Pular para o conteúdo principal

De repente graduada! -agradecimentos mil

É, eu estou oficialmente formada em letras, licenciada em letras - em outras palavras, professora de português e inglês. Foram realmente dias na raça, em que me matei, me doei, deixei de sair, sobretudo no ultimo semestre de 2010, me doei integralmente à monografia que, em retribuição, ficou pronta em menos de 4 meses inteiros - uma proeza.
Dias na raça, eu só o pó em 2010/II
Claro que tive muitos momentos de lazer e muito aprendizado. No inicio do curso, eu nao me dedicava tanto pelo fato de realmente não ter adquirido ainda o ritmo de estudos universitário, que a gente pega com o tempo. Muitas festas, muita coisa, muitas decisões a tomar, e não só no campo profissional, porque o profissional começa agora, mas sobretudo o lado pessoal: com  quem se relacionar, ficar, beijar, amar, apaixonar, se frustar, chorar e muito!! Momentos de estou-completamente-sozinha-neste-mundo e que-bom-que-tenho-amigos! Noites no grau...

noites no grau, meu niver 2010/II
Pra culminar no que vivi esses dias: churrasco, colação, culto e baile!

churrasco bao...


colação


no meio dos amigos no baile, bikinho rs...

Pois é, ainda não tenho fotos do culto, todas tiradas pela empresa encarregada de nos photoshopar depois...

Queria falar um pouco do baile. Pois bem, eu fui, mas estava me sentindo nao muito a vontade, nao sabia bem o que fazer, mal humor e estresse com meu irmão, enfim, "família êh, família ah, família!". Mas correu tudo bem. A minha sensação de estranheza não passou, eu senti que faltava algo, e não sei bem como definir esse algo: um pouco mais de disposição da minha parte, mais alegria... mas fim de coisas me deixam meio assim. Ainda não vou embora de Viçosa, mas é como se estivesse me despedindo; e parece que 2011 começou agora. Os momentos finais mais significtaivos para mim foram a colação e o culto. Entrei chorando no multiuso, chorei em muitos momentos e quase colokei o coração pela boca quando era a vez do curso de Letras. Muitas fotos, muitas lembranças. Agradeço aos meus pais e irmão por terem vindo!

família!!
E aos amigos tbm que gritaram meu nome, especialmente Amanda, Lívia, e Ariana. Livinha que me abraçou um momento lá no baile e disse que eu merecia muito estar lá e ter conseguido me formar. love you Livia!! Amanda que me preparaou uma pequena recepção em sua casa depois da colação de grau. Na verdade ela queria era conhecer meu irmão mais novo, que infelizmente não pôde vir hehehehe.... Ariana que não ia participar de nada e eu fiz ela participar de quase tudo, inclusive do baile!
óh nóis aí!!! so faltou Livia rs...
Dias na raça, noites no grau...em janeiro meu diploma é federal. Ei-lo!!! (ainda não é o diploma mesmo gentem):

E agradeço ao querido C que foi la me dar os parabéns após a colação. Lindos sobrinhos! Também ao A que me cumprimentou e que também merece os parabéns, formado também. Aos meus colegas letrados Rodolpho, Lucas e Rodrigo, os três homens formados. De meninas, fomos Ariana, Camila, Eloysa, Júlia, Leilane, Lívia Eccard, Luíza, eu, Rose, Suellen e Thaís. vencemos amigos!!!
Ah, o baile também foi tao rápido...na verdade durou horas, mas foi como se tivesse durado cinco minutos, de repente assim acabou e eu me vi graduada. me cansei muito rápido, não tenho mais tanto pique, hehe. E o culto foi o ápice da emoção; fopi o momento de agradecer oficialmente a Deus por essa grande conquista em nossas vidas, ah, isso sem falar na aula da saudade, em que a nossa querida teacher se emocionou e nos emocionou também.
Agradeço imensamente ao meu tio Elson que me amparou em muitos momentos, sobretudo nesses finais.

E eu chorei d+ durante o culto e a colação... e chorei demais durante toda minha graduação...e chorarei mais ainda eu sei por essa vida afora, que está apenas começando! Muita gente pra agradecer, mas fica aqui meu abraço, todos foram extremamente importantes pra mim, aqui citados e não citados. Valeu!!
bju bye...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…