Pular para o conteúdo principal

A noite das pérolas masculinas



Sorvetes copinho em alguma sorveteria de Viçosa - R$2,00; pastéis de queijo e de frango com catupiry - R$1 cada; cerveja Skol em qualquer bar - R$3,50; encontrar as amigas e ir pra um bar, além de interrogar um homem e ouvir as mais lindas (e mentirosas e loucas) pérolas masculinas - NÃO TEM PREÇO!!!

hauhauhau...foi o que aconteceu na bela tarde ensolarada de terça (14/12). Encontrei amigas na rua, combinamos de nos encontrar para um tipico icecream as 17h. E nessa hora, lá fomos nós.

RMS - hm...akela sorveteria tem um menino bonitinho rsrsrs..
ALF - ah então vamu lá!!!

Lá fomos... mas o menino bonitinho nao estava...td bem, o sorvete tava ótimo.

RMS - ei, olha lá, o carinha q trabalha aki fica tomando os sorvetes!
ALF - hm meu sonho é trabalhar numa sorveteria...ou numa livraria! ou os dois, uma sorveteria com livraria..
RMS - hm, mas as crianças com sorvetes, depois vao pegar nos livros, ih isso nao vai prestar...
ALF - é, ...nao tinha pensado nisso!

depois do sorvete:
ALF - o que a gente faz agora? ...
A ideia - é, o que a gente faz?
RMS - hm...
ALF, sempre a bebum - ei, vamu tomar uma cerveja?
A ideia - hm..ta..
RMS - ah, vamu!
ALF, - ei, olha lá minha prima!

Após juntarmo-nos em quatro e tomarmos rumo ao bar Malokeira's (hehe pseudônimo, ok?), eu e prima de Alf direcionamo-nos a cantina do pastel e pedimos o nosso:

Prima - hm..acho que vou pedir dois, to com tanta fome!
RMS - hehe acho que eu vou so de um mesmo!
Prima - é...peço um depois outro ne? melhor..
RMS - é...rsrs...

Voltamos à mesa e demos a primeira mordida: meu pastel veio errado...trokei, contando com a boa vontade do mocinho, hehe... depois dos pastéis, fomos pras cervas...

A ideia – ah não eu não bebo!
ALF – hm bebe um pouco!
A ideia – ah não , só um refri...
ALF – ok, ôh comandante, capitão, tio, brother, camarada!
Tiozinho – sim, sim? Uma porção, uma porção???
ALF – ah não hehe desce uma cerva e uma soda cáustica..isto é, um refri pra colega aki...

Passa um ex-nada de uma de nós (nem digo de quem hehe...) e se auto-oferece para uma cerva:

Pedala Robinho – ei, oi, blz?
ALF – e aí moço td bem?
Pedala Robinho – estou bem sim, muito obrigado senhorita. Posso sentar-me à mesa convosco??
ALF – ah, já ia te chamar, senta aê, meu fí!
Pedala Robinho – sinto-me agraciado por tais companhias..

Nisso, a prima já tinha ido embora, não antes sem falar de sua ex-paixão por um homem feio e mais velho que monta bem pra caramba, segundo ela, que fique claro (putz, português ambíguo...).

ALF – és um enviado dos céus! Tirai-me as dúvidas, peço-vos encarecidamente!!
Pedala Robinho – sim, em que posso ser-lhes útil?
ALF – contar-te-ei uma historia baseada em fatos reais de uma amiga da amiga da prima da vizinha da minha bisavó, é claro que não tem nada a ver comigo, que fique claro!!
Pedala Robinho – sim, sim, claro, compreendo. Prossiga!
ALF – era uma vez...

Enquanto isso, nos bastidores, eu vou ao banheiro, fico numa fila enorme, duas loiras passam descaradamente na minha frente e eu, alegrinha, me faço de besta, deixo, depois finalmente uso o banheiro e volto pra mesa, onde a história ainda não terminou:
ALF – então, depois q ela voltou de....ele e ela...e aí, eles... e então,. A terceira...aí, eles...só que ele não disse ...ai a terceira foi lá e ...e ai descobriu-se tudo...e então, o que vc axa??
Pedala Robinho – La pregunta??
ALF - Vc axa que eu, isto é, a terceira foi ou não foi a mais importante? Qual o grau de importância de cada uma? É possível amar todas ao mesmo tempo? Como?
Pedala Robinho – a segunda foi a mais importante, sim, é possível para alguns homens amar todas ao mesmo tempo e como, bem... prefiro não comentar...
ALF, para RMS – ai, vc axa que é isso mesmo???
RMS – aff, eu não sei de mais nada! Pra mim essa historia já deu! Homem é tudo um bando de fdp, eles são é uns vagabundos, descarados, safados, cachorros, etc, etc, etc...
ALF – nossa, mas vc axq que foi isso mesmo????
RMS – ai Jesus!! Homem so respeita mamãe! Mamãe é a única mulher que manda e desmanda neles, q diz pra eles deitarem que ela vai passar e eles deitam! Bando de vagabundos, idiotas, filhos da p¨%@, %$#@, (*&¨,666...
Pedala Robinho – calma, RMS!! Nem todos somos assim!
RMS – ah ta vai, vai cagar no mato!! O que eu não consigo entender é porque, porque, porque!!!!!!!

