking for Angel" cantada por Laura Pausini. Ela fala a expressão "I've learned my lesson well/ some things don't work the way you planned...". Teachers podem ser angels ou demons. Ou, através de sua aparente "demonição", ensinar algo que levaremos pra vida. Mas o problema é que esses nós temos que decifrar, e estamos acostumados ao fácil, ao legal, ao "tá na cara". GRG e AMFB são esses exemplos pra mim. A primeira, a desorganização em pessoa, mas aos poucos vc vai percebendo o quanto ela sabe de tudo, vai entendendo o pq de ela ser do jeito que é, vai aceitando. AMFB é o fácil o "tá na cara", mas não se engane, ela não é ingênua, pelo contrário, torna-se exigente no fim das contas, talvez mais que GRG. Tudo tem sua "gracia", nao é mesmo? rsrsrs....
 
Nao sei o tipo de teacher que sou; como eu contei na minha language teaching history, estou ainda construindo minha identidade como teacher. Não sou a desorganização, tão pouco a perfeição; não sou a engraçada, tão pouco a rígida total. Estou me construindo, mas eh certo que já tenho lá meu perfil definido.

A todos os profissionais da educação (nem todos professores...mas todos os professores o são...) feliz dia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…