Pular para o conteúdo principal

Reunião futurista de ex-alunos

Viçosa, dezembro de 2043. Eu, já uma senhora de 60 anos, venho para mais uma reunião anual dos ex-alunos da UFV. 33 anos de formatura. Festa de dia para os mais idosos na vila gianetti, lá vou eu. Minha filha para o carro e desço amparada por meu filho. Meu marido vem me amparar tbm. Ele é mais novo. O sol exorbitante já não é problema: as ruas tem tetos solares. Coloco meu chapéu de abas largas, passo protetor. Me olho rapidamente no espelho, não gosto muito de meu rosto agora. Meu coração bate forte, tenhon medo de entrar. "Vai hesitar agora, mãe?" diz minha filha com um sorriso. Os filhos gêmeos dela de seis anos vêm me buscar: "vamu vó!!". "Tudo bem, mãe?", meu filho é o unico a perguntar. Meu marido me da um beijo na testa, sorri, segura minha mão e diz: "vamos, meu bem, é só mais uma festa de ex-alunos que vc tanto adora!". Eu vou, de mãos dadas com ele. Lembro de meus pais nessa hora... já não os tenho e queria tanto chamar minha mãe... olho para meus filhos e lembro deles bebezinhos...olho para meu marido e lembro do dia do nosso casamento... acabei de fazer sessenta e parece que realmente parei, sentei pra pensar.

Após minha graduação, fikei um ano trabalhando em Viçosa. Meu quase namorado na época foi estudar no Rio e rompemos. Eu sofri um bocado. Mas passei a frequentar mais o meio evangelico, as igrejas, e conheci meu marido. Ni inicio, ele parecia como os outros, ficavamos e ele nao me dava muita bola... aos poucos fomos nos descobrindo e tudo melhorou, ate chegar o casório, no mês das noivas mesmo, Maio, como eu queria, isso após eu terminar o mestrado. Publikei uns artigos e tive que ir algumas vezes aos EUA para congressos.  Paralelamente, consegui publicar meu livro de poemas e foi um a cada ano. Meu sonho! um grande sonho realizado, além de meu trabalho sócio-político-cultural com os jovens pré-vestibulandos das camadas populares.

E agora, mais uma reunião de ex-alunos. Eu tinha conseguido muita coisa nessa vida. Olhei para meu marido e o beijei. Entramos juntos. Meus filhos vieram atrás. Lídia veio só com os meninos, o marido ficou trabalhando. Artur está noivo, mas a noiva não pode vir. Gostei disso, rsrs. Artur, meu bebê, me ampara. Encontro ALF de novo. Batemos ponto nessas reuniões e não temos vergonha de ir nas festas a noite tbm. ALF tbm, está com o marido e os três filhos, com suas fa,ilias inteiras. ALF é avó de três crianças por quem baba, e baba ainda mais pelos filhos e pelo marido. Eles moram em São Paulo, assim como eu e os meus.

Coversamos muito, e com todos. Estamos bem, muito bem....

Bom paro por aki pq nao consegui imaginar mais nada... que complete a historia quem tiver mais imaginação! eu viajei nesse negocio de ex-alunos, conversando com uma amiga. Boa noite!

Comentários

Sofia de Buteco disse…
que fofoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo...kkkkkkk amei
Vou escrever tbm, quando vir inspiração!
Sofia de Buteco disse…
Fiz a parte II da sua história!

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…