Pular para o conteúdo principal

needs...

pensativa.jpg

To cá ouvindo "more than words", uma melancolia...a noite vai chegando e me deprime. Odisseu nao voltou. Marcus Antonius reapareceu, vem sexta, quer me ver. Eu consigo seduzir mas nao consigo manter ninguem comigo. Pois eh, vai anoitecendo, eu aki alone, e começo a pensar nessas coisas, ouvindo essas musicas deprimentes, e ainda prestes a fazer...mais um ano de vida. Será que agora vou começar a esconder a idade? Já? Hm...não sei.

Minha situação financeira inda nao se resolveu, apesar de eu agora estar trabalhando.Tenho q esperar eh isso é o que faço de pior... sim, conisgo esperar, mas com uma ansiedade grande, um estresse, um nervosismo que culmina em raiva contra mim mesma e humor péssimo. 

Estou fazendo mais uma parte da minha monografia e acho que consigo termina-la a tempo sim! Pelo menos tenho q acreditar nisso. Coloquei uma frase aki bem na minha frente pra ler sempre: "I f I don't believe it, I really won't get it. Need to believe". estu extamente lidando com beliefs n minha monografia preciso acreditar que ela vai sair, ainda que não saia do jeito mais perfeito, mas pra isso não ligo, so quero terminá-la.

Preciso acreditar tbm que minha familia vai criar vergonha na cara e aparecer na minha formatura. Preciso acreditar que meus sobrinhos serão bem criados (impossivel!!!), preciso acreditar que vou me casar, preciso acreditar que alguem vai me amar, preciso acreditar q vou conseguir amar de veradde um dia. Pq o que passei ate aki foi muito sofrimento por arremedos de amor. Isso nao vale. Preciso acreditar que alguém pensa no amor como eu penso. escolha. Vida, dia a dia. Eternidade.

Preciso acreditar que um dia Doida Summer vai desencarnar, ou ao menos, adormecer em mim, como estava adormecida ha tempos antes que eu viesse para cá. Minha vida é AV e DV: antes de Viçosa e depois de Viçosa.

"vc precisa melhorar mais a sua auto estima" acabou de dizer um amigo pelo msn. Sim, tem isso tbm. Preciso acreditar que eu sou boa, que eu sou capaz, que eu sou alguém, que minha vida vale, que eu sou bonita, que eu sou legal, que as pessoas realmente gostam de mim. É, eu tenho sérios problemas com auto estima, sérios. Só não são mais sérios pq eu tenho amor a vida neh...nao faria nada contra ela...

E hj é dia das crianças. Dia de outra coisa nao me interessa...minha vida era mais ....mais....era diferente quando eu era criança, simplesmente diferente. Melhor talvez sob alguns aspectos, mas não muito melhor. Muitas privações. Eu brigava demais com meus irmaõs, mas no dia seguinte a gente tava la brincando. è sempre assim entre crianças. Cheguei a uma certa idade e nao esperava mais ganhar brinkedos no dia 12 de outubro. Na verdade, sempre esperava, mas sabia que não ia ganhar. Ainda estou assim, esperando meus brinkedos que nunca vem. Eu espero, sei que nao vou ganhar, mas a esperança insiste em ser minha amiga, em me agarrar as vezes de uma tal maneira que eu continuo esperando, esperando...

E eu sempre esperei as festas que supostamente viriam no dia 20 de outubro. Vieram algumas. Poucas pra uma vida. poucas para uma criança, poucas para uma adolescente às vesperas dos 15 anos, poucas ainda hj. Agora nao tem mais graça, não é...mas eu tolamente continuo no sonho dos 15 anos: meu début será minha formatura, 12 anos depois. Nem a minha formatura do ensino médio serviu, foi uma coisa muito sei lá, eu nem participei da construção dela direito, não escolhi nada, só o vestido prata alugado com muita reclamação pelo meu pai. Agora vou me dar ao luxo de uma festa digna, que só será superada pelo meu casamento, se acontecer. Preciso acreditar...bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…