Pular para o conteúdo principal

Aligria II

- oi seu moço!

- opa, moça, como q posso lhi ajudá?

- oxe, seu moço, se alembra mais de eu não?

- vixi, moça, é tanta moça bunita e triste q passa por essas banda daki que num posso mi alembrá bem... sua graça?

- o sinhô mi deu um um potin dakeli ali, tá vendo? aligria!

- ah, sim dona moça! e óia q dessis potin eu num passo pra qualqué uma não! agora qui tô mi alembrando sim da sinhorinha!

- hehe... a aligria funcionou por um tempo, seu moço, mas passô logo...disisti de tumá, vissi?
- uai, mas po caus'di quê?

- ah, seu moço, mecho mais com isso não... mecho mais com amor não...mas lhi truxe o puema...

- mas óia que beleza! ta um cadin triste num é... mas é uma beleza!

- é, seu moço...essas coisa du coração num é pra mim não...mecho mais com isso não...
- é dona moça...mais quando nóis tá pra disistir de arguma coisa, aí vem a solução, num sabe?

- 'cê acha, seu moço?

-ara, tenho cirteza, uai! óia, leva essas tr~es vela e mais um potin desse aki!
- esse verdin?

- é, pode pegá!

- tá certo, seu moço...e akele vridrin vermelho? prefume?

- hm..é, é...pode se dizê qui sim! mas esse é caro dona Moça, e a senhorinha num tá pronta pra levá ele não!

- uai, mas quandu é qui vô pudê levá, intão?

- assim q me trazê um puema bonito e alegre, vissi?

- oxe, tão tá bão! tè mais, seu moço!

- tè mais dona moça! Ah! e não deixa as vela apagá naõ, vissi?

- tá bão! t+

- inté!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…