Pular para o conteúdo principal

Eu tô nakelas...

Eu tô nakelas, nakele nervosismo todo que precede uma colação de grau, a minha!!!
É, eu tô nakela...de repente caiu a ficha, vou formar, já tô nakelas...lágrimas...
É, eu não vou embora não... mas de repente parece que tudo acabou e eu senti um vazio... isso dói. Toda transição de fase, mudança de vida, o que quer que seja dói um bocado. 2011 começou agora...31 de dezembro de 2010 eu nem tinha sentido, senti nada...e preciso sempre sentir a passagem do ano, preciso sentir que o outro acabou, uma parte ou fase do passado acabou. Estou começando a sentir...é, eu tô nakelas: começando a sentir. 
Eu fui levada pelas letras: desde o início estágios dentro e fora da universidade, sempre procurando fontes de renda para (sobre)viver aki. Parecia que tinha tanto tempo e, ao mesmo tempo, tão pouco tempo, tanta ideia e coisa pra fazer, tanta ideia inovadora com as quais nao pude proceder, mas eu ainda as tenho, tenho os meios, tenho eu mesma e vontade. Mudar o mundo sim, mudar o mundo que me cerca, o meu mundo. Mudar o que vejo: crianças alienadas, jovens alienados, jovens gravidas axando tudo muito bom e natural, jovens se drogando não como nós, universitários, mas axando na droga o prazer que não têm na vida. Jovens excluidos que mal sabem falar ou escrever o próprio nome, mal percebendo suas vagas por direito sendo tomadas pelos mais abastados nas universidades públicas. Jovens não tão jovens, que terminaram há muito a escola, mal se lembram das conjugações dos verbos em português, que dirá em inglês... as minhas lágrimas agora são por eles também, porque o pouco que pude fazer, eu fiz. E as palmas que recebi pelo dia do professor sinceramente me envergonharam...estou apenas começando uma árdua caminhada pelo direito à educação. Sim, eu digo direito! Odeio a palavra oportunidade, detesto. Eu quero o direito de que fala Martin Luther King: é direito, é direito! Oportunidade pressupõe alguém acima de vc q te abre as portas. Não!! Todos iguais, igualdade, direito!! Não odeio a palavra oportunidade em si, mas ela é muito mal usada. Gosto dos dizeres que ficaram pós revolução francesa: Liberté, Egalité, Fraternité (Liberdade, Igualdade, Fraternidade). Gosto do "I have a dream" e nem tanto do American Dream; apesar de estar baseado nele, o discurso de Luther King o ultrapassa e consolida.
É isso...estou nakela de choro, de trabalho árduo pela frente, de sonho de igualdade, direito, democracia verdadeira. Estou nakela de quem está a espera de algo mais...de poder fazer muito mais por esses meus alunos que me dizem que não gostam de inglês, que não conseguem aprender, que o outro professor era melhor, que ir pro exterior é essencial, que eu devia ter escolhido outra profissão, que eu sou idosa, que tenho q fazer isso e isso e akilo...alunos que me olham e nao entendem o que falo, por que estou ali, por que escolhi inglês, por que escolhi eles... amo todos, mas sobretudo os alunos do cursinho, no qual pretendo continuar esse ano, sem eskecer do mestrado. É...
estou nakelas de pensar que o mestrado me afastará do campo, do contato verdadeiro com eles, com os alunos. Alunos universitários? Não... eu quero os alunos mais reais... os excluidos, os marginalizados de uma cidade que abriga uma grande universidade, e que no entanto, a universidade não abriga... Mestrado eu farei, aliás, eu tentarei, mas se não fizer muito bem, se fizer, muito bem também. Eu não quero virar estrelinha de algum curso de letras, eu nao quero ser a professora fodona, a que não tem fim de semana, a que dorme escrevendo artigos, a que não teve filhos em nome da carreira acadêmica... eu quero ser daki de fora, eu quero estar aki, eu quero olhar de perto os alunos de cursinhos e de escolas públicas, eu quero ver o meio de onde eu vim mudar...e eu quero lembrar do que eu fiz pra ensinar o caminho também, e não ficar competindo com meus alunos...sim, certas coisas eles devem descobrir por si sós... mas se eu sei algumas respostas - porque nunca se sabe todas - por que não compartilhá-las? por  que manter o conhecimento só pra mim? IGUALDADE!! Partir o pão...comunidade: 

"E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns" (Atos 4:32)

Acho que é esse meu ideal cristão de comunidade, a igreja dos primórdios, tudo de todos, compartilhar. Escola e academia devem também ser assim, lugar de troca, de compartilhamento.


E, pra terminar por hj, pois preciso dormir pra colação amanhã, um videozinho q pode conter mensagens clichês, mas conforta as nossas almas docentes sofredoras. bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…