Após alguns instantes fazendo cara de bunda com um estranho olhar pra cima de mim, nosso amigo soltou o seguinte:

Pedala Robinho – Machucamos as mulheres na tentativa de não machucá-las.

Eu, já pra lá de Bagdá, me contorci de rir. E ri na cara do pobre...tentando consertar a pérola recém-dita, ele completou a piada do ano:

Pedala Robinho – Se não tentássemos não machucar, não machucaria tanto...

(não sei se tantos nãos estão nos lugares corretos, mas foi mais ou menos isso..)

Não conformada de estar sem uma câmera na mão, ou gravador, peguei minha agenda e anotei:

RMS – ah, essa eu tenho que anotar!! Não é possível!!
Pedala Robinho – eu exijo que me mostres o que acabastes de escrever!
RMS – que exige que nada, meu filho! A agenda é minha!!!
ALF – ah deixa ele ver, vai!
RMS – claro que não!! Tem mais coisas escritas aki!!

Depois de nova ida ao banheiro, voltei e ouvi o caro amigo na sua vez de contar uma estória. Peguei o final também:

Pedala Robinho – e então a Joana...mas a Maria...só que...é isso.
ALF – hm...Floyd, ops, Fróid explica...rsrsrs
RMS – Floyd? Pink Floyd explica!! Kkkkkkkkkkkkkkkk…
ALF – mas então, oh Robinho, vc tava ficando com a Maria e a Joana apareceu, mas ai a maria soube e não te quis mais, é isso??
Pedala Robinho – hnm...é....é...
ALF – é ou não é...
Pedala Robinho – hm mas agora vc me confundiu tbm hehehe... (risada do pateta)
A idéia – o que ela quis dizer é que....bla-blá-blá...é isso?
Pedala Robinho – hein??

Bom, os dois ficaram lá um tempo discutindo e ate se deram bem na conversa (trilha Titanic ao fundo hehe...). Na hora de virmos (virmos mesmo??) embora, Pedala Robinho ficou querendo ir, mas querendo ficar também:

Pedala – então, eu vou nessa...querem mais chocolate??
ALF – ah eu aceito..ops caiu no chão, vou pegar!
Pedala – ei, eu tenho mais aki!!
ALF – ah não eu quero o do chão! Eu quero, quero, quero! Aaaaaaaaaah!!
Pedala- ta bom, ta bom! Pode pegar....argh!!
ALF – ah se não tivesse ninguém olhando hehehe...brincadeirinha!!
dez minutos depois...
RMS – ei, vc não disse que ia embora??
Pedala Robinho – ah sim, então já vou, tchau!
Tchau!!

Bom, depois disso, ficamos La esperando o onibus de ALF, depois eu e A ideia tivemos que esperar a chuva passar, o que não aconteceu, e surpreendentemente, Pedala Robinho apareceu ensopado em sua bicicleta com dois guarda-chuvas na mão, nos entregou e foi embora. Como a chuva não passasse, fomos com ela mesmo. Esta é uma versão resumida da história da noite mais perolada que tive em 2010. Qualquer semelhança com fatos reais NÃO é mera coincidência. Bye!

Momentos avulsos :
ALF - Ah, vamos registrar esse momentos!!
Pedala Robinho – ah sim, sim,vem pra ca RMS!
RMS – hehe não gosto de fotos (adoro!!).
Pedala Robinho – ah vem cá vem, veeeeeeeeeeem!
RMS, com cara deblassé – ta hehe...

Momentos registrados em : http://sofiadebuteco.blogspot.com/2010/12/moreiras-cachacas-day.html

Bye-bye!!

Comentários

Sofia de Buteco disse…
porque se eles tentassem machucar...aí eles não machucariam! rs

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…